Advertisements

A Lava Jato e Bolsonaro

Da FOLHA

Por CELSO ROCHA DE BARROS

Moro e Deltan foram nadar em águas muito mais profundas do que lhes seria seguro

Deltan Dallagnol tentou convencer os procuradores da Lava Jato a fazer busca e apreensão na casa de Jaques Wagner, coordenador da campanha de Fernando Haddad, às vésperas da eleição de 2018, nem que fosse por uma “questão simbólica”. A conversa foi revelada pela parceria Folha/Intercept Brasil
no último sábado.

Se a questão fosse apenas agir contra Wagner antes que ele adquirisse foro especial (havia sido eleito senador), o que uma busca e apreensão sem utilidade processual simbolizaria? Mas se o objetivo era favorecer a eleição de Jair Bolsonaro, o simbolismo era evidente.

E nesses, como em outros pontos, é difícil dar o benefício da dúvida a Moro e a Deltan porque Moro tornou-se ministro da Justiça de Bolsonaro.

De todos os vazamentos até agora, o que mais me doeu a alma, pela sensação de oportunidade perdida, foi a postagem da procuradora da Lava Jato Jerusa Viecili sugerindo aos colegas um posicionamento público que distanciasse a Lava Jato das posições autoritárias de Jair Bolsonaro, bem como de candidaturas que haviam anunciado os nomes de futuros ministros que eram acusados de corrupção.

Nada do que Moro venha a fazer como ministro será melhor para o Brasil do que teria sido uma declaração distanciando o lavajatismo do bolsonarismo.

Disse a procuradora: “Pessoal, desculpem voltar ao assunto (sou voto vencido), mas, somente esta semana, várias pessoas, inclusive alguns colegas e servidores, me questionaram a ausência de manifestação da FT diante de alguns posicionamentos dos candidatos à presidência. […] Em outros tempos, por motivos outros, mas igualmente relevantes e perigosos, divulgamos nota, convocamos coletiva e ameaçamos renunciar (!) […] Acho muito grave ficarmos em silêncio quando um dos candidatos manifesta-se contra a nomeação do PGR da lista tríplice, diante de questões ideológicas. Mais grave ainda, assistirmos passivamente, ameaças à liberdade de imprensa quando nós somos os primeiros a afirmar a importância da imprensa para o sucesso da Lava Jato […]”.

Mesmo se você não gostar do PT, lembre-se de que um pronunciamento como o sugerido por Viecili poderia ter sido feito no primeiro turno.

Algumas semanas depois, com Moro já cotado para o Ministério da Justiça, todos os procuradores da força-tarefa, à exceção de Deltan, estavam horrorizados com a perspectiva de associação da Lava
Jato com o novo governo
.

A procuradora Monique Cheker resumiu bem a impressão que a nomeação causaria: “E a ‘escadinha’ disso tudo foi terrível: Moro ajudou a derrubar a esquerda, sua esposa fez propaganda para Bolsonaro e ele agora assume um cargo político. Não podemos olhar isso e achar natural”.

Ainda vai haver muito debate sobre o viés político da Lava Jato, e imagino que os vazamentos do Intercept nos ajudarão a esclarecer essa questão.

Mas é difícil não ter, desde já, uma impressão muito clara: Moro e Deltan foram nadar em águas políticas muito mais profundas e agitadas do que lhes seria seguro.

Nenhum dos dois seria nada sem a democracia, sem a liberdade de imprensa, sem a alternância partidária que quebrou a dependência do Judiciário e da polícia diante dos mesmos chefes de sempre.

Gente assim não deveria brincar de bolsonarismo.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: