Advertisements
Anúncios

Jair Bolsonaro mobilizou Itamaraty para resolver assunto pessoal em 2011

Da FOLHA

Por RUBENS VALENTE E MARINA DIAS

Órgão contatou ex-companheira que viajara com filho do deputado para a Noruega

Telegramas do Itamaraty revelam que, em 2011, durante o governo de Dilma Rousseff (PT), o hoje presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) pressionou o Itamaraty como deputado federal e teve o apoio do órgão para resolver um assunto pessoal.

Em seu site, no tópico sobre “o que nós não podemos fazer por você”, o Itamaraty informa que não pode “interferir em questões de direito privado, como direitos do consumidor ou questões familiares”. Em 2011, contudo, o órgão mobilizou seu setor consular na Noruega a pedido do parlamentar e foi atrás de uma mulher com quem Bolsonaro havia tido um filho.

O episódio se passou em julho de 2011, quando Ana Cristina Valle, mãe que tinha a guarda de Jair Renan, à época com cerca de 12 anos de idade, embarcou com o menino para Oslo, Noruega. Inconformado com a viagem, que teria ocorrido à sua revelia, Bolsonaro abriu uma ação judicial no Rio de Janeiro e procurou o Itamaraty para que o órgão intercedesse em seu favor.

Segundo os telegramas, obtidos por meio da Lei de Acesso com vários trechos ainda cobertos por tarjas pretas, Bolsonaro procurou a assessoria parlamentar do Itamaraty, destinada a atender demandas dos congressistas, e esteve na Sere, unidade do ministério responsável pelo serviço consular.

Bolsonaro “solicitou gestão do Itamaraty para averiguar as condições em que estaria” seu filho, segundo trecho do telegrama.

O documento diz que ele pediu número do telefone do embaixador em Oslo, Carlos Henrique Cardim, e sugeriu “um simples contato da embaixada” com alguém, provável referência a Ana Cristina.

A mulher foi de fato procurada pelo vice-cônsul em Oslo —segundo Ana Cristina, seu marido norueguês é que recebeu a ligação telefônica. O gesto demandou explicações do vice-cônsul, que depois escreveu em telegrama que o norueguês “pareceu compreender que o contato foi feito à luz do princípio da impessoalidade”.

Localizado pela Folha, Cardim confirmou ter sido procurado por Bolsonaro por telefone a respeito do paradeiro do filho.

Ele disse que repassou ao deputado os contatos do chefe do setor consular da embaixada para que o acionasse a fim de obter informações sobre legislação dos dois países, e não mais que isso.

Segundo Cardim, a praxe é apenas “ouvir o que ele [brasileiro] vai dizer, explicar a situação, que leis existem na Noruega sobre o assunto e as leis brasileiras. […] O consulado não sai atrás das pessoas, as pessoas vão até o consulado”.

O ex-embaixador, que naqueles mesmos dias entrou em férias e viajou ao Brasil, disse não se recordar de alguém do Itamaraty ter ido ao encontro de Ana.

“O Itamaraty não vai entrar em assunto pessoal, seria uma violência até, compreende, o Itamaraty dizer o que tem que ser. O trabalho consular é um trabalho de apoio aos brasileiros no exterior.”

Folha ouviu dois especialistas em direito consular. Falando em tese, sem conhecer o caso concreto, um disse que o Itamaraty não pode procurar pessoas sobre assuntos pessoais no exterior; outro considerou a ação legal e inserida nas atribuições do órgão.

Localizada por telefone na sexta-feira (21), Ana Cristina, hoje candidata a deputada federal com o nome Cristina Bolsonaro (PODE-RJ), disse que seu marido foi procurado pelo serviço diplomático brasileiro com o objetivo de que ela regressasse ao Brasil.

Ela explicou a divergência com Bolsonaro na época: “A briga foi que ele [Bolsonaro] não queria nem que o menino passasse férias comigo lá. O menino sentia a minha falta, ‘mãe, eu quero ir com você’. Eu fiz o que meu filho pediu, levei. Depois eu comuniquei [a viagem]”. Ela disse que ficou com o filho na Noruega não mais que 20 dias.

Por lei, ela precisaria de autorização do pai para viajar com o filho —questionada, ela não comenta detalhes de como conseguiu viajar.

Ana afirma considerar o episódio totalmente superado. “Foi uma pressão que fez. Mas é uma questão de pai, de foro íntimo, entendeu, de família mesmo. Eu achava que ele nem deveria ter feito isso, mas se ele fez… E depois acabou tudo bem, ele tirou a ação e ficou tudo bem.”

“É coisa de pai, que eu respeito ele, porque ele tem um amor fora do comum pelos filhos”, afirmou Ana.

“Nós dois nos damos bem. Nosso filho é a nossa prioridade e não tem problema nenhum [no relacionamento], faço campanha para ele aqui. Quero que ele chegue, torço para que ele melhore e chegue à Presidência da República no primeiro turno.”

OUTRO LADO

Em nota, o Itamaraty reafirmou que o serviço consular “não interfere em questões familiares”. “Limita-se a informar e a orientar as partes sobre questões jurídicas aplicáveis.” Afirmou também que não comenta questões específicas envolvendo brasileiros no exterior em razão do direito à privacidade.

Disse ainda que uma de suas principais atribuições é “prestar assistência aos nacionais brasileiros no exterior, dentro dos limites permitidos pelo direito internacional, como prevê a Convenção de Viena”.

Procurada, a assessoria de Bolsonaro não respondeu aos questionamentos até a conclusão desta reportagem. O candidato está internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, após ter sido esfaqueado no último dia 6.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: