Caso Pablo escancara pequenez de Flávio Adauto no Corinthians

“Estou muito triste. O que está acontecendo comigo agora pode vir a acontecer com qualquer outro jogador do Corinthians no futuro. E isso é lamentável”

(PABLO, zagueiro heptacampeão brasileiro pelo Corinthians)


O zagueiro Pablo e o Corinthians não chegaram a acordo de renovação de contrato, portanto o atleta está, desde já, livre para assinar com outra equipe em 2018.

É assim que funciona o futebol profissional.

Passionais, parte menos inteligente dos torcedores do clube, fomentadas por pessoas contratadas para promover o caos, invadiram redes sociais para detonar o jogador.

Acovardados, dirigentes alvinegros, com a conivência de Flávio Adauto, decidiram impedir que o jogador dispute, hoje, a partida festiva contra o Atlético/MG, ocasião em que todos os heptacampeões brasileiros receberão homenagens e levantarão o troféu do campeonato.

Pablo foi absolutamente decisivo para a conquista.

Vale lembrar que o contrato do zagueiro termina apenas no dia 31 de dezembro, ou seja, mais um mês, período em que receberá salários, dinheiro que sairá dos cofres do clube e não do bolso de Flávio Adauto, um dos que proibiram o atleta de jogar pelo Timão até o final do ano.

O Corinthians, enorme a ponto de vencer campeonatos mesmo em períodos em que é saqueado por bandidos, não merece a pequenez de cartolas capazes de injustiçar um profissional, em prejuízo do clube, para não desagradar odiadores de internet.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Esta entrada foi publicada em Sem-categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas para Caso Pablo escancara pequenez de Flávio Adauto no Corinthians

  1. O Pablo pediu só isso: Luvas: 4 a 5 milhões de reais, parcela única na assinatura do contrato. Empresário: 1,3 a 2 milhões de reais. Salário: de 550 a 600 mil reais. Contrato de 48 meses. Valores “baixos” para um zagueiro

    Paulinho: E dai ? Cada um pede o que acha que vale… o que tem q ver o negócio com a comemoração do título ? Jogador é profissional, não torcedor… nenhum jogador é obrigado a ser corinthiano para jogar no time… é pago para fazê-lo

  2. Não foi só isso que o Everton Amorim escreveu. O empresário do Pablo foi visto conversando com gente do Flamengo e Palmeiras. Na verdade, acredito que eles estavam fazendo leilão. E eles preferiram evitar que o jogador fosse xingado e vaiado pela torcida. Foi o próprio jogador quem deu várias entrevistas dizendo que estavam 99,9% com o contrato assinado. Um jogador que era desconhecido antes de jogar no Corinthians, diga-se de passagem.

  3. Paulo Ribeiro disse:

    A pedida absurda foi feita para que fosse recusada, ele já estava fechado com o Flamengo. Na minha opinião o Corinthians agiu bem, o atleta que esperasse o ultimo jogo para então negociar com outro clube.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.