Advertisements
Anúncios

Como morrem as democracias

O ditador Benito Mussolini (à esquerda) ao lado do líder nazista Adolf Hitler, em Munique, na Alemanha, em foto de 1938
O ditador Benito Mussolini (à esquerda) ao lado do líder nazista Adolf Hitler, em Munique, na Alemanha, em foto de 1938 – AP

Da FOLHA

Por CLAUDIA COSTIN

Sistema é imperfeito, mas todas as alternativas são piores

Em seu livro recente, “Como morrem as democracias”, dois pesquisadores de Harvard, Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, procuram entender o que leva regimes democráticos a serem abandonados em prol de opções autocráticas. Eles analisam o que ajuda a evitar semelhantes situações, de forma a poupar a humanidade dos nocivos efeitos de ditaduras.

Sim, as democracias são imperfeitas, alguns grupos de interesse dispõem de mais recursos para nelas atuar e o processo de construção de consensos é lento e acaba não satisfazendo completamente nenhum grupo. Mas todas as alternativas são piores.

Os autores relatam alguns casos históricos de destruição de democracias, seja por golpes, em que a força das armas substitui o complicado mecanismo de representação e construção de políticas, seja pela via eleitoral, quando líderes populistas assumem cargos, prometendo mudar uma ordem de coisas percebida como injusta e substitui-la por um braço firme a destroçar tudo o que se opõe à construção da nova ordem —o que acabam fazendo, destruindo o próprio processo que os trouxe ao poder.

Esses líderes surgem em circunstâncias específicas, como excessiva polarização da sociedade (situação que vivemos hoje), e apresentam características que são como alarmes para que sistemas políticos saudáveis possam isolá-los antes que causem maiores males.

Uma delas é que eles tendem a se apresentar como externos ao sistema político. Outra é que, ao postularem ser alternativas a um sistema corrupto (o que geralmente não são), expressam uma virulência que acaba se traduzindo em violência de seus seguidores ou ativistas.

Os exemplos citados vão de Hitler, Mussolini e ditadores latino-americanos a Trump e alguns tristes nomes europeus na atualidade. Em todos os casos, a fragilidade das instituições ou crises econômicas e políticas explicam a emergência de demagogos autoritários, mas não necessariamente o seu acesso ao poder.

É justamente a fragilidade dos partidos e a falta de valores claros e compromisso com a preservação da democracia que explicam por que eles conseguem aceder a postos de comando. A Bélgica e a Finlândia, nos anos 1930, são casos interessantes de países em que partidos políticos se alinharam para impedir que fascistas obtivessem mais vitórias eleitorais em uma Europa marcada pela polarização e apoio a opções autoritárias.

No Brasil, fica a difícil tarefa de reconstruir e fortalecer os partidos, há muito sem identidade clara. Essa condição é necessária para a defesa de uma sociedade plural, em que distintas visões de mundo podem se organizar, sem pôr em risco a coesão social e a realização de um projeto integrado de país.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: