Anúncios

Alguém duvida que há marmanjo que proíbe mulher de frequentar arenas?

SÃO PAULO, SP, BRASIL, 30-08-2017: Nayara Perone, 30, camiseta corinthians preta; Roberta Nina, 34, camiseta azul Brasil; Renata Mendonça, 28, camiseta amarela Brasil; Angélica Souza, 33, camiseta palmeiras. Sem espaço nas rodinhas masculinas, mulheres passaram a criar seus próprios sites e páginas nas redes sociais para discutir futebol. Publicam notícias, entrevistas, textos de opinião e vídeos sobre o esporte: modalidades feminina e masculina, campeonatos nacionais e internacionais, futsal e campo, seleções e times amadores. O â€Dibradoras†é um deles. Já recebe mais de 40 mil visualizações por mês e organiza eventos esporádicos para reunir torcedoras. (Foto: Avener Prado/Folhapress, COTIDIANO) Código do Fotógrafo: 20516 ***EXCLUSIVO FOLHA***

Fundadoras do site Dibradoras, que fala sobre mulheres no esporte e recebe 40 mil visitantes por mês

Da FOLHA

Por MARILIZ PEREIRA JORGE

Um mês após o anúncio histórico de que as mulheres poderão dirigir nas ruas da Arábia Saudita, outra revolução nos costumes foi divulgada nesta semana: elas também estão autorizadas a frequentar estádios a partir de 2018. Em Riyahd, Jeddah e Damman. E desde que estejam na companhia de um homem da família. A mesma regra vale para as que resolverem assumir o volante de um carro.

Parece um tanto absurdo quando pensamos que no Brasil as mulheres podem frequentar estádios desde sempre. Que somos muito bem-vindas, bem recebidas. Não, pera. Não é bem assim.

Lembrei do relato de uma amiga. Era um Corinthians x Bragantino, no Pacaembu. O Bragantino dando o maior sufoco. O estádio tomado por corintianos (devia ser 95% do público). O Bragantino mete uma bola no travessão. Torcida muda. Levanta uma mulher do camarote e grita “Bragantino”. O estádio inteiro começou a gritar “puta”, “vaca”, “piranha”. Qualquer descarga de adrenalina (ataque dos times), eles se viravam para onde ela estava e repetiam os xingamentos, até que ela foi embora.

Mulher é sempre puta, vaca, piranha.

Poderia ser só luta de classes. Geral contra camarote, mas os problemas não param aí. Há relatos de torcedoras que mostram o estádio como um território masculino, com regras e códigos. Algumas organizadas não aceitam que as mulheres vistam short nos jogos. Outras não permitem que elas manuseiem material usado nos estádios. É isso que você entendeu. Mulher não pode segurar bandeira, por exemplo. E tem torcida que veta a participação de moças em viagens.

Alguém duvida que exista marmanjo que proíbe mulher, mãe, namorada, filha, de frequentar as arenas? Consigo até ouvir os argumentos. De que é perigoso, de que só vai homem, de que futebol não é coisa de mulher. A Arábia Saudita é aqui e a gente faz de conta que é o país do futuro. Perdemos o bonde.

Em junho, aconteceu o primeiro Encontro Nacional de Mulheres de Arquibancada. Sim, tem tal coisa. E não foi uma confraternização para falar de futebol e do time preferido. Cerca de 350 mulheres de torcidas e coletivos de 11 Estados brasileiros se reuniram para falar do machismo que impera nos estádios e que é apenas reflexo da nossa sociedade, uma das mais desiguais do mundo.

Em relação a 2010, o Brasil caiu 11 posições no ranking que mede a igualdade de gênero, segundo o Relatório de Desigualdade Global de Gênero 2017, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial, esta semana. Estamos numa vergonhosa 90ª posição entre 144 países. Pior do que a gente, só mesmo os países do Norte da África e do Oriente Médio.

Há quem vá dizer que não dá para comparar a situação da mulher no Brasil e na Arábia Saudita. É verdade. Aqui a gente faz de conta que vive com igualdade e liberdade, enquanto tem a quinta maior taxa de feminicídio do mundo.

No país muçulmano, ao menos, elas são tratadas desde sempre como cidadãs de segunda categoria. Camelos têm mais valor. Mas o príncipe Mohammed bin Salman, já de olho na derrocada do petróleo, tenta modernizar e reformar a sociedade saudita e percebeu que precisa garantir mais direitos às mulheres para que seu plano vá adiante. Permitir que dirijam e frequentem estádios ainda é muito pouco, mas o país se mostra mais progressista do que o Brasil. Que fase.

Anúncios

Uma resposta to “Alguém duvida que há marmanjo que proíbe mulher de frequentar arenas?”

  1. blogscoppia1914 Says:

    Por isso, é sempre um prazer ir ao Allianz / Palestra Itália, como é grande a presença das mulheres na arquibancada.

    Inclusive conheço algumas, que inclusive são sócias torcedoras!

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: