Advertisements

Corinthians minimiza grave problema estrutural da Arena de Itaquera

Ontem (07), pouco antes da partida entre Corinthians e Goiás, todo o nono andar da Arena de Itaquera – setor em que localiza-se o camarote da diretoria alvinegra – foi interditado.

A explicação oficial do clube foi a de que houve simples vazamento de água.

Não é verdade.

Após checagem de técnicos, o presidente Andres Sanches foi informado de que havia risco de desabamento de parte do teto, e, talvez, comprometimento estrutural em algumas paredes, ocasionados, à primeira análise, pela má instalação de equipamentos hidráulicos, alguns, de segunda linha.

Para evitar questionamentos da imprensa e, principalmente, de conselheiros, que se reunirão, em breve, para discutir exatamente assuntos ligados ao estádio, a diretoria decidiu esconder a gravidade do problema.

Melhor seria se Sanches não tivesse medo da reação da Odebrecht ao expor a realidade estrutural do estádio, até para que a construtora, no acerto de contas pendente com o clube, fosse obrigada a reparar seus ‘equívocos’.

Mesmo com diversos laudos e motivações para brigar na Justiça, o Timão, inexplicavelmente, nunca acionou a construtora, nem que fosse apenas para desfazer, pericialmente, as dúvidas que estão no ar.

A dívida principal do Corinthians com a empresa foi quitada, através do repasse de CIDs, mas ainda existe a discussão sobre mais de R$ 300 milhões em empréstimos tomados sob pretexto de acelerar as obras da Arena.

Atitude suspeita – a de correr para pagar a Odebrecht, principalmente pela incerteza sobre a real conclusão das obras – de uma diretoria que sempre levou até às últimas instâncias judiciais outras dívidas com os mais variados credores.

Parece até que as delações de executivos da construtora, indicando que pagaram propinas a dirigentes do clube para que estes facilitassem o sobrepreço da construção tiveram peso na decisão de quitar os valores, ainda que controversos.

Em passado recente, outros problemas na estrutura do estádio foram revelados – alguns tão graves quanto -, mas foram também minimizados pela cartolagem alvinegra.

Nunca um consumidor defendeu tanto uma empresa que lhe prestou serviço deficiente.

O estádio de Itaquera esbanjou em material de acabamento – que lhe dá um ar de modernidade – mas economizou (em qualidade de materiais, não em dinheiro) nos setores primordiais, que ficam longe da vista do público em geral.

Além de, possivelmente, ter sido roubado no negócio, o clube, ao decidir ocultar os graves problemas, coloca em risco a integridade física de seus torcedores.

Cabe agora ao Conselho Deliberativo do Corinthians cobrar não apenas a exposição de receitas e despesas da Arena, mas exigir a contratação de pessoas habilitadas à investigar todos os detalhes da obra da Arena, exigindo reparação dos dirigentes se, por ventura, pagaram à Odebrecht mais do que deveriam diante do que, de fato, foi entregue à agremiação.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: