Advertisements

Com a corda no pescoço, general Pesadello tenta provar que vai trazer vacina

Da FOLHA

Por VINICIUS TORRES FREIRE

Prefeitos pedem a cabeça de Pazuello, governadores cobram vacinas e UTIs

A Confederação Nacional dos Municípios pediu a cabeça de Eduardo Pazuello, ainda aboletado no Ministério da Saúde. A Frente Nacional de Prefeitos diz que o governo de Jair Bolsonaro é culpado pela falta de vacinas e ainda se perde com coisas como decretos de armas e “pauta de costumes”.

Nesta quarta-feira (17), governadores têm reunião com o general Pesadello (João Doria não vai). Vão cobrar o cronograma de entrega de vacinas até abril, dinheiro para pagamento de leitos de UTIs e fazer pressão para que se aprove a fabricação da vacina russa no Brasil. Pesadello está pela hora da morte, que sempre foi o seu tempo.

A vacinação vai parando, por falta de doses. Vai andando o inquérito do Supremo sobre Pesadello. Vidas, a economia e o prestígio de Jair Bolsonaro vão depender da política e de alguma esperteza do governo nas próximas semanas.

Governadores são bem mais próximos de senadores do que os deputados. Vários estão como medo do que vai acontecer com sua fama caso a vacinação seja interrompida, como deve ser, nos próximos dias.

Há no Senado um pedido de CPI para investigar o desastre o Pazuello, um grosseirão autoritário, intelectualmente limitado e incapaz de administrar um almoxarifado de arruelas. Se Pazuello fugir da casinha, como de costume, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado, poderá ter mais dificuldade de segurar a CPI –nesta quinta (18) deve haver reunião decisiva de senadores.

Embora CPIs sejam cada vez mais fracassadas, sabotadas ou de algum modo inócuas, são sempre um risco. No caso da incompetência criminosa da Saúde, o problema espirra em Bolsonaro, pois Pazuello é um capacho do presidente.

Dois senadores sem amor algum pelo governo dizem que Pazuello pode ajudar a adiar a CPI. Precisa demonstrar pelo menos uma vez capacidade de conversar, de conter suas grosserias de caserna. Contidas as patadas, teria de provar que virão regularmente insumos da China para fabricar mais vacinas e resolver o financiamento de UTIs.

Mesmo com a sua inteligência escassa, Pazuello poderia ganhar tempo para mostrar que seu cronograma de vacinas pode funcionar (e fazê-lo funcionar). Um calendário baseado em possibilidades de produção do Butantan e da Fiocruz, além de doses da Covax, indica que até março poderiam ser vacinados pouco mais de 31 milhões de pessoas. Até abril, 51 milhões. Até maio, 68 milhões. Seria uma mudança de jogo: a imunização de grupos em que morrem 89% das vítimas de Covid-19. No entanto, por ora chegaram apenas doses para vacinar 15 milhões (foram aplicadas ou podem ser fabricadas com material já entregue ao país).

Se Pesadello fizesse algo que prestasse na vida, conseguiria trazer outras 30,4 milhões de doses até maio, suficientes para vacinar pouco mais de 14 milhões. Mas não se sabe se a negociação dessas vacinas da Rússia e da Índia é mera fantasia do almoxarifado militar da Saúde. Pior, ainda não entendemos bem o que bloqueou ou pode bloquear a remessa de mais insumos da China para o Butantan e Fiocruz.

Variantes talvez muito perigosas do coronavírus se espalham pelo país sem que tenhamos testes para identificá-las, rastreá-las e entender o seu perigo: sua pestilência, capacidade de matar ou de driblar vacinas.

Estamos entre a possibilidade de vacinação em massa para grupos mais sujeitos a morrer de Covid-19 e o risco de um desastre ainda maior até abril. É uma corrida de morte entre a vacinação e a ameaça de uma nova onda monstruosa de epidemia.

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “Com a corda no pescoço, general Pesadello tenta provar que vai trazer vacina

  1. Jose Ricardo

    O militante anti-bolsonarista, que se diz jornalista, assim como prefeitos e governadores opositores bem sabem que o problema da falta de vacinas não é o Pazuello e sim a falta mundial de vacina pra covid. Pra se ter uma ideia, nos Estados Unidos, que já vacinou 39% da população e têm várias fábricas da Pfeizer exclusivas pra produzir vacinas pra eles, tá faltando vacinas, porque que no Brasil, que depende de insumos da China e Índia pra produzir as vacinas, elas não faltariam? Tudo isso não passa de uma tática de criar factoides políticos a fim de desgastar o governo, já que a chance de haver impeachment do Bolsonaro ou CPI no Congresso são muitíssimo menores que a do São Paulo ser campeão brasileiro. Detalhe, como o presidente dos Estados Unidos é Biden, a mídia mainstream diz não há culpados pela falta de vacinas, mas se na presidência estivesse Trump ou outro republicano, certamente a mídia mainstream estaria os culpando por falta de planejamento, chamando-os de genocidas ao associá-los as mortes, enquanto o verdadeiro culpado pela disseminação do vírus é poupado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: