Alexandre Barros entra para a história: o pior presidente da Portuguesa, eliminada da 4ª divisão nacional

Enquanto radialista, com os mesmos hábitos do paí, sempre com a vida financeira ligada à Portuguesa, o agora presidente da Lusa, Alexandre Barros, até com alguma razão, porém nem sempre por razões nobres, descia a lenha em todos os mandatários antigos do clube.

Insinuava falcatruas, tratava-os como incompetentes, etc.

Em meio ao caos, iniciado com o “caso Heverton”, em que a Lusa vendeu a honra e a vaga na divisão principal para salvar as finanças de Manoel da Lupa e também de treinador que agora infelicita o Rio Grande do Sul, Barros aproveitou a oportunidade criada pela enorme rejeição do quadro político lusitano, fiou-se na fama, indevida, de “combativo” radialista, e conseguiu enganar os votantes, que pensaram eleger o “novo”, sem atentar-se, apesar de alguns saberem da verdade, dos velhos hábitos que o cercavam.

No dia em que venceu, Alexandre Barros tratou se anunciar uma diretoria formada por gente ligada aos nomes que combatia, sob a sempre conveniente, porém indecente, desculpa de “temos que unir o clube”.

Na administração, meteu os pés pelas mãos: montou e desmontou, sem o menor conhecimento de futebol, comissões técnicas, elencos e demais colaboradores, afugentou patrocinadores com propostas, soubemos, indecentes, piorou a negociação das dívidas trabalhistas ao, inabilmente, ofender a representante dos credores em mensagens de whatsapp, deu vexame na segundona do Paulistinha e agora, para finalizar, conseguiu ser eliminado da 4º divisão nacional.

Ou seja, durante todo o restante do ano, a Portuguesa não terá campeonatos a disputar, a não ser a ridícula “Copa Paulista”, em que empresários de jogadores montam times às pressas, e os clubes grandes movimentam seus juniores, em estádios vazios, precisando, ainda, chegar entre os dois primeiros colocados para tentar retornar à Série D do Brasileirão.

Um vexame indescritível, certamente o maior da história da Portuguesa, clube de tradição secular, jogada pelo seu próprio povo nas mãos desqualificadas de um representante desequilibrado, sem competência, e suspeito de ações que não podem ser contadas porque nem sempre recibos são encontrados ou fornecidos no que nunca poderá ser, como no “caso “Heverton”, devidamente esclarecido.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

3 ideias sobre “Alexandre Barros entra para a história: o pior presidente da Portuguesa, eliminada da 4ª divisão nacional

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.