Advertisements

Esclarecimentos sobre a legalidade dos cursos de formação para árbitros de futebol

Por DOUGLAS D’ANDREA

Uma determinada “senhora” vem dizendo que o reconhecimento do Safesp em relação aos cursos de arbitragem é um “conto de fadas”, então, vamos viajar neste conto de fadas e esclarecer para a “bruxa má” e seus “seguidores” alguns fatos da atual legislação e deixe para que os árbitros optem em correr pelo certo e correto ou pelo outro caminho:

O embasamento é legitimado pelos princípios emanados de nossa Constituição Federal e pela Lei Federal 12.867 de 10/10/2013 que regulamentou a “profissão árbitro de futebol” em conformidade com o Artigo 88 da Lei Federal 9.615 de 24/03/1988 que é a Lei Geral do Desporto.

Esclarece o artigo 88 da Lei Federal 9.615:
Art. 88. Os árbitros e auxiliares de arbitragem poderão constituir entidades nacionais, estaduais e do Distrito Federal, por modalidade desportiva ou grupo de modalidades, objetivando o recrutamento, a formação e a prestação de serviços às entidades de administração do desporto. (Redação dada pela Lei nº 12.395, de 2011).

Esclarece a Lei Federal 12.867:
Art. 1º A profissão de árbitro de futebol é reconhecida e regulada por esta Lei, sem prejuízo das disposições não colidentes contidas na legislação vigente.
Art. 2º O árbitro de futebol exercerá atribuições relacionadas às atividades esportivas disciplinadas pela Lei n º 9.615, de 24 de março de 1998, destacando-se aquelas inerentes ao árbitro de partidas de futebol e as de seus auxiliares.

Considerando que:
Os árbitros paulistas constituíram uma entidade de abrangência estadual e obtiveram em 1981 a Carta Sindical junto ao Ministério do Trabalho, portanto, a esta entidade compete o papel estipulado no artigo no que tange a formação e preparação do profissional para desempenho das funções.

Para trabalhar na profissão de árbitro de futebol faz-se necessário qualificação profissional específica e reconhecida, realizada por entidade legal para esta finalidade.

Que o Safesp é a entidade legitimada em nosso Estado para a formação profissional, através de sua Escola de Árbitros Armando Marques, que possui regimento próprio aprovado pela Secretaria de Educação (Portaria nº 2013/2000, publicada em DOE de 21/02/2001, nº 35 – Seção I na página 14.)

Considerando o início da vigência da atual legislação e sua regulamentação anterior e posterior à lei no quesito exigência de formação profissional

Considerando a Constituição Federal garante a todos os brasileiros o direito de se viver com dignidade, dando-nos o direito de trabalhar em qualquer tipo de atividade, sendo a única barreira posta a de sermos tecnicamente capazes de exercer atividade que exija conhecimento específico (CF: “XIII – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a Lei estabelecer”)

Portanto “para o exercício da profissão de árbitro de futebol o profissional deve possuir sua qualificação com formação pelo órgão responsável por instrução”, evitando, “interpretações adversas” da atual legislação.

***** /// ***** /// ***** /// *****

Inclusive o próprio “reino” da atual “senhora” realizou seus últimos cursos com o Safesp por causa do cumprimento da legislação.

Acredito que respostas precisam ser dadas…
Mas aos árbitros que forem cursar podem escolher entre o “conto de fadas” ou “o conto da bruxaria”

==> Este texto é de minha autoria, não reflete a opinião de nenhuma entidade ou associação, servindo, apenas como orientação em relação às inúmeras perguntas recebidas via wats sobre determinados cursos de arbitragem!
==> Esclareço ainda que adoro “Contos de Fadas” por sempre terminam com o BEM vencendo, tem príncipe, mocinhas e até “bruxa”. Mas o AMOR, o BEM sempre triunfam com um FINAL FELIZ!

Advertisements

Facebook Comments

2 comentários em “Esclarecimentos sobre a legalidade dos cursos de formação para árbitros de futebol”

  1. Meu número era 621 do safesp. Sindicato este que se perdeu. Não existe mais um verdadeiro sindicato. Haja visto que o Sr Arthur está na Paraíba ao lado do Patronato e o viice não assumiu.

  2. Esse Douglas D’Andrea é aquele que te dedurou sobre o árbitro da final do paulistinha Braghetto? Paulinho, coloque o nome desse D’Andrea no site do TJ e veja o que aparece, aproveite e coloque o nome das entidades que ele presidiu/preside. Tente contar quantos processos por cheque sem fundo estas entidades possuem, lembrando que o único que assina cheques é ele mesmo. O autor do texto não se apegou ao verbo da lei, ou pelo seu texto não tem capacidade em analisar, mas o mesmo fala essa baboseira a anos, como se meia página escrita desse a uma única entidade todo o direito de formar novos arbitros.
    Bom, para quem pensa em fazer curso de arbitragem de futebol, antes de resolver pela entidade, coloque o nome dos responsáveis no Google e tribunal de justiça, facilitará na decisão

    Paulinho: Não… o Douglas não foi a fonte sobre o Braguetto…

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: