Advertisements
Anúncios

Assustadoras revelações sobre o “Fielzão” na Ata da última reunião do Conselho do Corinthians

andres e bandidagem

No último dia 10 de outubro, o ex-presidente do Corinthians, Andres Sanches, passou quase toda a reunião do Conselho Deliberativo do clube tentando convencer os presentes sobre a necessidade da criação de um novo Fundo de gestão do “Fielzão”.

E conseguiu, como já era de se esperar.

Porém, algumas de suas palavras merecem ser destacadas, e explicadas, para que o público em geral possa ter uma base maior para avaliação.

“O senhor Andres continuou explicando que o Fundo Imobiliário constituído anteriormente não tem autorização para gerir o estádio, efetuar qualquer tipo de contratação, seja de prestadores de serviço, funcionários, etc.”, diz trecho da Ata, em que o ex-presidente tenta imbutir na cabeça dos conselheiros a necessidade da criação doutro FUNDO.

Sanches, como de hábito, faltou com a verdade.

No acordo do clube com o FUNDO II (da qual a ODEBRECHT é parte), está especificado que, além de se apoderar, por 30 anos, de símbolo, marca, terreno e receitas do clube, os gestores tem o direito de construir o estádio em Itaquera.

Existe alguma possibilidade de se tocar uma obra sem a contratação de funcionários ?

“Através de entendimentos com a CAIXA, entendeu-se a necessidade de contratação de funcionários exclusivos para o estádio, razão pela qual foi ajustada a criação desse novo FUNDO. Esclareceu-se que o estádio é uma empresa e não pode ser confundido com o clube, sendo que todas as pessoas que trabalham para jogos devem ser transferidos para essa nova empresa a ser criada (…)

Evidencia-se, portanto, a pretensão de Sanches em administrar o “Fielzão” à margem da contabilidade corinthiana, com gestão própria, sem explicar ainda, porém, a criação doutro FUNDO para fazer o que poderia ser claramente efetuado pela já existente.

Na verdade, o ex-presidente esconde dos Conselheiros que, entre os atuais gestores do FUNDO anterior, está a BRL Trust, com bens embargados pela Justiça Federal, razão maior do desespero.

Ainda, segundo o “raciocínio” do dirigente, o dinheiro arrecadado circulará numa espécie de “triangulação” envolvendo nomes que se repetem em todos os vértices.

Do estádio para o “FUNDO II”, que repassa ao “NOVO FUNDO”, e também a ODEBRECHT (que faz parte de todos os Fundos).

O que sobrar, se sobrar, fica com o Corinthians.

“Esclareceu que o clube deve hoje R$ 70 milhões em juros, e ainda faltam cerca de R$ 100 milhões para finalizar o estádio, sendo que a ODEBRECHT está pagando uma parte da obra e outra parte foi do dinheiro emprestado pelo Santander e Banco do Brasil.”

Mesmo escondendo do Conselho a informação de que, além dos juros de R$ 70 milhões, o clube deve multas a ODEBRECHT por descumprimento de prazo, que totalizam, na soma, R$ 120 milhões, dá para se ter a noção aproximada do caos financeiro a que está sendo levada uma entidade que, fora estádio, já deve mais de R$ 250 milhões a outros credores.

Mas, agora, vem a parte mais grave, diria até, temerária:

“Que nesse novo FUNDO haverá um conselho formado pelo próprio Andres Sanches, um diretor da CAIXA, um diretor da ODEBRECHT e o presidente do clube.”

Ou seja, o Corinthians terá direito a um voto, através de seu presidente, de quatro possíveis, entre os gestores do “Fielzão”

Porque, por razões óbvias, desde o princípio, Sanches, Odebrecht e CAIXA estão alinhados num mesmo pensamento.

Vale lembrar que, meses após a inauguração do “Fielzão”, ocorrerão novas eleições no Corinthians, e que Sanches, dependendo do resultado, pode ser até opositor da próxima gestão.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: