Em conluio, Paulo Garcia lança candidatura no Corinthians com mesmo assessor de Andres Sanches

Andres Sanches, Fernando Garcia e Paulo Garcia

Paulo Garcia, dono da Kalunga, fez chegar à imprensa que lançará, no próximo dia 19, sua candidatura à presidência do Corinthians, tendo como vices dois diretores da atual gestão, o financeiro Emerson Piovesan e o de futebol, Flavio Adauto.

Trata-se de conluio, acertado durante a semana, com o deputado federal Andres Sanches, com objetivo de retirar votos da oposição.

Para convencer Garcia, com quem havia se desentendido semanas atrás, a entrar na disputa, o parlamentar prometeu-lhe cargos importantes se a “Renovação e Transparência” vencer as eleições.

Repete-se o acordo que impediu o impeachment de Roberto Andrade, quando o empresário amealhou quatro posições na atual gestão (financeiro, futebol, marketing e assessoria da presidência).

A dupla, porém, que pretende ocultar a relação, cometeu deslize que deixou clara a aproximação:

  • tanto Andres Sanches quanto Paulo Garcia utilizaram-se do mesmo assessor, Olivério Junior, que também é agente de jogadores, para comunicar à imprensa suas candidaturas:

No ínício do mês, Paulo Garcia foi flagrado comprando votos nas eleições do Corinthians, por intermédio de seu funcionário, na Kalunga, Antonio Rachid (que, no Timão, é assessor do presidente Roberto Andrade), e não negou a operação- até por conta das provas (áudios e mensagem de whatsapp).

Existem, também, procedimentos notórios que aproximam-no do atual grupo gestor, entre os quais os financiamentos de campanhas ao parlamento, de Andres Sanches (R$ 650 mil), e a vereador do vice-presidente André Negão (R$ 150 mil), além da explicita participação de seu irmão, Fernando, no fatiamento de atletas do clube, e que, por razões evidentes, tem interesse em manter as coisas como estão.

Preservar os negócios da família Garcia no Corinthians, altamente lucrativos, foi primordial para a decisão desta manobra política.

Levando-se em consideração as recentes pesquisas, circulantes no Parque São Jorge, que colocam o dono da Kalunga afastado do eleitor da oposição, é lícito supor que, no contexto do mar de lama que cerca os bastidores do pleito alvinegro, a única maneira de Paulo Garcia retirar votos adversários seria, em troca de apoio, oferecer vantagens financeiras, que o próprio admitiu, em entrevistas, ser capaz de fazer.

A coletiva de lançamento da “candidatura’ de Paulo Garcia está marcada para o próximo dia 18, às 11h, no hotel Emiliano, tempo de sobra para que a Comissão Eleitoral do clube decida o que fazer com o empresário, réu confesso de comportamento passível, segundo o Estatuto do Corinthians, de grave penalização.

Vale a pena escutar, novamente, Antonio Rachid, assessor do presidente Roberto Andrade, comprando votos de associados do Corinthians para Paulo Garcia:

Abaixo, mensagem de whatsapp enviada pelo próprio Paulo Garcia propondo pagar pelos votos de eleitores alvinegros:

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Esta entrada foi publicada em Sem-categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Em conluio, Paulo Garcia lança candidatura no Corinthians com mesmo assessor de Andres Sanches

  1. que sujeirada. o dono da maior papelaria do brasil se juntando com mafioso. tem interesse nisso claro. tao mais preocupado com as negociata. infelizmente citadine nao tem casca grossa pra enfrentar esses caras. e vamos viver mais alguns anos de espanhol mafioso da vila dos remedio no corinthians.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.