Advertisements

O COB é um perdedor nato

Não acreditem nas cenas que vocês verão nos próximos dias.

Dirigentes e políticos irão bajular César Cielo.

Gente que não contribuiu em nada para a sua conquista.

O Campeão Olímpico, de maneira Quixotesca, contou apenas com o apoio de sua família e com recursos provenientes de seu próprio esforço.

O COB do nefasto Carlos Arthur Nuzman, nunca lhe deu valor.

Da mesma maneira como age com a grande maioria dos atletas brasileiros.

Negaram ingressos para a família de Cielo assistir as provas, enquanto bajuladores do poder corrompido tinham livre acesso ao local.

Cielo venceu sozinho, carregou um Brasil nas costas, e merece todos os elogios.

O COB, ao contrário, foi derrotado por um atleta que eles tinham obrigação de ajudar.

A relação entre ambos é exatamente essa.

Cesar Cielo é um vencedor.

O COB de Nuzman, um perdedor nato.

Facebook Comments
Advertisements

8 comentários sobre “O COB é um perdedor nato

  1. Pingback: É isso! Sem tirar nem pôr « Igor C. Barros Cartoons, o Blog

  2. Carlos Oliveira

    “Sim, nosso nadador de ouro é meio… “made in USA”A informação do campeão, ex-recordista e comentarista dos canais ESPN Ricardo Prado me assustou. “Por treinar fora do Brasil, César Cielo perdeu o patrocínio dos Correios”, disse, momentos após a conquista do ouro pelo nadador. Me segurei na cadeira, não entendi, afinal, a empresa patrocina os esportes aquáticos desde 1991. O site Máquina do Esporte publicou recentemente que, segundo o jornal Correio Braziliense, o contrato com a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) é de R$ 9,75 milhões (mais de US$ 6 milhões) anuais. Para um projeto que já tem 17 anos e absorve cifras desse calibre o retorno em resultados é pobre. Pode até ser um ótimo negócio institucional para os Correios, mas no pódio, a presença brasileira é paupérrima se levarmos em conta tal injeção de dinheiro. Sozinha, a nadadora Kirsty Coventry, do Zimbábue, coleciona mais medalhas do que toda a equipe brasileira. Coventry nada pela Auburn University, do Alabama, nos Estados Unidos. O Brasil depende de talentos isolados como Cielo, que por sinal também treina por lá. Será que a escola americana consome tantos dólares só com a natação? Mas enquanto não me provarem que focinho de porco e tomada são a mesma coisa, estarei convicto de que esse medalhista de ouro não foi forjado campeão olímpíco em terra brasilis. É um campeão “made in USA”, embora cartolas com o rótulo “made in Brazil” já capitalizem a conquista do “fast boy”. Fica, também, a óbvia certeza de que, a partir de agora, ele terá amplo patrocínio. Dos Correios, inclusive.”

    http://blogs.espn.com.br/maurocezarpereira/

  3. Carlos Henrique

    O ‘Cesão’ deveria ter esfregado a medalha na cara desse ditador que é o Coaracy.

  4. daniel neto

    VC se superou agora Paulinho … muito bom o texto …. essa é a maior verdade do esporte brasileiro…da até um desespero assistir os jogos e ver brasileiros que não tem chances nehuma quase morrerem pra conseguir algo … ai quando conseguem vem essas coisas e querem se aproveitar … essas coisas nem são digno de serem chamados de gente … ateh quando vamos aguentar isso ???

  5. juliano

    E os correios que estão patrocinando e o próprio nadador fez questão de agradecer?

  6. maria de loudes

    Paulinho é triste mais é a pura verdade o que vai acontecer nos próximos dias com este jovem e talentoso nadador brasileiro.
    O Tal do Carlos Arthur Nuzman do COB que se perpetuana no cargo de Presidente da entidade e seu filhote de aprendiz o Ministro Tapioca ou Ministro dos cartolas, Orlando Silva, vão explorar politicamente esta conquista pessoal deste jovem brasileiro. Nossos governantes gastaram verdadeiras fortunas do povo em PAN2007, Lei agnelo/Piva e agora nesta RIO2016, vergonha. Num país onde faltam escolas e existem analfabetos, onde faltam hospitais e os que existem estão a beira do cãos e estes caras tem a coragem de falar em olimpíada no Brasil e ainda em uma cidade citiado pelo crime organizado…Uma Tremenda Vergonha!!!

  7. José Cruz

    Sobre recursos: não faltam. Sobram.

    1. Lei Agnelo (argh!) Piva, que são repasses de 2% de todas as loterias federais para o COB. Cerca de R$ 500 milhões entre 2001 e 2007.

    2. Banco do Brasil, Caixa, Petrobras, Infraero, Eletrobras e Correios patrocinam 12 modaldades.

    3. Lei de Incentivos ao Esporte (R$ 300 milhões este ano). o COB levantou R$ 27 milhões.

    4. Bolsa Atleta, que beneficia 2.700 competidores

    Como se vê o Estado financia o esporte nacional, mas não tem a mínima ingerência na fixação de prioridades, metas, nada. O Ministério do Esporte é omisso.

    José Cruz

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: