Advertisements
Anúncios

A arbitragem e o VAR

As duas expulsões mais relevantes dos jogos de ontem, uma delas ocorrida na Champions League, a outra, pela Libertadores da América, servem de exemplo para demonstrar que o problema não é o VAR, mas a falta de capacidade de quem arbitra as partidas.

No caso europeu, em que a ajuda eletrônica é pré-historicamente negada pela UEFA, nem seria necessária para notar o exagero cometido contra Cristiano Ronaldo, dando a impressão de que o juiz, no melhor estilo Armando Marques contra Pelé, queria mesmo é aparecer mais do que o português.

Já na América do Sul, a arbitragem, induzida ao erro pelo ineficiente, mas talvez não inocente operador do VAR, ainda assim não merece desculpas tamanho o descalabro cometido na expulsão de Dedé.

Um escândalo, agravado pela marcação do segundo gol do Boca Juniors, exatamente no local em que o zagueiro estaria não tivesse sido eliminado da partida.

É fato: assim como carros potentes e tecnicamente espetaculares não são culpados quando envolvidos em acidentes por conta de motoristas irresponsáveis, o VAR (o computador e as câmeras), que mostra, em imagem e com imparcialidade, ângulos dos lances para complementar e ajudar o árbitro do jogo, é injustiçado quando criticado pela ruindade de quem lhe opera, seja na salinha dos estádios ou dentro de campo, na cabine de observação.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: