Temer, Dilma, Sarney e outras desgraças

Da FOLHA

Por VINICIUS TORRES FREIRE

O cinismo duradouro produz indiferença, raiva passiva ou acaba por explodir em fúria?

É certo que se disseminou ainda mais a ideia de que a balança da Justiça tem dois pesos e duas medidas. A depender do caso, Dilma Rousseff ou Michel Temer, uma galinha pode ter o peso de uma pena.

A dúvida é acerca do efeito político da decisão do TSE, que aumentou a pilha de repulsa popular aos Poderes disso que chamamos de República, por conveniência.

“As ruas” estão vazias. Seus possíveis líderes estão escondidos ou incógnitos; há omissão da direita amarela às centrais sindicais. Por ora, o povo espera a encarnação de um salvador em 2018. Enquanto o santo não desce, no que prestar atenção?

PIB ZERO. As previsões de crescimento para 2017 caíram a zero. Inflação cadente e PIB nulo reanimaram expectativas de mais quedas de juros de curto prazo, o que pode ser apenas sinal de uma depressão econômica com tempero político.

GUERRA. A Procuradoria-Geral deve denunciar Temer sob a acusação de liderar esquema de levar dinheiro da JBS, “apenas”. Não haveria mais novidades na manga dos procuradores.

CONTRA-ATAQUE. Temer vai ao pescoço do “sistema de Justiça”, em parte em guerra incivil com o “sistema político”. Atacar procuradores da Lava Jato será pouco. O governo já mostrou que tenta tocar fogo na JBS: nada vai ficar barato. Deve atacar juízes, superiores e inferiores. Tudo contra o chamado “Estado policial”, como diz Gilmar Mendes.

SARNEYZAÇÃO? É a síndrome do governo que se assemelha ao dos anos finais de José Sarney (1985-1990). Os sintomas são ruína econômica em câmara lenta, deterioração de expectativas, governo em paralisia decisória, com autoridade minada por aliados ou pelo desfazimento da base política e da coalizão parlamentar; falência de um pacto de poder.

DILMIZAÇÃO? A degradação moral e política é extensa, mas Temer ainda é aceito como regente do reformismo liberal por certa elite. É primeiro-ministro de si mesmo, ainda com força no Congresso. Não parece ainda Sarney ou Dilma. Nem há coalizão para depô-lo -ao contrário.

O presidente decerto terá novas contas a pagar, pois o aluguel do Planalto ficou mais caro, o preço extra de evitar mais defecções na coalizão.

Com a caneta na mão, até Dilma levou PMDBs para um governo que já estertorava, em outubro de 2015 (caíram fora em abril de 2016). Mas Temer levará o quê com o apoio que adquirir? Só sobrevida? Reformas?

Há quem acredite, no governo e fora dele, que ainda pode brotar algo desse pântano, que o país toque a vida depois de um trimestre de crise e nojo extras.

PREVIDÊNCIA. O que sobrar da reforma fica para depois das batalhas judiciais, se e quando o governo garantir sua sobrevivência.

TUCANO ROÍDO. No seu mito de criação, o PSDB pariu-se como costela limpinha do PMDB. Na realidade de hoje, os tucanos podem acabar como costela roída pelos dentes podres do PMDB.

Mesmo se largarem Temer, ficarão com a morrinha deste governo, odor de falta de santidade que vão exalar até a eleição, que disputariam sem o apoio do PMDB, de resto. “Ficar pelas reformas e estabilidade do país”, quase ficção, não resolve. Enfim, se empesteiam também com seus cadáveres insepultos.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

2 Replies to “Temer, Dilma, Sarney e outras desgraças”

  1. Caraca, cadê o chefe da quadrilha?
    Ele é o maior responsável pela situação em que ‘ef paíf’ se encontra e está fazendo de tudo para nos jogar ainda mais no buraco, usando seus idiotas úteis em uma tentativa insana de fugir da cadeia.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.