Advertisements

Gabinete do crime

Da FOLHA

Por LAURA CARVALHO

Laissez-faire do governo é o vale-tudo, o deixa rolar, o me engana que eu gosto

Celso Rocha de Barros encerrou sua coluna nesta Folha na segunda-feira (21) com a triste constatação de que “a Lava Jato, até agora, não levou ao poder os honestos. Levou ao poder os malandros que eram insignificantes demais para serem pegos primeiro”.

Operação Os Intocáveis, deflagrada no dia seguinte, pode entristecer ainda mais o colunista: o Ministério Público do Rio de Janeiro determinou a prisão de diversos integrantes da milícia que explora um ramo imobiliário ilegal em Rio das Pedras, na zona oeste da cidade, entre os quais o major da PM Ronald Paulo Alves Pereira e o ex-policial Adriano Magalhães da Nóbrega, suspeitos de comandar o Escritório do Crime —o braço armado da organização.

Até então, os indícios de participação de Flávio Bolsonaro em contravenções se restringiam, de um lado, ao grande número de transações imobiliárias, que levaram ao acúmulo de um patrimônio aparentemente incompatível com seus rendimentos declarados, e, de outro, às movimentações financeiras do ex-PM assessor-motorista-homem de negócios Fabrício Queiroz, consideradas atípicas e sugestivas da prática apelidada de “rachadinha”, com contratação de laranjas na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro).

Com a nova operação, Flávio desceu mais um degrau na proximidade com o crime organizado do Rio. Contrário à homenagem prestada pela Alerj à vereadora assassinada Marielle Franco, dedicou menção honrosa a Ronald Pereira e Adriano da Nóbrega em 2003 e 2004 e concedeu também a Medalha Tiradentes a este último, em 2005.

Além disso, a mãe de Nóbrega, que assim como sua esposa era contratada até novembro de 2018 pelo gabinete de Flávio com salário de R$ 6.490,35, consta como autora de um dos depósitos identificados no relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Curiosamente, Queiroz teria se escondido justamente na favela Rio das Pedras antes de sua internação no Hospital Albert Einstein, segundo Lauro Jardim, do Jornal O Globo.

Em coluna publicada em 18/2/2016, após tratar dos efeitos da Operação Lava Jato e da queda do preço do petróleo para a economia fluminense, destaquei que “a crise tem no Rio o seu epicentro, bem como alguns de seus cavaleiros do Apocalipse, como Eduardo Cunha e Jair Bolsonaro”.

Na conclusão do texto, citei uma frase publicada em 2000 pelo economista Carlos Lessa na introdução de seu livro “O Rio de Todos os Brasis”, que trata da centralidade do Rio de Janeiro no processo de formação do Estado brasileiro e da identidade nacional, com ênfase na longa história da economia do ilícito na cidade: “O Rio é o Brasil, e o futuro do Brasil está comprometido”.

Epicentro da crise econômica e fiscal, dos escândalos de corrupção e da associação enganosa entre esses dois problemas, o Rio foi um dos principais responsáveis pela grande transferência de votos do PT em 2014 para Jair Bolsonaro em 2018.

Ao que parece, contribuiu para exportar para o centro do poder em Brasília alguns novos representantes das redes cariocas de relações econômicas e de poder permeadas pelo ilícito: a milícia e os grupos de extermínio.

E, assim, vai ficando cada vez mais claro que o tipo de “laissez-faire” adotado pelo atual governo não é exatamente aquele que promoveram os fisiocratas franceses do século 18. É o vale-tudo, o deixa rolar, o me engana que eu gosto.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: