A estrela vermelha do Palmeiras

estrela-vermelha

Após a FIFA reconhecer que o torneio amistoso denominado “Copa Rio”, obviamente, tinha caráter global (era disputado por equipes importantes do planeta), dirigentes do Palmeiras, com a ajuda de parte da imprensa mais interessada em promoção do que informação, vendeu aos torcedores que “global” significava “campeão mundial reconhecido pela entidade”.

Não é.

Trata-se, sim, de um campeonato valorizado à época (assim como houve outros semelhantes, por todo o planeta), que o clube tem razão em comemorar, mas não pode, até para não minimizar a importância da conquista, distorcer.

Fala-se agora que o novo presidente palestrino, Maurício Galiotte, incluirá na camisa do Verdão uma estrela vermelha, em homenagem ao suposto “mundial”.

Além de não ser, convenhamos, a melhor escolha de símbolísmo (a intenção é indicar o vermelho da bandeira italiana, mas, evidentemente, será associado à estrela do PT, o partido da corrupção), soa como objeto de autoafirmação, fadado a virar chacota de adversários, desnecessário para um clube de tantas glórias e que não precisa provar mais nada a ninguém.

Facebook Comments
Advertisements

17 Replies to “A estrela vermelha do Palmeiras”

  1. “Houve” é a forma correta de se escrever. Quando o verbo “haver” tiver o mesmo sentido de “existir”, ele será usado no singular: havia, houve, há, haverá, etc. Caso ele seja usado junto a outro verbo, os dois ficarão no singular (ex: deve haver).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.