Andres Sanches e Vicente Cândido articulam para favorecer clubes que desrespeitam o PROFUT

Recentemente, o Governo Federal criou o PROFUT, mais uma das dezenas de Leis com objetivo de empurrar para debaixo do tapete dívidas milionárias de clubes de futebol, quase todos oriundas de falcatruas de dirigentes.

A moleza era grande e as contrapartidas, fossem os clubes geridos por gente decente, absolutamente razoáveis.

As pendências, dependendo do clube, seriam parceladas em setecentas mil vezes, quase sem incisão de juros, com o estado bancando o que deveria, em verdade, ser descontado das finanças dos dirigentes ladrões.

Em troca, as agremiações teriam que:

  • Apresentar CND (certidão negativa de débitos) para disputar campeonatos profissionais;
  • Ter demonstrações contábeis auditadas;
  • Pagamentos em dia;
  • Limite de 70% da renda bruta nos gastos com salários do departamento profissional;
  • Investimento mínimo nas categorias de base e no futebol feminino;
  • Não antecipar receitas futuras e zerar deficit até 2021

Quase que legislando em causa própria, dois conselheiros do Corinthians, ambos parlamentares, Andres Sanches (PT) e Vicente Cândido (PT) – acusados de receber propinas na construção do estádio de Itaquera, aliados ao peemedebista Newton Cardoso Junior, trabalham para que seja aprovada Medida Provisória ampliando o prazo para entrega das contrapartidas, mas não os das facilidades.

Segundo a FOLHA, na última semana, o presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, reuniu-se com o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB), para chorar as pitangas em favor dos infratores, jogando a culpas nos clubes pequenos, dizendo que estes não conseguem arcar com os parcelamentos, e que se a Lei for levada a cabo, impedindo a participação no Campeonato Paulista, somente nove agremiações estariam regularizadas para disputá-lo.

Omitiu, porém, que a razão principal dos problemas, em verdade, são os clubes grandes, que insistem, por conta da política de sobrevivência dos dirigentes corruptos, em manter os hábitos agora impedidos pela legislação.

O Corinthians, de Andres, por exemplo, das contrapartidas listadas, sistematicamente infringe as referentes a “Pagamentos em Dia”, “Limite de 70% para gastos”, “não antecipar receitas futuras”.

Entre as não listadas, o clube não tem ainda regulamentação, obrigatória, para a atuação do Conselho Fiscal (já foi inclusive notificado pela APFUT):

Conselho Fiscal irregular gera notificação da APFUT ao Corinthians

O Governo parece inclinado a ajudar os infratores a, novamente, empurrar com a barriga os problemas que, há décadas, avolumam-se ainda mais, sem que nenhuma solução, mesmo as ajudadas pelo PROFUT, sejam tratadas com a minima seriedade.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Esta entrada foi publicada em Sem-categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.