Advertisements

Os diferentes estamos juntos para atravessar a Terra dos Mortos

Da FOLHA

Por REINALDO AZEVEDO

Para superar esse momento, basta que o parceiro de trajetória defenda a democracia

Nestor Forster, que responde pela embaixada do Brasil em Washington, expressa em telegrama reservado a leitura que faz o Brasil da crise deflagrada nos EUA com o assassinato de George Floyd. O texto, revelado nesta Folha pela sempre competente Patrícia Campos Mello, é uma espécie de boletim do hospício em que nos transformamos. A análise pouco ou nada diz sobre aquele país, mas entrará para a história como um dos emblemas do desastre que vivemos por aqui.

Pesquisas indicam que a maioria dos americanos considera que Donald Trump se comporta mal na resposta à onda de protestos. O republicano George W. Bush e o democrata Barack Obama se solidarizam com o movimento contra o racismo. James Mattis, ex-secretário de Defesa de Trump, diz: “É o primeiro presidente em toda a minha vida que não tenta unir o povo americano nem finge tentar. Em vez disso, ele tenta nos dividir”.

Esqueçam. Essas personalidades nada sabem sobre o próprio país. Há alguém que vê um Trump irrepreensível na crise: Forster! Sua análise pode não credenciá-lo como observador competente dos fatos, mas faz dele um exemplar prosélito de uma causa. A mídia, segundo o diplomata, acusaria um inexistente racismo sistêmico naquele país, em associação com a “cultura da queixa”, promovida pelo Partido Democrata. Ele presta solidariedade a Trump, que enfrentaria uma “obsessiva campanha de mídia contra o chefe do Executivo”.

“Antifa”, diz, busca a “abolição do capitalismo e o esmagamento do fascismo”, mas seu “‘modus operandi’ é caracterizado justamente por atitudes associadas aos movimentos fascistas europeus dos anos 1930 e à selvageria dos movimentos revolucionários em geral, como agressão física, depredações, incêndios e saques”.

Forster põe ainda em dúvida se os negros são mesmo alvos preferencias da polícia e dá destaque a analistas que veem nos protestos uma “onda de ódio” que, “sob o pretexto racial, volta-se, na verdade, contra os valores fundamentais da democracia americana”.

O telegrama não fala sobre os EUA, mas sobre o Brasil. Forster não sai em defesa de Trump, mas de Jair Bolsonaro. Não se trata de uma peça de análise, ancorada nos fatos, na realidade, nos seus possíveis desdobramentos. O que se lê é proselitismo de resistência reacionária ao suposto “mal”, que ou extermina ou é exterminado.

Dizer o quê? Nenhum de nós, creio, contou chegar a esta altura da vida e dos acontecimentos tendo de sobrepor uma clivagem a todas as outras: aquela que distingue a sanidade da insanidade. Por isso se veem tantos desiguais assinando uma mesma petição.

Integro a primeira leva de signatários do manifesto Estamos Juntos, em defesa da democracia e contra a fascistização do poderLula, por exemplo, não quis se misturar com alguns ou com muitos de nós e deixou isso claro sem nem indagar, ao nos passar um sabão, se alguns ou muitos gostaríamos de nos misturar com ele. Que seja bem-sucedido ao cultivar o seu jardim. Não é hora de alargar pinimbas.

O telegrama de Forster nos diz uma vez mais que é preciso operar, agora, no “Modo Básico de Defesa da Sobrevivência”. Basta, para atravessar a terra dos mortos, que o parceiro de trajetória defenda a democracia como valor universal e que esteja comprometido com os direitos humanos. Se o futuro se fará com mais Estado ou com menos, eis um tema para quando recuperarmos a autonomia sobre o que nos divide.

Forster não deve ter reportado ao governo brasileiro que os comandantes militares dos EUA, em carta inequívoca, datada do dia 2, lembram que seu papel é defender a Constituição e seus valores. Mais: destacam que a Guarda Nacional — com a qual Trump ameaçou os manifestantes — está sob o comando dos governadores.

Enquanto alguns dos nossos generais ameaçam o país com golpe e outro sobrevoa a Praça dos Três Poderes com óculos escuros, à moda Pinochet, os que respondem pela maior máquina de guerra da Terra dizem a seu tresloucado presidente, guia genial de Forster e dos insanos de Banânia: é a Constituição que manda nos canhões, não os canhões na Constituição.

Advertisements

Facebook Comments

2 comentários em “Os diferentes estamos juntos para atravessar a Terra dos Mortos”

  1. Esse palhaço desse Bolsonaro já gravou vídeo batendo continência a bandeira americana. Isso é lesa pátria. Como é que um militar faz uma coisa dessas? Deveria pegar cadeia e ser expulso do exército. Esta é a furada que os eleitores nos colocaram.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: