Mustafá Contursi pressiona presidente “fantoche” do Palmeiras para guerra fria com a WTorre

Eleito com a fama de “se dar bem com todo mundo”, o presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, revelou-se simples “fantoche” do “capo” palestrino, Mustafá Contursi, assim como ocorre com dezenas doutros conselheiros, que beijam as mãos do ex-mandatário.

O exemplo mais claro de submissão se deu no episódio “Madame Leila Pereira”, em que fechou os olhos para a flagrante irregularidade da candidatura, além de tentar justificá-la em entrevistas constrangedoras.

Porém, nos próximos dias, Galiotte, que também “puxa o saco” de Walter Torre Junior, dono da Wtorre – que divide a gestão da Arena Palestra com o clube – terá, inevitavelmente, que se indispor com o “parceiro”.

Mustafá ordenou, até com alguma razão: “a arbitragem obrigou a construtora a adequar o estádio ao padrão FIFA, mas até agora não se movimentou. Endureça o jogo”.

Difícil missão, levando-se em consideração que a WTorre sequer pagou os empréstimos da construção original, está devendo bilhões a fornecedores e precisa, além de tudo, se defender de graves acusações formuladas pela “Operação Lava-Jato” da Polícia Federal.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Esta entrada foi publicada em Sem-categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Mustafá Contursi pressiona presidente “fantoche” do Palmeiras para guerra fria com a WTorre

  1. primeirocampeaomundial1951 disse:

    Se entregar o Memorial com Sala de Troféus já tá bom…arena foi exelente negócio, não tem como tapar o Sol com a peneira…esse sapo-boi continua a negar isso

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.