Advertisements

45 do segundo tempo – Entrevista com o Magrão

Da Carta Capital

http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=6&i=1165

Sócrates, ex-craque do Corinthians e da seleção brasileira sempre considerou que seu papel de homem público ia além das quatro linhas. Dono de um estilo elegante em campo, destacou-se como um dos principais idealizadores do movimento Democracia Corintiana, que lutou contra hábitos autoritários no futebol.

 

CartaCapital: Houve alguma mudança tática substancial no futebol desde a Copa de 1994?

Sócrates: Tática, não. Houve uma evolução física dos atletas. O jogo foi ficando mais feio, com maior contato físico, menos tempo para pensar. Ocorreu uma desvalorização do talento, da habilidade. Na verdade, é um esporte em extinção.

 

CC: Por quê?

Sócrates: O futebol sempre foi fascinante por não premiar a regularidade, por permitir que um time mais fraco ou menos preparado vença. Onde há espaço para o acaso, o incidente. Mas daqui a pouco, do jeito que as coisas caminham, não será mais assim. Todos serão iguais e nem os “acidentes” ocorrerão mais. Por que, se todo mundo se preparar para o óbvio, os riscos de uma adversidade diminui e o jogo vai ficando mais chato. Hoje em dia, torce-se para o trapezista cair. Raramente vê-se uma jogada de talento, de habilidade. Mas, quando ela ocorre, costuma ser decisiva.

 

CC: Aumentar o campo ou diminuir o número de jogadores faria diferença?

Sócrates: Acho que se poderia reduzir o número de jogadores para nove. Mas acho improvável que ocorra essa mudança. Em comparação com os anos 70, quando, acredito, o futebol atingiu o pico de qualidade técnica, houve uma brutal evolução física. Os jogadores, há 30, 40 anos, corriam 4 quilômetros por jogo. Hoje correm mais de 12 quilômetros.

 

CC: O futebol inglês parece um paradoxo, diante dessa realidade. Melhorou tecnicamente, atrai público e, neste ano, dominou a Copa dos Campeões na Europa. O que acontece lá?

Sócrates: O futebol inglês fez o percurso que outros tinham feito antes. Era o mais feio, violento e irracional. No fim dos anos 80, mudaram tudo. Tiveram coragem de mexer nas estruturas: nos clubes, no estádios, na polícia. Lá o futebol deixou de ser foco de conflitos e virou casa de espetáculos. Saíram do fundo do poço porque antes não jogavam futebol. É como o São Paulo atual, que parece um time inglês de 30 anos atrás, o cara que cruza a bola 50 vezes por minuto na área. Os ingleses puseram a bola no chão. Por isso são exceção. No continente europeu, está todo mundo caindo. Os italianos foram os primeiros a instituir a idéia do futebol como negócio, mas não conseguiram sustentar essa estrutura. O fluxo de torcedores aos estádios por lá caiu 40% nos últimos anos.

 

CC: Há algo de especial nessa geração atual do futebol brasileiro?

Sócrates: O jogador brasileiro é diferente, por princípio. Sempre vai ser especial. Isso tem a ver, entre outras coisas, com a miscigenação, com as fibras longas dos nossos atletas. O maior problema é de formação. Isso está cada dia mais claro, até para quem não entende de futebol. Trabalhamos muito mal a base. Não temos escola de treinadores, não há a menor preocupação com a formação intelectual dos indivíduos. Quanto à qualidade, ela caiu. A responsabilidade é da influência do poder econômico, que seleciona um tipo de jogador mais fácil de ser negociado ao exterior, com certas características que, em geral, não estão relacionadas ao talento. Uma escolha burra, no fim. Tem atleta negociado ao exterior que não sabe dar um passe. Se ficasse um mês na Bahia, garanto que encontraria ao menos uns 20 garotos muito melhores do que a maioria dos titulares dos principais times do Brasil. Por que esses moleques não estão nos gramados? Porque não foram descobertos por quem faz a intermediação. Não se busca mais o jogador diferenciado.

 

CC: Por falar em diferenciados, ou diferentes, o que se passa com o Ronaldinho Gaúcho?

Sócrates: Continua tendo o mesmo talento de antes. O que mudou foi a sua relação com o público do Barcelona. Há uma fase em que, como no caso do cantor, tudo que se faz, mesmo os erros, são aplaudidos pelos fãs. Mas o beneplácito acaba quando a paixão acaba. E é muito difícil reconquistar, precisa ter estrutura emocional. Durante dois anos, tudo que o Ronaldinho tentava, dando certo ou errado, era aplaudido. Não que não possa ocorrer novamente, mas hoje ele não tem mais coragem de tentar para não ser criticado. Seu desempenho está muito abaixo do que foi nas últimas temporadas. Acredito que, se lhe derem oportunidade, ele vai fazer as mesmas coisas de antes ou até melhor. Sendo massacrado, ele não vai conseguir manter o nível, que, eventualmente, está mais na fantasia do torcedor do que na sua real habilidade.

 

CC: E o Fenômeno?

Sócrates: Desde que o Ronaldo foi para a Holanda, colocaram uma sobrecarga muito grande sobre ele. Basta ver a sua massa muscular de quando jogava no Cruzeiro e depois de ir para a Europa. Aí não tem ligamento que agüente. Quando o Ronaldo fez a primeira cirurgia do tendão, um especialista, de quem não posso citar o nome, por questões profissionais, contou-me que o outro tendão já estava na mesma situação. Ou seja, era uma questão de tempo estourar também. E foi o que aconteceu. Acabaram com a estrutura física dele. É um típico caso de absurda exploração de imagem. Acabaram com o atleta, com o artista, com o ser humano.

 

CC: De volta ao assunto da formação dos atletas: há alguma iniciativa pública relevante?

Sócrates: Ninguém quer discutir isso. Todo jogador de futebol tinha de ter, no mínimo, nível médio de educação. Para o moleque nascido na periferia, uma das poucas possibilidades de ascensão social no Brasil é virar jogador de futebol. Se o ídolo dele, se o cara que ele ouve sempre, nunca se preocupou com isso, nunca estudou, por que ele vai estudar? O garoto descarta de cara. Só que, dos milhares que sonham em virar profissional, uma centena, e olhe lá, consegue. E o resto? Na verdade, estamos estimulando a marginalização de boa parte da população. Porque os jogadores são referência em tudo neste País. Se moralizarmos o futebol, diminuirmos ou chegarmos perto da extinção da corrupção, da manipulação de resultado, vamos mexer em toda a sociedade, pois o futebol é o que unifica o Brasil. Por que um País tão díspar culturalmente nunca teve nenhuma manifestação séria separatista? Como é que o nordestino conversa com o gaúcho? Ele tem de ter uma linguagem uniforme. Eu acho que uma das linguagens mais presentes, mais importantes, é a do futebol. É a única bandeira nacional. Temos de usar esse meio, esse mecanismo, como fator predominante de mudança.

 

CC: O que acha que deveria ser feito de imediato?

Sócrates: Primeiro, ter maior participação e controle do Estado. Acho um absurdo a manutenção de uma estrutura que não presta contas ao poder estatal e que mexe com tantos símbolos, como a bandeira, o hino, as cores do País. Nada se move pelo interesse nacional. Diga-me um único gesto de promoção da atividade física, do esporte, patrocinado pela Confederação Brasileira de Futebol, a não ser aquelas enganações de campeonatos de favela? Uma entidade que fatura 80 milhões de dólares por ano e investe 100 mil reais.

 

CC: O Brasil terá algum ganho com a Copa de 2014?

Sócrates: Não acredito. Teremos uma festinha de um mês, depois vai sobrar um monte de trambolho que ninguém saberá como manter. Veja o que aconteceu com as instalações do Pan. O estádio Engenhão, que custou mais de 300 milhões de reais, foi alugado ao Botafogo por 29 mil. E o pior: a população, que deveria ser a maior beneficiária, não usa. No caso da Copa de 2014, multiplique por dez as parafernálias do Pan. Vai ser isso. E com dinheiro nosso, não tenha dúvida. Até agora ninguém mexeu uma palha para organizar o evento. Quando chegar 2011, 2012, farão tudo de última hora. Aí fica sem controle, né, de um jeito bem conveniente (risos). Países sérios estariam com tudo planejado. E ainda querem fazer uma Olimpíada aqui.

 

CC: O Michel Platini (ex-jogador, atual presidente da Uefa) propôs limitar o número de jogadores estrangeiros em times europeus a cinco por jogo. O que pensa a respeito?

Sócrates: É absurdo um órgão esportivo tentar meter o bico em decisões que cabem a países. Se a Inglaterra decidir não ter nenhum inglês em campo, o problema é da Inglaterra, é política de Estado. O que a Uefa tem a ver com isso? É muita pretensão.

 

CC: Você gosta do trabalho do Dunga à frente da seleção?

Sócrates: Não vejo nada de mais. Acho incoerente, por exemplo, ele dizer que se preocupa com as Olimpíadas, mas a preparação ser tão ruim, quase nula, como tem acontecido.

 

CC: O Dunga é mais um técnico linha-dura, dentro da tradição autoritária do futebol e do Brasil, não?

Sócrates: Sim. No Brasil, os técnicos promovem a política estrutural dos clubes. Em geral, chega, manda dez embora, contrata outros dez, vai embora em pouco tempo e quem fica com o prejuízo é o time. Como se permite que isso aconteça? Por que toda a estrutura ligada ao futebol é mal construída, não há ninguém comprometido pensando a longo prazo. Veja o Alex Ferguson (treinador do Manchester United). Ele não é um simples técnico. É um cara do clube, está ali há 30, 40 anos. Está mais para um gestor que também faz as vezes de treinador. Não há nada parecido no Brasil. O cara fica um ano no clube, recebe uma proposta melhor e tchau. Como é que vai promover a política de uma instituição com a qual não está comprometido? Por outro lado, como alguém vai se comprometer se não tem estabilidade? No fundo, o gestor tem de ser tratado como sócio.

 

CC: A má-formação dos atletas leva a um gosto por técnicos autoritários? Apreciam o “professor”, o “comandante”…

Sócrates: Há muitos jogadores que gostam disso, pois, quanto mais protegidos, mais besteiras podem fazer. Melhor um ditador do que alguém que dê liberdade. É aquela história: o que o cara vai fazer com a liberdade? A idéia de Democracia Corintiana era dar responsabilidade a todo mundo. Liberdade com responsabilidade, virar gente, homem, cidadão. Alguém imagina um cirurgião cardíaco dormir no hospital para operar no dia seguinte? Por que é preciso a concentração no futebol? É uma relação arcaica. Por exemplo: por que os clubes não fazem contratos com jogadores e treinadores relacionados a resultados? Em vez de altos salários fixos, bônus, cotas. Mas aí os caras pegam um moleque e pagam alto. O sujeito tem 10 anos e já ganha 60 contos por mês (risos). Passa a receber sem a necessidade de produzir à altura, de forma a justificar o ganho. O cara sai da base para o topo da pirâmide em um piscar de olhos sem produzir nada. É absurdo, cria-se um musgo social.

 

CC: O Brasil um dia vai aproveitar a constante safra de jogadores para tornar o futebol um negócio de sucesso aqui?

Sócrates: Como quase tudo no Brasil, no futebol se vende commodity. Não nos preocupamos em industrializar. Tem produto mais importante no futebol do planeta do que o jogador brasileiro? A gente tem mania de vender o artista e não a arte dele, o que é burrice. Vende cacau e compra chocolate. Mandamos o jogador para a Itália, a Espanha, a Inglaterra e depois compramos a transmissão televisiva desses campeonatos. É o que dá a falta de gestores, de pessoal comprometido com o negócio. Alguém competente mataria a pau. Vou dar um exemplo familiar de como funcionam as coisas no futebol. Meu filho Gustavo é advogado e atua na área de futebol. Uma vez ele escreveu um artigo na imprensa sobre o caso da transferência do (lateral) Rogério do Palmeiras para o Corinthians. Era o início da Lei Pelé e, se quisesse, o Palmeiras não pagaria nada, mas a diretoria perdeu o prazo de contestar o contrato. O Palmeiras decidiu processar o Gustavo por causa desse artigo. E o que aconteceu? Eles perderam o prazo para dar prosseguimento ao processo contra o meu filho (risos).

Facebook Comments
Advertisements

16 comentários sobre “45 do segundo tempo – Entrevista com o Magrão

  1. silvio damenti

    Sócrates,meu maior idolo junto com o Marcelinho como jogador do Timão,mas quando se trata de falar sobre futebol e clubes,é um sonhador,vive num mundo de fantasias e utopias.
    Vejam aonde a democracia levou Casagrande,arruinado,vejam onde está Leão,profissional que era contra este regime no Corinthians.
    Silvio.

  2. sten

    Fantástico, o Socrates é um exemplo de cidadão e pessoa, suas palavras são a dura realidade do futebol no Brasil, parabéns pelo post Paulinho.

  3. Luis

    Excelente!!!

    Ótima entrevista, enfocando assuntos que muitos não querem discutir. Valeu por publicá-la Paulinho.

  4. Valter

    É que saudade de jogadores como Socrates, Zico, Falcão, Toninho Cerezo, Junior, Roberto Dinamite, etc, que agragam coisas além do futebol, Hoje em dia nos temos o Ronaldo e o Adriando que demonstram o exemplo, sou estrela e posso fazer o que quiser e o nosso bom moço Kaka é adepto de uma religião que tem os seus idealizadores presos nos EUA (País serio, onde que fere a lei vai preso mesmo).Mas estes ai vem aquele comentário idiota, qtas Copas do mundo o Zico, o Socrates, etc ganharão?. Como se a competencia destes jogadores fosse provada apenas se ganhassem uma Copa. Mas esquecem que no curriculo destes jogadores não existe uma vergonha tão grande qto uma copa do mundo de 2006. Agora o que vale mais: A consagração de ganhar uma copa do mundo ou a vergonha de participar de uma copa como se fosse um jogo de casados e solteiros?
    Agora a grande diferença daqueles tempos para hoje esta no fato dos jogadores da geraçao de 82 se formarem no Brasil, saiam para europa com 24, 25, 26 anos, depois de fazerem história em grandes clubes brasileiros. Jogador hoje em dia, estrei no time de cima com 16 anos e é vendido como 16 anos e meio para a Europa, e vai concluir sua formaçao numa escola totalmente diferende da brasileira, ou vcs acham que na Ucrania se joga o mesmo futebol do Brasi? A Fifa deveria intervir nestas negociações de jogadores novos, não permitindo a ida de jogadores brasileiros com menos de 22 anos, para preservar a formação do único jogador realmente diferenciado no Futebol. Porque senão daquia pouco ficaremos nivelados com a mediocridade e quem realmente perde com isso é o Futebol ou vcs acham que se o Futebol não tivesse o Brasil, seria o esporte mais popular deste mundo?

  5. Heloisa

    Amo o Sócrates!!! Pena que ele nunca será levado em conta no Corinthians e mesmo a Seleção enquanto os canalhas estiverem tomando conta do nosso futebol…

  6. alessandro

    “Era o início da Lei Pelé e, se quisesse, o Palmeiras não pagaria nada, mas a diretoria perdeu o prazo de contestar o contrato. O Palmeiras decidiu processar o Gustavo por causa desse artigo. E o que aconteceu? Eles perderam o prazo para dar prosseguimento ao processo contra o meu filho (risos).”

    HAHAHAHAHAHHAHAHAHAHA

  7. Moleque Travesso

    É uma pena que não possa v iver 100 anos. Como é dr.Socrates? o futebol é um esporte em extinção? hahahahahahahahahahahahahha. Então é bom tamnbém achar outro emprego, logo, logo.

  8. A.Carlos

    Silvio.É sempre bom ler alguem capaz de pensar como si próprio, como você. Eu, particulamente, não aguento mais dr.Socrates e o politicamente correto.Como v. diz, um mundo de fantasias e utopias.

  9. waldomiro

    o sucesso do futebol inglês é proporcional ao fracasso da seleção inglesa.
    muitos estrangeiros jogando (o que justifica a mudança da forma de jogar), e poucos ingleses bons de bola, o que deixou a seleção fora da eurocopa.

  10. Marciano de Brito Silva

    Não adianta, Sócrates, o torcedor brasileiro ficou cego e imediatista preso nas trevas da caverna em que se encontra nosso futebol! Nós perdemos a capacidade de enxergar a luz e duvidamos que haja luz. Não adianta sonhar com um campeonato brasileiro de verdade, com times fortes, com uma boa qualidade de futebol, com craques de verdade em campo… Não adianta sonhar com um campeonato brasileiro tão bom e rentável quanto o campeonato inglês. O torcedor brasileiro prefere assistir peladas decidindo copas como na semana passada; prefere endeusar técnicos retranqueiros do que técnicos que optem por ataque, prefere idolatrar cabeças-de-bagre…

    Não é a tôa, Sócrates, que nos últimos campeonatos brasileiros os craques têm sido estrangeiros e goleiros; e os times campeões têm sido os menos ruins… Até jogadores medianos como Acosta e Herrera fazem sucesso aqui…

    Mas o torcedor não quer enxergar isso. Ele ainda vê nosso futebol com os olhos do passado e não consegue entender que perdemos para a venezuela porque eles jogaram bem e para o Paraguai porque elee tinham mais time….

    Não adianta, Sócrates, você terá o mesmo destino do outro Sócrates que lhe rendeu o nome: Saiu da caverna, viu a luz, tentou avisar aos demais, mas foi morto pelos seus que preferiam ficar na escuridão da caverna…

  11. André (brfritos)

    Caros silvio damenti e A.Carlos,

    Pelo menos alguém tentou, certo?

    Interessante é que Felipão e Zico não querem vir ao Brasil treinar times.
    Por que será?

    [ ]’s

  12. Nico

    Lá vem de novo a história do estatismo. Ele não consegue disfarças o viés pro Cuba de jeito nenhum. Tá bom estatiza logo essa porra de futebol como são estatizados os esportes em Cuba e ponto final. Alias, com se lê diariamente, os esportistas cubanos adoram trablhar para o Estado

  13. Arthur Emilio

    Grande pessoa. Pena que não tenha tido sucesso na sua luta para presidente da CBF devido à sujeira que mancha nosso futebol.

  14. Alviverde/SP

    Nossa, pensei que era uma entrevista com o OUTRO Magrão, menos famoso…rsrsrs Quanto ao caso do Rogério, não perdemos grande coisa…NADA a se lamentar.

  15. Marcelo Delago

    Sou corintiano e o meu único ídolo futebol é o Sócrates. Quando compro camisa do timão, sempre é a a 8. Porém discordo de algumas opiniões dele. Por exemplo sobre o Platini. É função dele se preocupar com esses detalhes. Pode até estar errado na opinião, mas tem a obrigação pelo cargo de se manifestar.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: