Advertisements
Blog do Paulinho

Bolsonaro tem direito de ofender mulheres para esconder denúncias?

Da FOLHA

Por CELSO ROCHA DE BARROS

Todos os veículos precisam exigir que o TJ-SP reconheça a razão de Patrícia Campos Mello

Nesta semana o Tribunal de Justiça de São Paulo decidirá se Jair Bolsonaro tem o direito de ofender sexualmente uma jornalista que desmascarou seus crimes. Caso decida a favor do criminoso, declarará, ao mesmo tempo, guerra à imprensa e guerra às mulheres brasileiras.

Se eu fosse Jair Bolsonaro, também odiaria Patrícia Campos Mello.

Em primeiro lugar, porque ela é uma mulher que fez o que os bolsonaristas gostam de mentir que teriam coragem de fazer: ela foi à guerra. Patrícia foi enviada especial da Folha na Síria durante a guerra civil, em uma cidade sob ataque do Estado Islâmico. Ou seja, antes de sofrer ataques de Bolsonaro, ela já tinha visto extremistas que odeiam mulheres tanto quanto ele.

Mas o motivo dos ataques de Bolsonaro a Campos Mello tem origem muito clara: ainda durante a campanha de 2018, a jornalista revelou ao país como funcionava o que chamou de “máquina de ódio” bolsonarista: disparos de WhatsApp financiados ilegalmente com notícias falsas sobre os outros candidatos.

Os ataques a Patrícia visavam desqualificar a denúncia desqualificando a denunciante. Quando Bolsonaro atacava Campos Mello, era como se dissesse a seus seguidores “ofendam essa mulher, ofendam-na como vocês jamais ofenderiam uma mulher que vocês conhecem pessoalmente, porque ela descobriu que meus seguidores cometeram crimes”.

Os seguidores obedeceram: são bolsonaristas por causa de situações como essa, em que a obediência lhes tira a responsabilidade de praticar vilezas que eles não teriam coragem de fazer sem uma ordem.

O silêncio da ministra Damares Alves diante do ódio de Bolsonaro às jornalistas mulheres é especialmente vergonhoso. O que ela faria se fosse vítima da mesma mentira que Bolsonaro contou sobre Patrícia Campos Mello?

Mas não foi só sordidez: os bolsonaristas difamam Campos Mello para manipular algoritmos em redes sociais, associando seu nome antes às ofensas de caráter sexual do que à denúncia da máquina do ódio bolsonarista.

Nos últimos anos, todos os ex-aliados de Bolsonaro, de Santos Cruz a Sergio Moro, de Mandetta a João Doria, descobriram o que a esquerda já sabia e a reportagem de Patrícia Campos Mello mostrou em 2018: a máquina do ódio é a essência do modo bolsonarista de fazer política.

Se tivéssemos punido os crimes que Campos Mello denunciou em 2018, Bolsonaro teria caído cedo. Os crimes de Bolsonaro na pandemia, que custaram as vidas de centenas de milhares de brasileiros, não teriam acontecido. Há muitas centenas de milhares de órfãos no Brasil porque Jair Bolsonaro conseguiu abafar as denúncias durante a eleição. Quase todos os brasileiros são mais pobres porque os algoritmos promovem as ofensas ao invés da denúncia.

Por isso, nesta semana, todos os veículos de imprensa, de esquerda ou de direita, mainstream ou alternativos, precisam defender Patrícia Campos Mello e exigir que o Tribunal de Justiça de São Paulo lhe reconheça a razão que ela já tem.

Não é só questão de solidariedade humana básica: trata-se de impedir que um governo autoritário enterre uma denúncia sob uma avalanche de ofensas.

Nesta semana devem votar os desembargadores Silvério da Silva e Theodureto Camargo. Todos contamos que votarão a favor a favor de Patrícia, a favor das mulheres e contra o autoritarismo.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: