Ex-presidente Lula cultiva o pragmatismo em grau máximo

Da FOLHA

Por DEMÉTRIO MAGNOLI

“Eles vão perceber que não dá para nadar teoricamente. Entra na água e vai nadar, porra”. Isso aí, o trecho da entrevista consagrado às “frescuras do PSOL” (Folha, 20/7), é puro Lula. O ex-presidente cultiva o pragmatismo em grau máximo, devotando solene desprezo tanto à ideologia quanto a valores e princípios. Foi assim que ele nadou –e, no percurso, afogou a esquerda brasileira.

Lula, o Pragmático, opera segundo as circunstâncias. No primeiro mandato, diante das desconfianças do mercado, conservou-se fiel à política econômica ortodoxa herdada de FHC, completando-a com a política social de agressivas transferências de renda, que se destinava a enraizar o lulopetismo no eleitorado pobre. A fórmula bifronte seguia as receitas do Banco Mundial. Não era “de esquerda” e nem mesmo social-democrata. Mas a esquerda brasileira, um organismo lulodependente, celebrou-a como uma revolução de emancipação popular. “Quando Lula fala, o mundo se ilumina”, disse Marilena Chaui.

O sucesso do primeiro movimento, associado à evolução do ciclo internacional de commodities e ao trauma político da crise do “mensalão”, provocou a substituição da fórmula econômica. O nado peito, lento e constante, deu lugar ao esforço extremo do nado borboleta. No segundo mandato, Lula convocou Guido Mantega et caterva para soldar uma santa aliança entre o Estado e o alto empresariado. Configurou-se, ali, o capitalismo de Estado lulopetista, uma versão modernizada do programa econômico moldado por Vargas e, mais tarde, aprofundado por Geisel.

“Quando Lula fala…”. A esquerda interpretou a mudança como a revolução verdadeira: uma aurora de ruptura. Dilma, a sucessora indicada pelo “dedazo”, tingiu a escolha pragmática com as tintas de suas obsessões ideológicas. Do teclado irresponsável de seus assessores econômicos nasceu a expressão “Nova Matriz Macroeconômica”. Eike Batista definiu o BNDES como o “melhor banco de investimento do mundo”, uma opinião certamente compartilhada por Marcelo Odebrecht e Joesley Batista.

A história da ascensão e declínio do capitalismo de Estado lulopetista é contada em dois registros diferentes, mas complementares. A narrativa econômica de uma depressão mais funda que a dos anos 30 evidencia o curto horizonte do nado borboleta. A narrativa policial e judicial da Lava Jato ilumina uma falência ética calamitosa. Lula, o pragmático oportunista, foge das implicações de ambas, escondendo-se atrás da pobre Dilma, no caso da primeira, e desviando os holofotes para o PT, um de seus sacos de pancada prediletos, no caso da segunda. O gato de sete vidas continua à tona, apoiando-se nos cadáveres que boiam ao seu redor para não afundar.

Luiza Erundina reclamou das críticas lulistas ao PSOL, instando o ex-presidente a atacar os “parceiros de direita que o traíram”. Mas ninguém traiu Lula. O PMDB, tão pragmático como ele, foi fiel a si mesmo, agarrando-se ao mastro do poder. Marcelo Odebrecht resistiu o quanto pôde, até o chão afundar. Já Joesley Batista mantém a antiga parceria, selecionando politicamente os alvos prioritários de sua delação. O que Erundina recusa-se a enxergar são os frutos podres de uma política econômica que forma o denominador comum da esquerda brasileira.

A pátria de Lula é Lula, e nenhuma outra. Ele calcula o que fala –e fala exclusivamente aquilo que interessa à sua carreira política. Mas, num ponto específico, tem razão: “não dá para nadar teoricamente”. O PSOL, alternativa esquerdista a um PT dizimado pelo lulismo, repete incansavelmente as orações ideológicas de uma bíblia encanecida e ajoelha-se diante das lápides de seus estimados tiranos, que se chamam Castro, Che ou Chávez. O legado de Lula é uma esquerda prostrada, de olhos fixos no passado. Do ponto de vista da nossa democracia, eis um desastre ainda maior que os outros.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Esta entrada foi publicada em Sem-categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Ex-presidente Lula cultiva o pragmatismo em grau máximo

  1. Paulinho bom dia ! Visito sua página todos os dias e, na maioria das vezes, concordo com suas publicações, porém, no link que vc postou da entrevista do ex-presidente Lula para o “Na sala com o Zé”, no canal do youtube “Ultrajando”, em que José Trajano, Juca Kfouri, Antero Greco e Carlinhos Vergueiro, fizeram uma entrevista ” entre amigos” e, ao meu ver, ficaram ao lado do ex-presidente em tudo vemos todos os dias na Operação Lava jato, etc…Não vi nenhum comentário seu criticando a postura desses jornalistas que estão, reitero, ao meu ver, na contra-mão da história e da verdade. Caso você tenha feito, me desculpe e, por favor, me envie o link. Grande abraço e parabéns pelo trabalho !

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.