Advertisements

Sacanagens, até então ocultas, nos contratos do Corinthians com a Nike (com documentos)

O Blog do Paulinho teve acesso a todos os contratos e aditivos assinados entre Corinthians e Nike desde 2009 até 2014, quando o acordo foi renovado com previsão de término em 2022.

Recentemente, o clube diz ter recebido R$ 25 milhões de luvas para ampliar, em termos semelhantes, o acordo ainda vigente (que já estava prorrogado até 2025).

O novo prazo findará em 2028.

Trata-se de manobra, com consequências (como veremos a seguir), para cobrir dívidas com dinheiro da fabricante, que adianta os valores, descontando-os, porém, do pagamento mensal.

Algumas clausulas são preocupantes.

Existe desde a previsão de rompimento, sem a obrigatoriedade de indenização, se o Corinthians permanecer dois anos sem disputar torneios internacionais, até descontos em pagamentos por desempenhos ruins em campeonatos.

Há também clausulas ‘anti-MSI’, fundo que teve o iraniano Kia Joorabchian como protagonista.

Num dos aditivos, o clube se comprometeu a realizar esforços para desalojar o proprietário da loja ‘Poderoso Timão, localizada no Parque São Jorge, e cedê-la à Nike, sem cobrança de aluguel ou demais despesas, assim como ofereceu espaços na Arena, para o mesmo fim, nas mesmas condições.

A ação, na sede do Timão, só não foi exitosa porque o comerciante resistiu, apesar de ser boicotado no fornecimento de produtos, com a conivência, agora documentada, da diretoria alvinegra.

É possível observar, também, o adiantamento de R$ 60 milhões, costurado por Luis Paulo Rosenberg, para evitar a prisão, por crimes fiscais, de Andres Sanches, André Negão, Raul Corrêa da Silva e Roberto Andrade, todos indiciados, em três ações, no exercício de seus cargos no Corinthians.

Dinheiro que o clube não recuperou.

Os documentos são extensos, escritos em inglês e português, razão pela qual selecionamos os tópicos mais relevantes, que comentaremos a seguir.


CONTRATO ASSINADO EM 2009

No dia 20 de fevereiro de 2009, o Corinthians, através do presidente Andres Sanches, assinou contrato de cinco anos com a Nike, com validade até 31 de dezembro de 2014:

Cláusula nº 11 – valores do contrato

A Nike se comprometeu a pagar R$ 8 milhões anuais ao Corinthians, descontados R$ 11 milhões (do total), adiantados 30 dias após a assinatura do contrato, restando, portanto, a obrigação de R$ 5,8 milhões a cada período.

Além disso, a empresa garantiu pagamento mínimo, anual, de R$ 3 milhões a título de royalties ou 18% das vendas líquidas de produtos licenciados pelo clube – o que fosse maior.

Cláusula nº 16 – letra D – punições por rebaixamento, não qualificações para Copa Libertadores ou má colocação no Brasileirão

O contrato autoriza a Nike a reduzir o valor das parcelas pagas ao Corinthians, inclusive de royalties, nos seguintes casos e proporções:

  • rebaixamento de divisão

Redução de 75% no 1º ano, 75% no segundo e 90% no terceiro

  • não classificação à Copa Libertadores

Se o Corinthians não se classificar para a Libertadores em dois anos consecutivos a Nike reduzirá em 25% o pagamento do contrato

  • má classificação no Brasileirão

Em terminando o Campeonato Brasileiro entre a 11ª e a 15ª colocação, a Nike pagará menos 10% do valor acertado.

Clausula nº 19 – rescisão contratual por desempenho esportivo insatisfatório do Corinthians

A Nike terá direito a rescindir o contrato se o Corinthians, por dois anos consecutivos, não se qualificar para a disputa de um torneio internacional.

Poderá fazê-lo, também, se o clube deixar de disputar a primeira divisão do Brasileirão.

Em ocorrendo o rompimento pelos motivos expostos, o Corinthians não terá direito a indenização.

Clausulas ANTI-MSI

A Nike, temerosa da notória ligação entre o presidente do Corinthians, Andres Sanches, e o preposto da MSI, Kia Joorabchian, investigado nos EUA por golpes semelhantes aos aplicados pelo Fundo no Timão, fez questão de inserir, em contrato, que o clube assegurou não manter relações com os supostos lavadores de dinheiro da Máfia Russa.

As advertências estão expostas na 1ª página (introdução);

E na Cláusula nº 30, nomeada ‘garantias adicionais’, em que, além de reiterar a inexistência de vínculo com a MSI, considera como quitadas quaisquer obrigações da Nike assinadas com o clube enquanto parceiro da ORCRIM:

Cláusula nº 5 – Nike impede patrocínio de bebidas alcoólicas e marcas de cigarro na camisa do Corinthians

Cláusula nº 6 – Nike se compromete, anualmente, a repassar R$ 4 milhões (preço de varejo) em produtos para abastecimento das equipes de futebol e outros esportes do Corinthians

Cláusula nº 10 – um amistoso por ano com toda a arrecadação embolsada pela Nike

Corinthians é obrigado a jogar um amistoso por ano contra adversário escolhido pela Nike, em qualquer lugar do mundo, com a participação mínima de seis titulares.

Toda a arrecadação será destinada à empresa: bilheteria, direitos de transmissão, patrocínios, etc.

O Corinthians tem jogado, nos EUA, o Flórida Cup, além de ter disputado amistosos no exterior com o time Sub-23, porém, apresentado, indevidamente (nos países em que as partidas se realizam) como se fosse a equipe principal.


ADITIVO CONSTRATUAL ASSINADO EM 2012

No dia 10 de dezembro de 2012, o Corinthians, através do presidente Mario Gobbi e do vice Luis Paulo Rosenberg, assinou extensão do contrato com a Nike, que findaria em até 31 de dezembro de 2014, para o final de 2022.

O objetivo era obter, rapidamente, adiantamento de R$ 60 milhões para evitar a prisão de quatro dirigentes, indiciados, criminalmente, em três ações por sonegações fiscais e apropriações indébitas, no exercício de seus cargos no Parque São Jorge.

Eram eles: Andres Sanches, Roberto Andrade, Raul Corrêa da Silva e André Negão.

Por conta da necessidade, a Nike conseguiu impor exigências, digamos, pouco éticas ao acordo.

Entre as quais tomar, ‘na mão grande’, com ajuda do Corinthians, a loja ‘Poderoso Timão, localizada em Parque São Jorge.

Todas as clausulas anteriores foram mantidas, excetuando-se as destacadas abaixo:

Letra A – adiantamento de R$ 60 milhões para evitar prisões de cartolas

Corinthians e Nike estabelecem adiantamento de R$ 60 milhões, utilizados pelo clube para salvar cartolas da possibilidade de prisão, nos seguintes termos:

  • R$ 30 milhões tratados como ‘bônus de assinatura’;
  • R$ 15 milhões sobre o valor total do contrato;
  • R$ 15 milhões em adiantamentos de royalties

O clube, porém, segundo o Item nº 36, teria que devolver valores que excedam os recebíveis do contrato, somando-se o pagamento principal com os royalties:

Item nº 17 – Corinthians paga comissão à Nike

A partir de 2013, o Corinthians passou a pagar à Nike 25% do lucro líquido obtido com artigos tratados como ‘de torcedores’, ou seja, uniformes não oficiais e comemorativos com símbolo do clube e da fabricante.

Itens nº 24 e 25 – royalties e remuneração anual

A Nike pagará US$ 7,5 milhões anuais ao Corinthians além de garantir US$ 1,5 milhão, por ano, em royalties, ou 13% sobre as vendas líquidas (no contrato original eram 18%)

Item nº 28 – bônus por desempenho

A partir deste aditivo, a Nike passou a pagar bônus por títulos conquistados pelo Corinthians:

  • US$ 500 mil – Mundial de Clubes;
  • US$ 200 mil – Libertadores;
  • US$ 75 mil Brasileiro;
  • US$ 50 mil Sul-americana
  • US$ 50 mil Recopa
  • US$ 50 mil Copa do Brasil
  • US$ 50 mil Paulista

Nos últimos anos, a Nike ‘economizou’ esses pagamentos.

Item nº 29 – redução de pagamento por desempenho esportivo insatisfatório

Corinthians e Nike acertaram novos percentuais de redução de pagamentos do contrato em caso de desempenho esportivo insatisfatório do clube:

  • Menos 20% no 1º ano de Série B;
  • 50% no segundo ano de Série B;
  • 75% nos terceiros anos e subsequentes de Série B

(vale relembrar que, independentemente dessas definições, a Nike, contratualmente, se dá o direito de romper o contrato no primeiro dia de rebaixamento do Corinthians, sem a necessidade de indenizar o clube)

  • 75% na Série C
  • 100% na Série D

Se o Corinthians terminar o Brasileirão abaixo da 10ª colocação o contrato será reduzido em 5%

Item nº 42 – camarote VIP, Viagens e Estadias de Hotéis pagas a dirigentes da Nike

A Nike inseriu nesse aditivo – não constava no contrato inicial – a obrigatoriedade do Corinthians ceder um Camarote VIP com cinco vagas de estacionamento no estádio de Itaquera, além do pagamento de viagem, hotel e demais despesas de um representante da empresa em partidas do Timão fora de São Paulo.

Anexo contratual – ardil contra a loja ‘Poderoso Timão’ no Parque São Jorge e vantagens para a Nike no estádio de Itaquera

No anexo ‘C’ do Aditivo Contratual, o Corinthians concedeu exclusividade, sem cobrança de aluguel ou qualquer taxa, para a Nike operar as lojas ‘Poderoso Timão’, uma delas localizada no Parque São Jorge e duas no estádio de Itaquera.

Até o momento, o Corinthians não conseguiu cumprir o acordo, por conta da resistência do proprietário do negócio localizado na sede alvinegra, que recusa-se a sair do local apesar de sofrer boicotes diversos das fornecedoras (Nike inclusive).

Dentre as empresas que pressionam a loja alvinegra está a SPR, ligada a Luis Paulo Rosenberg – que assinou o acordo como vice do Timão.

O atual gestor do estádio, Caio Campos, era CEO da empresa à época.

Sem consentimento do proprietário, o Corinthians comprometeu-se a pressionar pela tomada do ‘ponto’ e cedê-lo à Nike até 01 de outubro de 2015.

A cada mês além do prazo de entrega da loja prometido pelo Timão, e não cumprido, a empresa poderia descontar, a título de penalidade, ‘25% da parcela anual do clube no lucro dividido pago pela Nike’.

É o caso.

A diretoria do Corinthians, além de esconder essa cláusula dos conselheiros, nunca prestou conta do montante, em tese, descontado pela lamentável promessa desonrada.

 

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: