Advertisements

Relatório da Kroll supõe, mas não comprova interferência da arbitragem na final do Paulistinha

O Palmeiras não deve ter pagado barato para obter um relatório da Kroll, empresa “top” no ramo de investigações particulares.

Como parâmetro, recentemente, o Blog do Paulinho teve acesso a um orçamento para investigação de dirigente de clube do estado de São Paulo, a pedido de associados desta agremiação, que ficaria em R$ 200 mil.

Dificilmente o valor cobrado do Verdão, clube com mais recursos do que meia duzia de pessoas, sairia por menos disso.

Porém, diante da dificuldade de obter prova cabal da ordem externa para que a arbitragem voltasse atrás na fatídica penalidade marcada, e depois desmarcada, na final contra o Corinthians, a Kroll apelou.

Ninguém dúvida da existência da interferência externa, até porque as evidências apontam para tal, porém, o caminho seguido pela investigação para comprová-la é inverossímil.

Pode-se até, em suposição, dizer que nas fotografias reveladas ao público havia um funcionário da FPF (Márcio Verri Brandão) com celular às mãos, mas como saber, ao certo, o teor de sua utilização.

Colocá-lo na “Cena do Crime” é mera conjectura sem a menor possibilidade de comprovação.

No máximo, com o material apresentado, consegue-se punir quem infringiu o regulamento (que impede entrar com o aparelho em campo) e as pessoas que fecharam os olhos para o procedimento (entre os quais o chefe da arbitragem).

Até o relatório dos horários de alguns procedimentos apanhados pela KROLL que indicariam a suposta manipulação são difíceis de acreditar:

  • o comentarista da GLOBO disse que não foi pênalti ás 17h31m49s;
  • SETE SEGUNDO DEPOIS, Dionísio Roberto Domingos, que estava ao lado do funcionário com celular, teria avisado o auxiliar do erro da arbitragem

Ou seja, em sete segundos, alguém escutou o comentário da Globo, repassando em digitação supersônica ao representante da FPF para este, à jato, contar à Dionísio, que, em desempenho “The Flash” mudou a história do campeonato.

Apenas para deixar claro, o Blog do Paulinho acredita que Dionísio, de fato, alertou a arbitragem sobre o erro – o que é ilegal, mas, como se observa, de difícil comprovação – talvez utilizando-se de ponto eletrônico, dificilmente pelo roteiro elaborado na investigação.

Advertisements

Facebook Comments

9 Responses to “Relatório da Kroll supõe, mas não comprova interferência da arbitragem na final do Paulistinha”

  1. Andre Says:

    Ué mas sera que vc não sabe que a Globo transmite os jogos para celulares também? bastava ele estar assistindo que em 7 segundos era tempo mais que necessário para os neurônios dele mal intencionados pensarem em avisar o ajudante de apitador!

  2. Willian Navarro Says:

    Bom Dia Paulinho, é muito claro que o Corinthians sempre foi beneficiado, para fatos não há argumentos, fatos esses que já até perdemos as contas, para quem não é ingênuo é simples observar que politicamente da mais lucro ajudar aos clubes que detêm maior numero de torcedores.
    Os outros clubes grandes de SP também são beneficiados quando o embate é com outro clube menor.
    O maior problema é que quando são beneficiados ai ficam quietos, recentemente foi “””eleito”””” o presidente da CBF e todos os clubes beijaram as mãos daqueles que estão por trás de toda essa politica de interferência de resultados para manter a massa feliz e eles continuam roubando.
    Um ou dois que fazem de conta que votaram contra, fazem apenas para tentar legitimar o pleito.
    Parabéns pelo trabalho Paulinho, Abcs.

  3. Willian Navarro Says:

    Isso mesmo André, o que o Palmeiras deveria ter feito é sair de campo e abandonar a partida quando houve a interferência e o juiz voltou atrás da sua marcação, o que é ainda muito pior, ele já tinha dado o pênalti, onde está a coragem de fazer a justiça acontecer, era só sair de campo.

  4. rdevasso Says:

    lembrem se em 2015 e 2016 ouve interferência direta de Del Nero na arbitragem a favor do palmeiras e ninguém comenta refrescar a memória por gentileza

  5. Ailton Maschio Says:

    Sou corinthiano e a favor de dar o título do Paulista para o Palmeiras… via fax é claro!! Kkkkkk

  6. Jose Paulo Says:

    Um jornalista não pode esquecer de o caso emblemático da Escola de Base. Era óbvio para a maioria, não havia dúvida do que tinha acontecido… destruíram as vidas daquelas pessoas e depois disso… descobriram que tudo parecia muito, mas não era… As pessoas não pensam no alcance das suas afirmações… e quanto aos engraçadinhos que dizem que somos beneficiados sempre, queria perguntar que droga de benefício é esse que permitiu que caíssemos para a série B um dia…

  7. Alan Cézar (@EUABSOLUTIS) Says:

    O Palmeiras deveria ter saído de campo também quando “desexpulsaram” o Egídio, não aceitar a situação por conta de interferência externa, ou mesmo quando jogadores dedo duro, apontaram para o Gabriel em uma expulsão bisonha.

    Ou seja, os chorões não fizeram nada, do que desejam que façam hoje, nesses casos citados e desejariam cobrar penal inexistente?

    Provem que existiu interferência de forma clara – como foram os casos que citei e que os hoje, cheios de lisura permitiram ocorrer – pois só suposições não bastam.

    É triste lidar com desmemoriados. É para ter dó dos “esquecidinhos” ou seria “coniventinhos” do casos que citei?

    Em se provando, que voltem o jogo!!!!

    O duro é ler inocentes úteis, achando que o Corinthians é o mais beneficiado, quanta ingenuidade. Vou rir dessa petizada das “tiurias” toscas e infantis!!!

  8. Sandra Queiroz Says:

    acreditar que não houve interferência externa é igual acreditar na inocência do Lula. Tem gente que acredita. O futebol brasileiro está no mesmo nível da política. E se preparem para um novo vexame na Copa

  9. Alan Cézar (@EUABSOLUTIS) Says:

    Acreditar que não existiu interferência externa no caso Egídio, é o mesmo que acreditar na inocência do Lula, Aécio, Alkimin, Temer e centenas de outros.

    E viva a “desexpulsão” com ajuda externa, pois ela é válida, aplaudida, defendida e acatada.

    O futebol brasileiro está nesse nível faz 100 anos e, como calaram-se no caso Egídio, tinham que ficar calados em qualquer outro caso, pois ao aceitar aquela bisonha e ridícula situação, perde a razão ao reclamar de qualquer outra.

    Tem gente que acredita apenas no que lhe convém e faz cara de paisagem quando a situação lhe favorece. Povo estranho e desmemoriado com seletividade!!!

    Deixe-me rir por mais uma semana!!!

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: