Advertisements
Anúncios

Alexandre de Moraes é um ator despudorado

alexandre-de-morais

Da FOLHA

Por MARIO SÉRGIO CONTI

Desde que Alexandre de Moraes posou para um vídeo ceifando pés de maconha com uma peixeira, se sabe que ele é um ator despudorado. Vestido de preto da careca às botas, brandindo o facão para lá e para cá, o titular do ministério mais antigo, o da Justiça, criado antes da Independência, virou um astro da política da noite para o dia.

O audaz ataque se deu numa plantação na fronteira paraguaia. Foi um comercial corriqueiro, daqueles no qual um político simula enfrentar os problemas sob a sua alçada. Como quando o
ministro da Saúde vai a hospitais, ou o da Educação a escolas. Encenar uma armação num cenário real é um clichê que, de tão reiterado, ficou inócuo.

O inédito no desempenho de Moraes foi a sua garra eletrizante. Ele se inspirou em Bruce Willis, no tipo que arregaça as mangas e parte para a ignorância. Como os arbustos de maconha se acovardaram diante da sua arremetida furiosa, a encenação ficou canhestra. Mas o recado foi dado: Alexandrão está de peixeira em punho, não mexam com ele.

Em março, o modelito másculo fora o mesmo. Ainda secretário da Segurança de Geraldo Alckmin, Moraes foi a um ato pela derrubada de Dilma na avenida Paulista. O protesto se arrastava havia 18 horas, mas ele não foi lá zelar pelo sacrossanto direito dos motoristas (que pagam impostos!) ao engarrafamento, cláusula pétrea do programa tucano.

Queria pegar carona na onda contra o PT. Com o terno lustroso, seu figurino clássico em entrevistas, deitou falação na frente da Fiesp para câmeras e microfones. O seu oportunismo foi captado de imediato. Veio o grito “aproveitador!”, seguido de vaias e de “ladrão!” Os apupos se tornaram belicosos. O que fez Moraes? Espelhou-se em John Malkovich.

Foi uma atuação soberba. Protegido por meia dúzia de meganhas, ele adotou um andar melífluo —não tão lento que parecesse provocação, nem tão rápido que evidenciasse a fuga. O seu semblante transmitia toda uma paleta de emoções contraditórias, do medo de levar uns cascudos ao pavor de parecer covarde, enquanto calculava com frieza o que seria melhor para o seu futuro.

Moraes voltou às telas no domingo. Ao fazer campanha por seus correligionários tucanos no interior paulista, disse que haveria uma nova investida da Lava Jato nessa semana. E profetizou que seria lembrado pela plateia assim que a Polícia Federal agisse. Não deu outra, a PF prendeu Antonio Palocci na manhã seguinte.

Moraes foi lembrado sim —só que como um político que está informado sobre ações policiais das quais não deveria ter ciência, um ministro que usa a Lava Jato para proteger o governo e assediar os seus adversários. Pego sem maquiagem, Moraes embromou com galhardia. Yul Brynner teve o topete de acusar a imprensa de deturpar o que afirmara.

Aí surgiu o vídeo mostrando o que de fato disse no domingo. A conclusão é inequívoca: cheio de certezas, um Moraes muito à vontade demonstrou que não só sabe o que a Lava Jato fará como se jacta de o saber. Se um ministro de Dilma incorresse em tal abuso de autoridade, o cinema viria abaixo.

Mas o protagonista da chanchada em cartaz é Michel Temer, que Antonio Carlos Magalhães dizia ter a fatiota de mordomo de filmes de terror. Convém, no entanto, que o júri do Festival de Gramado dê uma olhada nos vídeos de Moraes na internet. Apesar da concorrência renhida, ele é um candidato forte ao Kikito de coadjuvante.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: