Advertisements
Anúncios

65,5% dos colégios da rede pública de ensino não têm quadras esportivas

quadra

Da FOLHA

Por MARILIZ PEREIRA JORGE

Você sentiu-se inspirado a fazer algum esporte por causa dos Jogos Olímpicos? Talvez seus filhos tenham pedido para praticar judô ou natação, afinal é natural que o espírito olímpico tenha causado algum efeito imediato nas pessoas.

É muito cedo para avaliar se o incentivo à prática esportiva será um dos legados da Rio-2016. Mesmo o aumento na procura de atividades físicas nessa época do ano, verificado em academias e clubes, não pode ser considerado efeito imediato da Olimpíada. Em geral, setembro e outubro são meses em que as pessoas se preocupam em ficar em forma para o verão.

Mas um dos pontos do projeto que pretende mudar a educação no país virou uma enorme polêmica porque envolve o fim da obrigatoriedade da disciplina de educação física. Muitas pessoas contestam a decisão. Logo após a Olimpíada? Justamente num momento em que a obesidade já é considerada problema de saúde pública no Brasil.

São questões pertinentes, mas precisamos olhar com objetividade o problema e avaliar se temos soluções eficientes. Sobre o legado, vamos pegar o exemplo mais recente, Londres. Terminados os Jogos, um levantamento pedido pela BBC mostrava impacto positivo no comportamento dos moradores do Reino Unido. Inspirados pelo espírito olímpico, 11% disseram que estavam mais ativos. O número era ainda mais alto entre pessoas de 18 a 24 anos, 24% a mais de praticantes de esporte.

No entanto, outro estudo feito entre outubro de 2012 e abril de 2013 mostrava uma queda significativa do número de praticantes justamente entre os jovens. Muitos pesquisadores dizem que a oscilação acontece porque o entusiasmo é passageiro. Adrian Bauman, da Universidade de Sydney, por exemplo, analisou os Jogos de verão e de inverno desde a Olimpíada na Austrália, em 2000, e afirma que não há “efeitos significativos” no engajamento da população das cidades-sede em atividades físicas.

Não sabemos ainda se os espaços esportivos construídos para a Rio-2016 servirão de fato à população, o que seria o primeiro passo, criar condições para que crianças e adolescente se interessem pelo esporte. É aí que entra a questão polêmica do fim da obrigatoriedade da disciplina de educação física nas escolas.

Apesar da obrigatoriedade, a maioria dos alunos não encontra os meios necessários para a prática. É chocante saber que 65,5% dos colégios da rede pública de ensino não têm quadras esportivas, seis em cada dez unidades, segundo dados do Censo Escolar 2015.

No Rio de Janeiro, sede dos Jogos, o índice é de 48,5%.

Acre e Maranhão são os Estados com a pior situação, 90% das escolas do ensino básico não tem um único espaço para prática de atividade física. É um número escandaloso de crianças privadas da opção de praticar uma atividade que hoje é obrigatória no currículo escolar. As escolas fingem que dão as aulas, os alunos fingem que praticam.

Se incentivar a prática de atividades físicas era um dos legados da Rio-2016, já começamos mal. Para a maioria das crianças que frequenta escola pública a pergunta é: praticar onde? A questão da obrigatoriedade da educação física precisa ir além do ser a favor ou contra, temos que saber como hoje ela é feita, e o que de fato precisa ser mudado para que seja eficiente.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: