Coluna do Fiori

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“A injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar”

Martin Luther King – foi um pastor protestante e ativista político estadunidense

——————————————————–

pinoquio

Inquirição

Depois de muitos meses o SAFESP cunhou comissão para ouvir os envolvidos no caso das denúncias referente aos possíveis desmandos cometidos nas administrações do presidente Arthur Alves Junior

Dever

Tendo como objetivo alcançar a verdade ou não das referidas denúncias, cabe aos componentes da comissão convidar todos os envolvidos a prestar esclarecimentos, como também, documentação para fortalecer suas arguições

Comparadas

Durante as oitivas, se faz necessário conferir nas devidas fontes, se os documentos apresentados são falsos ou verdadeiros; se falso, de imediato, que se tome providencias jurídicas contra quem as apresentou

Deliberação

Assim que se fechar todas as oitivas e provas, será dever da cada integrante da comissão, decidir com muita justiça, sobre o destino dos envolvidos

Outras vezes

Que não façam o que fizeram seus antecessores quando de outras e longínquas sindicâncias

Purificação

O acima é mais um dos exemplos sobre a Urgente necessidade da Operação Lava Jato nas administrações da CBF, federações, clubes, assim como, nas entidades representativas de classe

——————————————————————-

17ª Rodada da Série A do Brasileirão – 2016

Domingo 31/07

Internacional 0 x 1 Corinthians

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (ESP-GO)

Item Técnico

Inverteu algumas faltas, não sinalizou outras; as principais: Uma penalidade para cada equipe na segunda etapa, ambas, cometidas malandramente:

– a primeira: no atacante Ariel do Internacional;

– a segunda: sofrida pelo atacante corintiano Romero

Item Disciplinar 

Muita explicação e pouca ação

No todo

Fraco comportamento do principal representante das leis do jogo

—————————————————————-

18ª Rodada da Série A do Brasileirão – 2016

Quarta Feira 03/08

Santos 0 x 0 Flamengo

Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva ( FIFA-PA)

Item Técnico

Algumas inversões e não marcação de faltas. No lance do toque da bola no braço do defensor santista Caju, reclamado penalidade máxima por flamenguistas, como também, por alguns analistas, o principal representante das leis do jogo, agiu corretamente, vez que, quando da cabeçada na bola proporcionada pelo oponente Fernandinho, o movimentar corporal do santista foi normal, aquém disso, o distancia e rapidez do cabecear, não lhe deu tempo para raciocinar e intervir na trajetória da bola

Item Disciplinar

Dois amarelos para defensores de cada equipe, na somatória deste inciso: trabalho aceitável

Ressaltando

Contumaz e subserviente aos ridículos orientar do sempre nefasto Sérgio Correa da Silva, presidente da CA-CBF, para que se marque penalidade máxima nos lances semelhantes ao ocorrido com o atleta santista Caju, ao menos, nesta contenda, o assoprador de apito Dewson Fernando Freitas da Silva, teve a lucidez de interpretar e praticar corretamente, o inserido na lei do jogo

Quinta Feira 04/08

Chapecoense 1 x 1 Palmeiras

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio ( FIFA-GO)

Assistente 01: Bruno Raphael Pires (FIFA-GO)

Assistente 02:

Item Técnico

Irregular

O gol da equipe da casa marcado pelo atacante Kempes foi irregular, vez que: Quando da descida da bola no interior da área palmeirense, pós-cobrança de falta, Kempes, estava em posição de impedimento, no rebote do goleiro, tirou proveito, para marcar o gol de sua equipe, erro creditado, ao assistente 01

Pênalti

Wilton Pereira Sampaio agiu corretamente por ter sinalizado falta penal no momento que o defensor palmeirense Cleiton Xavier sofreu levíssimo, porém faltoso toque em seu pé esquerdo, cometido pelo oponente Gil.

Gol

Penalidade batida por Jean, convertida no tento de empate

Item Disciplinar

Aceitável

—————————————————————–

“Justiça”

1

Togas e saias-justas

Janot – que deu uma perceptível guinada depois do vazamento da gravação de Lula reclamando de “ingratidão” – apresentou um recurso crítico contra a decisão de Toffoli de relaxar, rapidinho, a prisão de Paulo Bernardo, ex-ministro de Lula e Dilma e envolvido na constrangedora Operação Custo Brasil, sobre desvios no crédito consignado de funcionários públicos endividados.

No recurso, o procurador diz que o relaxamento da prisão de Bernardo foi indevido porque: 1) ele teve participação “intensa e relevante” no esquema, tanto que continuou recebendo dinheiro depois de sair do Planejamento; 2) pode prosseguir cometendo crimes, pois há indícios de que ocultou patrimônio para driblar a Justiça; 3) tecnicamente, Toffoli não deveria acatar habeas corpus antes do Tribunal Regional Federal correspondente e do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Ficou feio. Toffoli agora pode manter Bernardo preso, rever sua decisão ou despachar o imbróglio para uma das turmas do Supremo ainda na semana que vem, com um novo dado: o ex-ministro virou réu ontem, dia seguinte ao recurso – ou puxão de orelhas – de Janot.

Como pano de fundo, Toffoli foi advogado do PT e virou saco de pancadas nas redes sociais por ter soltado em apenas seis dias o petista Bernardo, que é casado com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), da tropa de choque de Dilma Rousseff na comissão do impeachment no Senado.

De outro lado, colegas ministros de Toffoli andam lembrando que Janot também pisou na bola quando pediu a prisão dos peemedebistas José Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá por gravações, consideradas vagas, obtidas pelo delator Sérgio Machado. Ou seja: o procurador critica ministros do Supremo, ministros do Supremo criticam o procurador e as redes sociais fazem a festa.

Não bastasse, Fachin, ministro mais novo do Supremo (entrou em 2015), reviu ontem uma decisão de Lewandowski, que é, nada mais nada menos, presidente da Corte. O tribunal tinha decidido por 7 a 4 que um réu condenado em segunda instância já poderia ser preso, mas Lewandowski pegou carona numa decisão em contrário do decano Celso de Mello, alegou que a decisão do plenário foi num habeas corpus – logo, sem efeito vinculante – e mandou soltar um outro preso nessa circunstância. Ontem, Fachin ratificou a decisão do pleno e desconsiderou a do presidente. Mais uma saia-justa.

Para completar, a semana da abertura da Olimpíada flagrou a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado autorizando um aumento dos salários dos ministros do Supremo, de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. Mas… já houve uma gritaria quando do aumento geral do Judiciário; o momento é de cortes, não de gastos, muito menos de aumento da folha de pagamento; e os salários dos ministros do STF servem de teto para todo o funcionalismo (federal, estadual e municipal) nos três Poderes (Judiciário, Executivo, Legislativo).

Quem paga o pato é o governo interino de Michel Temer, pois os agentes econômicos começam a desconfiar que o ministro Henrique Meirelles está sendo leniente com gastos, aumentos de salários e benesses políticas, em detrimento do mais importante: tapar o rombo fiscal.

Por fim, como a presidência de Lewandowski acaba em 10 de setembro, uma sexta-feira, a tradição é antecipar a posse do substituto para a véspera, mas tudo indica que a afirmativa, mas discreta, Cármen Lúcia só vai assumir a vaga na semana seguinte. Até lá, como fica?

Publicado no Estadão do dia 05/08 – Autoria da jornalista Eliane Cantanhêde

—————————————————————–

Finalizando

“Se você pensa que é muito pequeno para fazer a diferença, tente dormir em um quarto fechado com um mosquito!”

Proverbio africano

——————————————————————

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-06/08/2016

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.