O Dez de Ouros completa 70 anos

Dirceu Lopes, Pelé e Tostão
Dirceu Lopes, Pelé e Tostão

Por HUGO SERELO

http://www.cidadedivinopolis.com.br/noticia/esportes/aniversario-de-dirceu-lopes-confira-a-historia-do-craque/2943/

O maior Cruzeiro da história era um time de moleques. Dirceu Lopes, Tostão, Raul Plassman, Piazza e Zé Carlos tinham entre 18 e 22 anos quando foram campeões brasileiros em 1966.

Habilidade

A habilidade de Dirceu Lopes era desconcertante. Destro, ele era habilidoso pra driblar de várias formas. Sua assinatura era o corte. Fingia que iria chutar e cortava pro lado. Quando o zagueiro se recompunha, Dirceu cortava pro outro lado. E de novo. E de novo. E de novo.

No 6×2 contra o Santos de Pelé, em 66, ele cortou a zaga inteira do Santos antes de marcar um golaço. O goleiro Gylmar ficou agarrado ao poste da trave antes de Dirceu fuzilar pra rede.

Com 1,62 de altura, era impressionante testemunhar aquela flecha negra atravessar as enormes zagas adversárias.

Tostão e Dirceu Lopes

No caso de Dirceu e Tostão, houve um entrosamento imediato já no primeiro coletivo com Tostão. Os dois meninos jogavam mais ou menos na mesma posição. Ficou decidido que o Príncipe jogaria com mais liberdade. Não guardaria posição e correria o campo inteiro sem guardar posição. Dirceu tinha fôlego pra isso.

Sua troca de passes com Tostão era intensa. Natal e Hílton de Oliveira eram pontas habilidosos. Evaldo cansou de fazer gols sendo abastecido por tantos craques.

Seleção

Com João Saldanha, Dirceu Lopes era muito cogitado pra jogar a Copa de 70. Zagallo acabou assumindo na reta final e cortou Dirceu. A timidez e a falta de lobby na imprensa atrapalharam o Príncipe. Por outro lado, é verdade também que aquela foi a maior safra de camisa 10. O lendário Ademir da Guia do Palmeiras também ficou de fora.

Segunda Academia

Na década de 70, o Cruzeiro formou outra safra de craques. Dessa vez, Raul, Piazza, Zé Carlos e Dirceu Lopes já eram homens experientes e ajudaram a formar os moleques que estavam aparecendo.

Palhinha, Joãozinho, Eduardo Amorim Roberto Batata eram alguns desses meninos. Dirceu Lopes era o grande camisa 10 que comandava os talentos. Foi a chamada Segunda Academia.

Essa geração ficou marcada por prosseguir a hegemonia de títulos estaduais. Os canecos 72-73-74-75 e 77 estão na sede do clube graças aos heróis que Dirceu Lopes conduziu.

Os vices dos Brasileiros de 74 e 75 foram amargos, mas indicam o poder dessa geração fantástica.

Libertadores 76

Dirceu não pôde participar da Libertadores 76 porque estava contundido. Em seu lugar, jogou Jairzinho Furacão e o Cruzeiro conquistou a América.

Aposentadoria e Paixão Pelo Clube

Em 1978 a idade pesou. Dirceu não conseguia lutar contra as contusões. Ainda tentou vestir a camisa de Fluminense e Uberlândia, mas sem muito sucesso.

Dirceu voltou para sua terra, Pedro Leopoldo. Lá, tornou-se empresário e até secretário de esportes do município.

A paixão pelo Cruzeiro é eterna e mútua. Dirceu é estrela e não tem sossego pra andar em nenhum lugar, pois é sempre reverenciado pelo povão.

É figurinha fácil no Mineirão, onde sempre está presente pra acompanhar o clube ou receber as inúmeras homenagens que sempre serão poucas, afinal, fez 224 gols em 594 jogos.

Sem medo, pode-se afirmar que Dirceu Lopes está ao lado de Tostão e Niginho na trinca de maiores jogadores da História do Cruzeiro.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

One Reply to “O Dez de Ouros completa 70 anos”

  1. Ah, agora foram campeões brasileiros de 1966…isso só não vale para o Octa do Palmeiras né….rs

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.