Advertisements

Wagner Ribeiro mente na Justiça e será processado por falsidade ideológica

O leitor deste espaço tem acompanhado, em detalhes, o processo movido pela esposa do empresário Wagner Ribeiro, que teve como resultado a obrigatoriedade do mesmo de partilhar metade de seus bens com a autora.

Indignado, o “Luxemburgo” dos agentes de futebol, como é conhecido no meio, entrou com recurso para travar a execução.

E exagerou.

Inseriu nos autos uma “declaração de pobreza”, escrita de próprio punho, que deixou o juiz do caso estupefato.

O intuito era o de não pagar os valores para entrar com a referida ação, arbitrados em R$ 22 mil.

Em sua decisão, indeferindo o pedido, por motivos óbvios, o magistrado disse ainda:

“o agravante cometeu, em tese, o crime de falsidade ideológica ao assinar a declaração de pobreza copiada fls. 719, razão pela qual determino a extração de cópias de fls. 27, 29/52, 56 e 719 e desta decisão, encaminhando-as ao Exmo. Procurador Geral de Justiça para os fins do art. 40 do Código de Processo Penal. Ante o exposto, nego seguimento ao recurso interposto por Wagner Pedroso Ribeiro.”

Pois é.

O “espertalhão” tentou ser mais “esperto” do que a “esperteza”, e dançou.

Apenas a título de registro, as tais cópias que o juiz indica enviar ao Procurador Geral de Justiça para fundamentar sua denuncia de “falsidade ideológica” do empresário contém os seguintes dados:

– Wagner Ribeiro renovou contrato de representação de Lucas por 24 meses;

– Declarou, em 2009, bens no montante de R$ 6.573.661,62 (imaginem o que pode e deve não estar declarado)

– Mantém um plano de previdência, com valores até 2011 atualizados em R$ 3,5 milhões.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: