Portuguesa, São Paulo e o esgoto da Sabesp

esgoto

A FOLHA de hoje revela que, em meio a diversos imóveis, a sede da Portuguesa (incluindo o estádio do Canindé) não possui ligação com a rede de esgoto da SABESP.

Trata-se de uma irregularidade grave, que prejudica a toda população.

Os presidentes anteriores da Lusa precisam ser responsabilizados, já que não há como alegar desconhecimento levando-se em consideração que os dejetos do clube, certamente, eram jogados, de maneira criminosa, em terrenos ou córregos abandonados.

Recentemente, em 2008, somente após a iniciativa de uma Ação Popular de ONGs de moradores do Morumbi, a MMT e a SAVIAH, o São Paulo, que despejava seu esgoto (também irregular) no córrego ao lado do estádio, regularizou sua situação.

Ainda assim, corre na Justiça outra ação contra o clube, cobrando 38 anos de calote na SABESP por conta da omissão de seus comandantes:

Nova Ação Pública exige que São Paulo pague 38 anos de “calote” em esgoto

A Lusa, que coleciona problemas graves oriundos de incompetência administrativa, e alguma malandragem, deve, o quanto antes, procurar a solução para mais este desvio de conduta.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.