Advertisements
Anúncios

Manadas de WhatsApp

Da FOLHA

Por JOSÉ PADILHA

Lava Jato foi embate entre políticos corruptos e justiceiros

Critiquei, recentemente, uma parte do pacote anticrime que o ministro Sergio Moro (Justiça) enviou ao Congresso. Mais precisamente, a que estimula o crescimento da violência policial no país. Moro respondeu com um “post” sem qualquer referência aos dados que citei. Disse, numa alusão ao fato de que sou cineasta, que minha crítica era ficção, como se não existissem milícias no Brasil. O descaso de Moro com dados que contrariam suas crenças é um exemplo do que chamo de desonestidade intelectual.

Outro exemplo é a atitude da maioria dos formadores de opinião brasileiros, à direita e à esquerda. Uma parte se recusa a admitir que caiu no conto do vigário de Lula, se recusa a aceitar que ele capitaneou a associação PT-PMDB com um cartel de empreiteiros que desviou bilhões de dólares dos cofres públicos. A outra finge não ver que Jair Bolsonaro, além de desqualificado, tem conexões com a esgotosfera da polícia do Rio de Janeiro. No que tange à honestidade intelectual, a direita pró-Bolsonaro e a esquerda pró-Lula se tornaram irmãs siamesas: nunca mudam de opinião.

Não admitem a falibilidade de seus intelectos porque não satisfazem a definição do filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein. Não são pensadores, são membros de comunidades de ideias, de grupos de WhatsApp onde identidade tribal é critério de verdade.

Considere, leitor, os seguintes enunciados: 1 – a violência policial é um problema no Brasil; 2 – não deve haver uma reforma da Previdência; 3 – todos os atos de Moro na Lava Jato foram nefastos; 4 – Dilma e Lula são honestos; 5 – não pode haver privatizações; 6 – prisão em segunda instância é cercear o direito de defesa; 7 – o mensalão não existiu; 8 – a liberdade sexual é um direito individual; 9 – a maconha deve ser legalizada; e 10 – o impeachment foi um golpe.

A esquerda petista acredita em todos os enunciados acima. Já a direita bolsonarista não acredita em nenhum. Note, entretanto, que não há conexão lógica entre esses enunciados. A aceitação de um não implica a de outros. Nada impede, por exemplo, que alguém admire o combate do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) às milícias, considere importante o ataque à roubalheira de Lula e companhia, que seja a favor da reforma da Previdência, que ache que Moro errou feio ao se associar a Bolsonaro, que defenda a liberdade sexual e a legalização da maconha, que ache que Dilma roubou, a despeito de o impeachment ter sido golpe, e que seja a favor da prisão após condenação em segunda instância. Uma pessoa assim, porém, não cabe nem no petismo nem no bolsonarismo.

Evidentemente, o leitor já concluiu que essa pessoa sou eu. A questão é: como é que virei tão “gauche” na vida? Respondo: se novos fatos contrariam as minhas crenças, mudo de crença em vez de negar os fatos. As mensagens vazadas de Moro, por exemplo, mostram um juiz trabalhando com procuradores para condenar réus. À luz deste fato, concluo que a Lava Jato foi um embate entre políticos corruptos e uma equipe de justiceiros…

O nome que dou à metodologia que coloca fatos à frente de crenças é “racionalidade”. O nome que dou à negação da racionalidade é “desonestidade intelectual”. Note, todavia, que as manadas de WhatsApp não definem “desonestidade intelectual” como eu. Para elas, um sujeito é desonesto intelectualmente quando contraria as crenças da sua manada. Honestidade intelectual, para esta gente, é coesão social. Concorde com alguma das proposições acima em um grupo de WhatsApp de direita, ou discorde em um de esquerda, pra ver o que acontece…

Ao ler a minha crítica a Moro, parte da esquerda assumiu que eu estava aceitando todas as suas outras teses. Alguns até disseram que “era tarde”, como seu eu estivesse pleiteando vaga em sua manada. Cruz-credo, digo eu! Faço questão de não pertencer nem ao petismo nem ao bolsonarismo, as duas manadas dominantes no Brasil.

Sob o risco de soar como um guru —e já soando—, sugiro a ambas que observem calmamente o que se passa em seus grupos de WhatsApp. Se fizerem isso, perceberão que nunca mudam de ideia porque têm medo do julgamento de seus pares. Perceberão que são reféns uns dos outros e que vivem uma dinâmica social que se opõe à razão. Concluirão, como Wittgenstein, que “o inferno não são os outros, o inferno são vocês mesmos”.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: