Advertisements

Coluna do Fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.br Email: caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Pessoas sem firmeza de caráter gostam de culpar o destino. Isto as alivia da necessidade de fazer valer sua própria vontade e de assumir a responsabilidade das coisas”

Ivan Turgueniev- foi um dos mais importantes romancistas e dramaturgos russos

——————————————————–

Aclarando a diretoria SAFESP, associados e intrusos

Maioria dos árbitros de minha época tornaram-se sócios fundadores da entidade, elegendo José Astolfi e diretoria para nos representar junto a FPF e demais setores públicos/privado.

Não

Cabe a nenhum dos então dirigentes bater no peito intitulando-se acima, porquanto: estávamos no mesmo plano.

De

Lá pra cá ocorreram diversas eleições, prevalecendo, os famigerados hipócritas e beijadores das imundas mãos dos dirigentes e integrantes da politica, justiça e por ai vai; objetivando abiscoitarem vantagens em detrimento do conjunto associativo federado ou amador.

Referente

A inscrição dos componentes das chapas litigantes no processo eleitoral SAFESP 2019; fiquei sabendo que dias antes da data definitiva, o associado Renato Canadinho houvera renunciado o cargo de presidente da: Associação dos Árbitros de Piracicaba e Região-AAPR.

Eleição SAFESP

Consagrou a chapa comandada por Aurélio Santa Anna Martins, letrado jurista, tendo na vice-presidência Regildenia de Holanda Moura, com a promessa de moralizar os desígnios da entidade e contratar auditoria independente para varredura nas administrações Arthur Alves Junior.

Desmentindo

O palavreado da moralização apregoado pela dupla Aurélio/Regildenia; na semana passada publicamos representação apresentada na 23ª DP- Perdizes, assinada pelo presidente “licenciado” Aurélio Sant Anna Martins, seguido da escala da Regildenia de Holanda Moura em jogo da categoria profissional.

Prosseguindo

Com seu descaso para com o estatuto e regimento eleitoral, idem para os associados, segue escalas da vice-presidente SAFESP nos jogos CBF:

Providos

De antipatia e inveja para com desempenho da diretoria AAPR comandada por Renato Canadinho (que não conheço pessoalmente), alguns duvidam que haja renunciado vez que: retornou à presidência da AAPR no início do ano 2020.

Como sempre

Jogando limpo, procurei informação que justificasse o acontecido;

Resposta

Renato Canadinho renunciou ao seu cargo de presidente na AAPR para a disputa das eleições do SAFESP, desde então passou a ser associado tão-somente.

Após

Pedido da licença AAPR entrou em seu tradicional recesso em dezembro, devido término dos jogos e retornou em reunião de Diretoria na primeira semana de fevereiro,

Onde

O Presidente Laércio Soares comunicou a todos que em virtude da época de férias coletivas, a renuncia do Renato não tinha ainda sido registrada em cartório e sugeriu ignorar internamente o documento, submetendo a decisão a Assembleia Geral, órgão máximo da administração da Associação e

Houve

Unanimidade dos diretores neste procedimento e assim foi feito, por aclamação de todos, Renato Canadinho foi reconduzido ao seu posto de Presidente da AAPR e registrando-se ainda a nulidade do documento.

Concluindo

Associados SAFESP que votaram na atual diretoria. Expressem vossa independência e caráter, assumindo coragem para exigir que Aurélio/Regildenia e diretoria, cumpram com o prometido,

Não

O fazendo! Que renunciem.

—————————————————————

5ª Rodada da Série A Brasileirão – 2020

Domingo 23/08

Flamengo 1 x 1 Botafogo

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

VAR

Jean Pierre Goncalves Lima (RS)

Item Técnico

1º – Acertou por ter apontado o toque da mão na bola praticado pelo flamenguista Bruno Henrique,

No

Lance que um dos seus consortes mandou a bola profundo da rede

2º – Bruno Henrique chutou a bola na direção da meta botafoguense, no trajeto o botafoguense Benevenuto abriu o cotovelo e desviou a redonda;

VAR

Ouvido, Vuaden caminhou até o monitor, voltou apontando corretamente a penalidade máxima, batida por Gabigol, empatando 1 x 1.

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 3 para flamenguistas e 3 para botafoguenses

Palmeiras 2 x 1 Santos

Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)

VAR

Jose Claudio Rocha Filho (SP)

Item Técnico/ Disciplinar

Desta refrega vi o teipe de dois lances que entendi acertos do árbitro

1º- Foi correto por ter ouvido o VAR, indo ao monitor, voltando e marcado a penalidade máxima cometida por Alison que estava na barreira, e, depois de batida da falta, abriu o cotovelo do braço esquerdo para mudar a trajetória da redonda

Penalidade

Batida por Luiz Adriano convertida no primeiro gol alviverde

2º – Acerto na marcação da posição de impedimento no momento que Gabriel Menino chutou a redonda profundo da rede santista

Quarta Feira 26/08

Corinthians 1×1 Fortaleza

Árbitro: Rodolpho Toski Marques (FIFA-PR)

VAR

José Mendonça da Silva Junior (PR)

Item Técnico

Trabalho aceitável dos representantes das leis do jogo; joguinho ruim de assistir

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 02 para defensores do Fortaleza

————————————————————

Tributo ao futebol da várzea e seus clubes históricos

Clube de Campo Associação Atlética Guapira

Codinome: Leão da Zona Norte, Guapira do Jaçanã

Estádio Aníbal de Freitas. Capacidade para 7.000 mil pessoas

Fundação

Em 20 de outubro de 1918, por moradores do então bairro de Guapira (atual Jaçanã), na zona norte paulistana e de funcionários da Vidraria Lupatelli (maior empresa local, na época) que queriam formar uma equipe de futebol.

À

Luz de um lampião, a fundação oficial se deu na Escola Mista Guapira.

Voltado

Ao futebol desde sempre, o Guapira escolheu para seu uniforme as cores azul e branca. O futebol faz parte da história da entidade, desde o seu início. Tornou-se tradicional nesse esporte.

Fundadores da A.A. Guapira:

Cândido José Rodrigues, João Favari, Valentim Mutschelli, Mario Pinheiro, Antonio Romeu Soares, Ernesto Buono, Elias Chistone, Alcíbio Pinto Barbosa, José Cursino da Cruz, Luiz da Costa, José da Costa, Primo Corsini, João Bento Rodrigues, Capitão Antonio Joaquim Nascimento, José Marcondes, Milton Morais Salgado, Damásio da Silva, Lúcio da Silva, João Teixeira de Barros, Antonio Matatudo, José Gonçalves e Francisco Pinto.

Em

1964 o clube passou a chamar-se Clube de Campo, em lugar de A.A. Guapira, pois a intenção de seus dirigentes era levar a entidade para o sopé da “Serra da Cantareira”, através da venda de títulos patrimoniais.

No

Decorrer de sua história disputou competições amadoras e sagrou-se três vezes campeão amador da cidade de São Paulo (em 1958, 1960 e 1964).

Entrou

Para o profissionalismo em 1982, tendo disputado torneios oficiais do futebol paulista até 2002. Nesse período, o clube conquistou, de forma invicta, o Campeonato Paulista da Série B2 (quinta divisão) de 1998, e foi vice-campeão do Paulista da Terceira Divisão (quarto nível do futebol do estado) de 1989.

Atualmente

O departamento de futebol profissional encontra-se fechado, dedicando-se apenas a competições amadoras, porém a volta do futebol profissional e das categorias de base não está descartada, desde que surja alguma parceria disposta a patrocinar os custos.

Títulos

– Liga Riachuelo – Zona Norte SP/SP: Ano 1935

– Liga Riachuelo – Sub Divisão ZN/SP/SP: Ano 1945

– Campeão Amador da capital do estado de São Paulo nos anos: 1958, 1960 e 1964.

– Campeão Paulista Amador 2º Quadro – FPF – 1957

Ano

1998 disputou o Campeonato Paulista da Série B-2

Esclarecendo

O Campeonato Paulista de Futebol – Série B2 equivalia ao quinto nível do futebol do estado de São Paulo. Acima desta divisão, estão as divisões principais, Série A1, a Série A2, a Série A3 e Série B.

Surgiu

Com o artifício em nomear divisões por séries ou com os termos “intermediária” ou “acesso”. Teve sua última edição em 2004, quando todas as divisões da “Série B” foram fundidas em uma única.

Ressaltando

Dois famosos profissionais defenderam as equipes do C.C. A.A. Guapira;

Futebol de Campo: Júlio César (Goleiro, Corinthians-SP, Náutico-PE, atualmente: defende o Red Bull Bragantino)

Futsal: O extraordinário Falcão

/// /// /// /// /// /// /// /// /// //

Aviso

Senhores dirigentes dos clubes amadores que queiram colaborar com este espaço deixem mensagens no site: http://blogdopaulinho.com.br, ou no whatsapp (11) 98402-3121, deixando número do celular para que eu possa dar retorno (lembrando que não se trata de matéria paga como ocorre noutros locais), ou seja, nada será cobrado, mas sim de conteúdo jornalístico com intenção de imortalizar a rica história das agremiações.

Aviso nº 2

Não deixe de assistir, ao final da Coluna, a versão em vídeo de meus comentários, detalhando assuntos aqui tratados e abordando outros não inseridos na versão escrita.

—————————————————–

Política

Levou, bateu

Bolsonaro prefere a grosseria ao risco de cair em contradição

É da natureza dos ressentidos reagir a questões desagradáveis com agressividade. Quando a essa condição se aliam a falta de educação e a culpa no cartório, a coisa piora. Desanda de vez caso o personagem seja detentor de algum tipo de poder. Enquadra-se no perfil o presidente Jair Bolsonaro, cujo patrimônio nesse aspecto foi herdado por quatro de seus cinco filhos, constantemente.

Esses tipos estão sempre na defensiva, embora tal comportamento não lhes sirva como defesa eficaz. É o caso da aflição do presidente em relação a qualquer coisa que se refira às transações financeiras de Fabrício Queiroz com a família, em particular a reação no modo ogro a uma pertinente pergunta do repórter de O Globo sobre a origem do dinheiro e as razões pelas quais o ex-assessor e a mulher, em prisão domiciliar, depositaram 89 000 reais na conta bancária de Michelle Bolsonaro.

A questionamento semelhante a respeito de outra quantia (24 000 reais) destinada por Queiroz à mulher do presidente e feito ainda antes da posse, Bolsonaro disse que era devolução de um empréstimo de 40 000 reais. Poderia agora ter dito algo parecido, mas o agravamento da situação de lá para cá, com o surgimento de indícios e versões contraditórias, reduziu a margem de manobra.

“A opção pela rispidez tem o objetivo de não abrir flanco aos investigadores das transações da família com Queiroz”

O recurso às desculpas esfarrapadas abre um perigoso espaço para que qualquer coisa dita hoje em dia pelo presidente possa ser desdita por depoimentos, e até possível delação premiada, de Queiroz e Márcia de Aguiar, ou entre em choque com o relato deles. Donde não restou alternativa ao presidente: mandou logo uma grosseria, externando a vontade de encher o repórter de pancadas, coisa que, visão dele, já estava “precificada” no seu arcabouço de imagem.

Melhor que arriscar-se a abrir mais um flanco a ser explorado pelos investigadores dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro originados na prática da divisão de proventos entre funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e o titular do mandato.

Nos dias seguintes discutiu-se se o presidente havia aposentado o estilo comedido adotado a partir da prisão de Queiroz, quando o ponto crucial da questão não é a rispidez presidencial, mas a eficácia do método “levou, bateu”. De início, bem-sucedido, mas sem durabilidade.

Embora não precise responder à pergunta sobre os 89 000 reais enquanto o tema estiver no âmbito da internet e cercanias, Jair Bolsonaro não estará a salvo de fazê-lo em algum momento às instâncias legais competentes. Estas lhe farão indagações tão ou mais embaraçosas na busca de esclarecimentos sobre, por exemplo, a razão da preferência da família pelo uso de dinheiro vivo em detrimento da praticidade de outras operações.

Ou, ainda, quem sabe sobre a autoridade moral de um presidente eleito sob a bandeira do combate à corrupção que mantém relações financeiras com alguém assumidamente adepto das práticas “de rolo” para viver. Nessa hora, não poderá bater. Se não quiser levar a pior.

Dora Kramer: Jornalista – Publicado na Veja – 27/08/2020

———————————————————

Finalizando

“Omitir ou negar a verdade é uma forma sutil de mentir em prol de interesses que não se quer admitir”

Di Castilho: foi um escritor romântico português, polemista e pedagogista, inventor do Método Castilho de leitura

———————————————————–

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-29/08/2020

Confira abaixo o programa “COLUNA DO FIORI”, desta semana.

Nele, o ex-árbitro comenta assuntos, por vezes, distintos do que são colocados nesta versão escrita:

*A coluna é também publicada na pagina http://esporteformigoni.blogspot.com

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: