Advertisements

Barraco sem igual

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

A guerra surda pelos milhões que a CBF rende passa de quaisquer limites.

Padrinho e afilhado, Marco Polo del Nero e Rogério Caboclo não economizam golpes baixos com a cumplicidade, de um lado e do outro, de gente altamente desqualificada.

É mais ou menos como fazer parte do governo genocida ou defendê-lo: a rara leitora e o raro leitor não encontrarão nem sequer uma pessoa de bem, de caráter, que não esteja apenas pensando em si mesmo dentro da Casa Bandida do Futebol.

Daí a briga não economizar em baixarias e não haver um lado para se torcer.

O ideal seria os dois perderem, o que, aliás, não pode ser descartado —e aí aparece outra notícia ruim: uma eventual terceira via não será melhor porque, para derrotar Nero$Caboclo, é preciso gente ainda pior, que você encontra sem dificuldade entre os vice-presidentes.

Qual, então, a solução?

Sob risco de ser incurso na famigerada Lei de Segurança Nacional, a solução está em chamar o DDDrin, tanto para o Palácio do Planalto e o da Alvorada, em Brasília, quanto para a Casa Bandida do Futebol, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e, depois do serviço feito, começar tudo de novo, do zero.

Porque, é óbvio, quando se olha para quem está no poder no país, como esperar que haja gente melhor no futebol?

O futebol sempre teve os piores, até mesmo nos melhores momentos do país. Imagine agora.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: