Advertisements
Anúncios

Andres Sanches diz que criação do Arena Fundo custou “quase R$ 6 milhões” ao Corinthians

Em recente entrevista à TV+ABC, o deputado federal Andres Sanches (PT), candidato à presidência do Corinthians, deixou escapar que a criação do Arena Fundo, gestor do estádio de Itaquera, custou “quase R$ 6 milhões”:

“pra sair o financiamento (do BNDES), para a Odebrecht dar as garantias, ela falou: “tudo bem, eu vou dar as garantias, mas eu preciso ter uma segurança”, não é simples(mente) num contrato…”

“então vamos montar um Fundo Imobiliário, em que a Odebrecht tem as cotas maiores, conforme for pagando as prestações, as cotas mínimas sobem e as cotas máximas descem… custou quase R$ 6 milhões… que também não estava no projeto”

A informação é relevante, mas também suspeita, por conta de custo muito acima dos praticados em mercado para constituição deste tipo de empresa.

O Blog do Paulinho procurou, para tentar esclarecer a questão, relevante contador e consultor de empresas (o nome será preservado), que tomando como base o contexto do Arena Fundo e os dados inseridos no negócio, esclareceu:

“A norma (da CVM) abre espaço para empresas não financeiras fazerem a administração de carteiras, fixando um capital mínimo de R$ 550 mil ou 0,2% dos recursos sob administração, o que for maior.”

Levando-se em consideração que o valor do estádio de Itaquera registrado no Fundo é de R$ 985 milhões, apesar dos recursos administrados nunca terem chegado nem perto disso, em cálculo cheio 0,2% corresponderiam a R$ 1,97 milhão, que se acrescidos doutras despesas muito menores (cartório – R$ 12 mil; assessoria jurídica, que foi realizada pelos próprios advogados da BRL Trust – braço do Fundo, etc), ficariam, generosamente, perto dos R$ 2 milhões.

Nossa fonte segue explicando:

“O capital mínimo serve para eventuais prejuízos em virtude de erros operacionais, já que os administradores são responsáveis por acompanhar e fiscalizar as operações dos gestores, calcular cotas  controlar as contas do fundo. Também é uma forma mais fácil para a CVM avaliar se a administradora tem recursos humanos e tecnológicos para o trabalho, mostrando ainda que a empresa investiu um valor mínimo no negócio.”

São cotistas do Arena Fundo:

  • Corinthians;
  • Odebrecht
  • Arena Itaquera S/A (89% Odebrecht e 11 % BRL Trust – braço da construtora e gestora formal do Arena Fundo)

É improvável, apesar de possível por lei, que a BRL Trust, a não ser em arranjos submersos, cobraria os tais R$ 2 milhões para ser gestora do Fundo, até porque na prestação de contas, protocolada mensalmente da Comissão de Valores Mobiliários, além de não constar esta informação, o que existe é uma fatura de R$ 100 mil mensais, nomeada como “taxa de administração”.

Mais escandaloso ainda seria o pagamento, segundo revelação de Andres Sanches, de “quase R$ 6 milhões” para este fim, ou seja, R$ 4 milhões a mais do previsto em norma da CVM, seguida como lei nesse tipo de negócio.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: