Advertisements

A Gestão de Pessoas no Corinthians: O que fazer com Jorge Henrique?

jh

Por JOSE RENATO SATIRO SANTIAGO

Envolvido em situações de indisciplina que acabaram por provocar seu afastamento do elenco corintiano, desde então, Jorge Henrique está… afastado.

A decisão tomada a partir de orientação do técnico Tite é cabível.

O empregador, Corinthians, tem total direito a tomar este tipo de decisão.

Ainda mais se considerarmos eventuais prejuízos que atitudes tomadas pelo jogador poderia provocar no elenco.

E por consequência nos resultados da equipe nas importantes competições que participava no momento.

Pois é.

Reconhecido pela torcida alvinegra por sua entrega ao coletivo da equipe, ao menos dentro de campo, o que caberia fazer com o jogador?

Repito, certamente que o afastamento é uma das alternativas, legitima, a ser tomada pela direção alvinegra.

No entanto a demora em decidir o futuro de seu jogador, tem alguma motivação?

Ou cabimento?

Talvez seja passível considerar a possibilidade que a demora pela decisão é uma estratégia para não desvalorizar, ainda mais, o passe do jogador.

Trata-se de uma postura profissional?

Não, certamente não.

Se houvesse profissionalismo efetivo, seu afastamento juntamente com a decisão sobre o atleta seria imediata.

Se fosse o caso, a decisão pela venda, empréstimo ou o que fosse, seria tomada.

Afastar o jogador, por tanto tempo, sendo que seus salários continuam sendo pagos, não é profissional.

O resultado disso pode ser péssimo aos demais jogadores.

Ainda hoje muitos deles são questionados sobre isso.

Uma exposição desnecessária.

Justificar a falta de uma ação efetiva pode sugerir muitas coisas.

Por mais que a confidencialidade da relação trabalhista deva ser mantida, a transparência também deve.

O tão propagado profissionalismo perde.

As pessoas envolvidas também.

O Corinthians mais ainda.

Advertisements

Facebook Comments

12 Responses to “A Gestão de Pessoas no Corinthians: O que fazer com Jorge Henrique?”

  1. Joao Todo Poderoso Says:

    E o Jorge Machado hein ! ! Conseguiu emplacar seu atleta na seleção do Felipão e vendê-lo ao Shaktar por 36 milhões. Ah se fosse o Mano….

  2. Pedro Says:

    Dinheiro não é problema. O impostometro segue rodando com velocidade máxima

  3. MOSQUETEIRO Says:

    Devem estar negociando a taxinha.

  4. Carlos Says:

    Não concordo…afinal uma das partes interessadas é o próprio jogador, e é ele quem dará a palavra final, pois tem contrato vigente com o clube.
    Ele pode por exemplo não aceitar jogar no clube A ou B, pode não aceitar reduzir salários, pode pedir uma compensação financeira na transferência…existem vários fatores a serem analisados.
    Analisar a situação apenas pela ótica do clube, sem conhecer os detalhes da transação é puro “achismo”…nada mais.

  5. Ronx Says:

    Bem equivocado! Emprestar ou vender um jogador não é algo que se faça de um dia pro outro. Primeiro tem que afastá-lo, depois comunicar que, de fato, ele não será reintegrado e depois esperar as propostas chegarem. Não ir aceitando as primeiras propostas que chegarem e, sim, esperar uns dias, junta-las todas, analisar com a parte financeira qual delas seriam, também, interessates ao clube, dentro do contexto, depois repassa-las ao jogador, esperar ele pensar com família e empresários, esperar a resposta do jogador e, aí, comunicar ao clube da proposta aceita. Depois disso, sentar com o clube de destino do jogador e fechar detalhes financeiros e burocráticos. Você acha que tem que afastar e no outro dia já ter um destino definido e acertado pra ele? Huum, tomara que você não esteja gerindo alguma empresa, principalmente de futebol.

  6. BI CONSECUTIVO NUNCA SERÃO! Says:

    Jorge Henrique, faça como o maestro Ganso: “Quero o TRIcolor, clube grande de verdade e ponto final!” … vc ainda pode parar num Milan da vida, freguês do TRIcolor, com o bolso cheio pra todo mundo, menos pro 5mall, claro.

  7. Grisalho Says:

    O ideal seria o que você disse, ser rápido…Mas existem inúmeras variáveis envolvidas…Existe algum clube disposto a pagar o preço de mercado? O jogador aceitaria jogar por um salário menor (claro que não…) Então, a coisa não é tão simples…

  8. Antonio Says:

    As transações do futebol não são como comprar paozinho na padaria, e no caso do JH nao esta demorando o clube, o empresairo, o jogador, estão fazendo as coisas certas, e tudo as claras. Esse seu artigo foi….fraco… com todo respeito.

  9. Alex Franco Says:

    Obrigado J Henrique pelos serviços prestados ao TODO PODEROSO, sei q nunca encontrara um time maior e melhor q esse, mas boa sorte e deus lhe acompanhe, valeu guerreiro.

  10. H@milton Says:

    Estou chateado, pois era a torcida em campo sem duvida nenhuma, mas não podia pisar na bola como ele fez, a vida continua…

  11. MOSQUETEIRO Says:

    Grande Jorge Henrique, deu muitas vitorias pro timao, foi fundamental no bi mundial…boa sorte garoto.

  12. bruno Says:

    manda um dos ídolos embora,e ainda reforça um adversário que é o inter
    o Jorge Henrique apesar de ter aprontado, sempre se dedicou em campo honrou a camisa em todas as vezes que a vestiu

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: