O show dos novos prefeitos

crivella-e-doria

Da FOLHA

Por BERNARDO MELLO FRANCO

O bispo Marcelo Crivella se projetou como cantor gospel. O empresário João Doria ficou famoso como apresentador de TV. Na primeira semana de 2017, os dois confirmaram o talento para distrair a plateia. Se não virarem o disco, Rio e São Paulo terão quatro anos de muito marketing e pouco governo.

O show dos novos prefeitos começou cedo. Na madrugada de segunda, Doria se fantasiou de gari e empunhou uma vassoura, com a qual demonstrou pouca intimidade. A performance durou apenas dez segundos, mas rendeu longas reportagens nos telejornais.

Na quarta, o tucano anunciou uma multa para secretários que chegarem atrasados a reuniões. Depois fez corpo a corpo no centro e tomou cafezinho numa padaria, como se ainda estivesse em campanha.

Na sexta, o prefeito convocou a imprensa para faturar a contratação de um desempregado como motorista. Parecia o programa do Luciano Huck, mas era mais um factoide com a grife do “João Trabalhador”.

Do outro lado da ponte aérea, Crivella produziu uma foto publicitária por dia. Na segunda, posou numa cadeira de doador de sangue. Na terça, plantou uma árvore. Na quarta, jogou capoeira numa favela. Na quinta, recrutou a bateria da Mangueira para a posse de uma secretária.

Os tambores deram azar ao bispo. Diante de vítimas de calote da gestão anterior, Crivella foi vaiado ao dizer que os artistas “trocam sua arte por um aplauso”. No Rio, eles estão mais interessados no dinheiro que a prefeitura prometeu e não pagou.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.