Anúncios

Goiás: Justiça Federal investiga crimes fiscais e ligação de dirigentes com crime organizado

ediminho

A Polícia Federal, por ordem da Justiça, investiga diversos crimes cometidos pelas últimas gestões do Goiás, entre eles Sonegação Fiscal, apropriação indébita e negociatas com Luppi Participações, do Major Dirceu Oliveira, ligado ao submundo dos combustíveis.

O militar, que é sócio de Olivério Junior, foi também acusado, tempos atrás, em investigação que corre no GAECO, em São Paulo, de lavar dinheiro de transações realizadas por Andres Sanches no Corinthians.

Alguns dirigentes e ex-cartolas do clube prestaram depoimentos na PF, entre eles o ex-presidente Pedro Goulart, que incriminou Ediminho Pinheiro (foto) pelos desvios de conduta fiscais de sua gestão.

Um exemplo claro, exposto e já investigado pela PF, foi a transação do jogador Welliton, em que o Goiás pagou comissão de R$ 1 milhão, mas não declarou no IR.

Houve também outros episódios, entre eles pagamentos de salários através de Notas Fiscais, sem recolhimento de Tributos Trabalhistas.

Entre as NFs já em mãos da PF está a do treinador Hélio dos Anjos.

EDIMINHO PINHEIRO E O ENDIVIDAMENTO DO GOIÁS

Edminho Pinheiro

Segundo Balanço Oficial do Goiás, até 2007 o clube não tinha dívidas, além de contar com dinheiro, R$ 7 milhões, disponível em seu caixa.

A partir de 2008, quando Ediminho Pinheiro assumiu a Diretoria Financeira na gestão Pedro Goulart (que era mandado pelo dirigente), tudo mudou.

No intuito de esconder suas ações – desmentidas pelos balanços – Ediminho chegou a produzir dossiês que, sem verdade, acusavam o presidente anterior, Raimundo Queiroz, de irregularidades graves, entre elas um fajuto (comprovado posteriormente) rombo de R$ 20 milhões.

A falsa acusação rendeu I.P nº 474/2009, no 8º DP, que resultou em perda de tempo da polícia – dois anos – e nenhuma irregularidade comprovada.

O intuito de Ediminho, na verdade, era encontrar um culpado para seus próprios deslizes, já que em 31/12/2008, sua administração transformou R$ 7 milhões em caixa numa dívida exata de R$ 19,7 milhões.

Quem, em 2009, dobrou para R$ 40,8 milhões.

Em 2010, R$ 50,5 milhões.

Um ano depois, em 2011, R$ 69,9 milhões.

2012 ? R$ 72,6 milhões.

Ou seja, Ediminho Pinheiro, gradativamente, transformou as finanças do Goiás, que eram superavitárias, em “terra arrasada”, tudo isso num período de apenas cinco anos.

Balanço 2006-2007

EX-PRESIDENTE ACUSA EDIMINHO DE LAVAR DINHEIRO DO GOIÁS COM A MÁFIA DOS COMBUSTÍVEIS

Syd-de-Oliveira

Entre os anos de 2008 e 2009, o Goiás teve como presidente Syd  de Oliveira (foto), que, a princípio, tentou colocar ordem na casa, mas depois esbarrou no poder de Ediminho, que, além de Diretor Financeiro, já se metia também em negociação de jogadores.

Não deu outra: em 31 de agosto, fechado com Ediminho, os conselheiros do Goiás decidiram afastar Syd da presidência, aplicando-lhe uma suspensão do cargo, a princípio, por trinta dias.

Porém, na mesma reunião, Syd entregou uma carta ao Conselho Deliberativo, que destacava, entre outras coisas, as seguintes colocações:

– Gestão Raimundo Queiroz assina contrato com a Luppi e transfere 50% todos os jogadores da base do Goiás até 2011. Há indícios de que o clube estava sendo usado para “lavar dinheiro” oriundo de adulteração de combustíveis.

– A situação financeira é delicada. Os R$ 21 milhões apurados pela venda de Welliton ao futebol russo não estavam no cofre ao assumir a nova gestão em janeiro de 2009.

– Atual gestão foi contra a contratação de Fernandão, o que gerou desunião no elenco, desequilíbrio financeiro e repetindo o mesmo cometido no acerto com o meia Petkovic.

– A gestão anterior contratou Fabrício Carvalho sem condições de jogo e com um contrato de três anos por R$ 60 mil mensais.

– A atual gestão foi contra a renovação de Hélio dos Anjos no final de 2009, quando o time estava desmotivado. A posterior dispensa do treinador gerou um dividendo de R$ 1 milhão.

– O Departamento de Futebol aumentou o salário de jogadores sem alterar a cláusula penal ou tempo de contrato – o salário do atleta Vitor dobrou de 30 para 60 mil.

– Negociações mal sucedidas de Vítor e Fernandão. Dos atletas recebidos do Palmeiras.

– Atual gestão foi impedida de negociar Vitor com o Santos em janeiro de 2009, com proposta inicial de R$ 2 mi que chegou até R$ 6 mi. No final, o Goiás liberou o atleta “praticamente” de graça.

– Contratação de funcionários em demasia, a inchar a folha de pagamento a ponto da reforma administrativa prever redução de gastos na ordem de R$ 180/mil.

– O presidente anterior, Pedro Goulart, recebeu como remuneração R$ 360 mil durante a gestão R$ 15 mil mensais.

– A administração anterior não fez acordo com o Sindicato dos Atletas Profissionais referente à Lei que obriga os clubes a repassarem 20% da receita de TV. Resultado disto foi a entrada para penhora da sede do CT Coimbra Bueno.

Logo depois, boicotado, Syd renunciou à presidência do clube.

GOIÁS PAGOU PARA REBAIXAR O CORINTHIANS EM 2007

goias queda corinthians

Em 2007, segundo documento exposto em reunião do Conselho Deliberativo do Goiás, o clube teria pagado a Julio Santos uma espécie de “mala branca” para que o Vasco da Gama tirasse pontos do Corinthians, fato que realmente se confirmou, no estádio do Pacaembu.

Depois, dois outros clubes teriam recebido dinheiro, no intuito de facilitar o rebaixamento do Corinthians, evitando, assim, que o Goiás caísse de divisão: o Grêmio, em depósito na conta do jogador Sandro Goiano e o Internacional, através de Fernandão.

HAILÉ PINHEIRO, LUPPI E GOIÁS

Haile 2

Ediminho Pinheiro começou a orquestrar a queda do presidente Syd depois que o dirigente descobriu os acordos nebulosos feitos pelo clube com a LUPPI PARTICIPAÇÕES E INVESTIMENTOS LTDA., do Major Dirceu, e entrou na Justiça para tentar romper os contratos firmados entre as partes.

Entre as irregularidades, descobriu-se que a LUPPI emitiu 12 cheques sequenciais do Goiás para pagamento de R$ 3 milhões, referentes a venda de Rodrigo Tabata, mas que estranhamente nunca foram depositados – e sim trocados – evitando que os destinatários fossem identificados.

Claro indício de “lavagem de dinheiro”.

Ao ingressar com o Processo nº 27671-67.2010.809.0051 (201000276710), Syd argumentou que “a origem do dinheiro da LUPPI era suspeita e que o clube poderia estar sendo usado para lavar dinheiro da máfia dos combustiveis falsificados.”

O Major Dirceu Oliveira, dono da Luppi, além do Goiás, fez negócios também com o Corinthians, na gestão Andres Sanches, intermediados, todos, pelo assessor do dirigente, o jornalista Oliverio Junior.

Dirceu é “empresário” do ramo dos petróleos e tem uma Distribuidora de Combustíveis em Paulínia, que, não por acaso, abastece postos em nomes de Sanches – um deles listado na relação de bens do TSE – e de seus parceiros.

Foi investigado pela CPI da Máfia dos Comsbutíveis.

No Goiás, fala-se que Hailé Pinheiro (foto), ex-presidente do clube, que é dono da HP Transportes, com mais de 500 ônibus, teria feito negócios com a distribuidora de petróleo de Dirceu, numa operação que seria utilizada para disfarçar recebíveis que, oficialmente, não poderiam ser contabilizados.

Nos links abaixo é possível observar matérias citando a investigação do Major Dirceu Oliveira na CPI da Máfia dos Combustíveis:

http://www.estadao.com.br/arquivo/economia/2004/not20040626p20937.htmhttp://www.istoe.com.br/reportagens/9515_MEDEIROS+LEVOU+R+3+MI+?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

http://www.istoe.com.br/reportagens/12195_OPERACAO+OURO+NEGRO

Anúncios

12 Respostas to “Goiás: Justiça Federal investiga crimes fiscais e ligação de dirigentes com crime organizado”

  1. Nelson Says:

    Olá paulinho e blogueiros!
    O pobre futebol brasileiro fálido, e nas mãos de bandidos!
    Abraços a todos!

  2. Carlitus Says:

    Se investigação do mesmo teor for feita em todos os chamados grandes clubes do Brasil, será preciso construir uma prisão só para abrigar esses meliantes.

  3. Guilherme Says:

    Devem ser chamados todos a depor, prestar esclarecimentos.
    O Pavão Paulo Schmitt não vai denunciar ninguém desta feita, só porque isso não intere$$a a ele e nem a Globo.
    Mas é importante que o Corinthians, que tem muita força política, faça um pedido de sindicância para averiguar todas as circunstâncias dessa denúncia.
    No caso do Grêmio, se realmente foi dado dinheiro ao Sandro Goiano, ele deve responder por essa Mala Branca (dinheiro para adversário tirar pontos de concorrente).
    Já no caso do Fernandão, esse não poderá mais informar nada. Mas é dele a situação mais grave que ´o caso de Mala Preta, isto é, pagar para um adversário direto perder seu jogo. Tal caso se assemelha ao ocorrido em 2002 entre Paysandú e Inter quando o Inter, conforme decarações do próprio Presidente do Papão, pagou jogadores do time do Pará para que amolecessem e perdessem o jogo para evitar o rebaixamento do Inter, o time da máfia do RS.
    Quem pode esclarecer tal fato é o Fernando Carvalho, entre outros.
    Justifica-se assim o ódio que os corinthianos sempre nutriram pelo Fernandão,
    Não é porque morreu que passou a ser ‘santo’. Tal qual o salafra do Paulo Rogério Amoretty…

  4. GOMÃO Says:

    Será que o Inter fará um DVD sobre o assunto??????????????

  5. Cristiano Vieira Says:

    Ainda consigo me desvencilhar totalmente do futebol. Havia prometido que se o Flu não caísse o ano passado, eu pararia de torcer pra qualquer time.
    Cada dia que passa, cada notícia, cada falcatrua… cada uma gota vai enchendo o copo transbordante de vergonha.
    Me sinto um palhaço ao acompanhar futebol e talvez eu seja pior que isso.

  6. Márcio Seixlack Says:

    E o povo pagando ingresso caro e brigando em estadios

  7. EU - ABSOLUTIS VERITAS Says:

    “O MERCADO PARALELO DA BOLA”, atuando “geral”!!!!

    CLUBE EMPRESA URGENTE!!!!

  8. “Nós te localizaremos”, ameaça dirigente do Goiás, via advogado, após denúncias de ligação do grupo com crime organizado | Blog do Paulinho Says:

    […] https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/09/09/goias-justica-federal-investiga-crimes-fiscais-e-liga… […]

  9. Silas marquês de souza. Says:

    Isso tem que ir pra mídia. Cadê a Policia Federal? Vamos apurar. Não existe rio cheio só de água limpa, dizia meu saudoso pai.

  10. Após tentativa de fraude, Justiça condena Goiás a pagar R$ 40 milhões a JF Esportes | Blog do Paulinho Says:

    […] https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/09/09/goias-justica-federal-investiga-crimes-fiscais-e-liga… […]

  11. maria garcez Says:

    quem com ferro feri com ferro e ferido rrrrrrrrrrrr o feitico virou conyra o feiticero deus tarda mas nao falta .

  12. Sócios do São Paulo no negócio Thiago Mendes são complicados | Blog do Paulinho Says:

    […] https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/09/09/goias-justica-federal-investiga-crimes-fiscais-e-lig… […]

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: