Marin implora para falar com Dilma

Não é de hoje o que presidente da CBF, José Maria Marin, vem pedindo socorro ao presidente Lula no intuito de ser recebido pela presidenta Dilma Rousseff.

Razão pela qual, para não “incomodar” o “chefe” do Mensalão, manteve o emprego de Andres Sanches e de seu sócio, Mano Menezes, na entidade.

Ocorre que a ojeriza de Dilma sobre o passado de Marin é praticamente irreparável.

Lula, mesmo auxiliado pelos “companheiros” ligados ao Corinthians, além do inconfiável deputado Vicente Cândido, não demonstrou a força necessária para cumprir a tarefa prometida, tanto que desde a época de Ricardo Teixeira a presidenta parece manter firme a posição de não se relacionar com essa gente.

No que, aliás, faz muito bem.

Desesperado, segundo a coluna de Mônica Bergamo, na FOLHA de hoje, outros presidentes de clube, subservientes, reforçaram o pedido a Lula, no intuito de se mostrarem “prestativos” a Marin.

Não devem conseguir muita coisa, mas o simples gesto demonstra também que o “suposto” prestígio de Andres Sanches com o ex-presidente do Brasil inexiste, e Marin já percebeu claramente essa situação.

Apesar do emprego mantido, à custa da imploração de alguns petistas pela intervenção de Lula, não pela simpatia tão divulgada entre as partes, e que, na prática, é bem menor do que o apregoado, Sanches volta agora a ter motivos para se preocupar.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.