Gobbi dissimulou ao falar do negócio “Fielzão” e esqueceu ter contratado mais de 100 jogadores na gestão que criticou

gobbi_thumb.jpg

As fortes declarações do presidente do Corinthians, delegado Mario Gobbi, dando conta da situação pré-falimentar do clube, detonando a gestão anterior, de Andres Sanches e reclamando do negócio “Fielzão” repercutiram durante todo o dia de ontem, no Parque São Jorge.

Porém, faz-se necessário esclarecer alguns pontos que o dirigente, convenientemente, esqueceu de explicar.

Gobbi diz ter sido vítima de uma “bola de neve’ financeira da diretoria anterior, o que, de fato, é verdade, porém esqueceu de dizer que fez parte da gestão que criticou, ocupando cargo de Vice-Presidente de Futebol, período em que o clube contratou mais de 100 jogadores.

Muitos deles, quando não encostados, estão emprestados a outras equipes, com salários pagos pelos caixas alvinegros.

Ou seja, o delegado foi um dos autores intelectuais da dívida que herdou.

Não contente, Gobbi trouxe de volta ao clube, já como presidente, o treinador que o ajudou a inchar o departamento de “mercadorias” de empresários.

Quando deveria estar executando seu atual discurso de “contenção de despesas”, resolveu contratar Alexandre Pato – que tratou como erro – mas rendeu aos intermediários R$ 15 milhões em comissões.

Sem contar outros negócios absolutamente nebulosos, não apenas no futebol, mas, recentemente, ao comprometer a próxima gestão, adiantando receita da televisão na tentativa de livrar quatro dirigentes alvinegros da condenação criminal.

Aliás, sobre esse assunto, Gobbi mentiu na Gazeta ao dizer que o processo foi encerrado com a entrada do clube no REFIS, e que a dívida estava toda quitada.

Não é verdade.

O processo criminal contra Andres Sanches, Roberto “da Nova” Andrade, André Negão e Raul Corrêa da Silva continua, e a dívida, que antes era de R$ 100 milhões, ampliou-se, com o refinanciamento, para R$ 400 milhões.

Outra situação interessante foi o fato de criticar termos do acordo fechado com a construtora e o Fundo gerido pela BRL TRUST, mais precisamente o fato das receitas do futebol, entre elas a renda das partidas, serem integralmente direcionadas a abater a dívida do “Fielzão”.

Porém, em todos os documentos do contrato, Mario Gobbi assinou como “de acordo”.assim como rubricou, também, o folclórico “Relatório de Sustentabilidade” do Corinthians, que tratava o caos financeiro, acusado agora, como se o clube estivesse no “País das Maravilhas”.

Roberto “da Nova” Andrade é outro que também tem assinatura em alguns papeis, diferentemente de Andres Sanches, que, safo, fez as tratativas, mas não rubricou, nem colocou o dedão, numa folha sequer do compromisso.

O negócio, terrível, tem clausulas que indicam, por exemplo:

– a marca “Corinthians”,  nome e símbolo, inclusive, será explorada pela construtora por 30 anos.

– se o clube não quitar todas as suas pendências no referido prazo (empréstimo da Odebrecht, outros empréstimos bancários, BNDES, etc.), o fundo que administra o estádio será dono do “Fielzão”.

– Toda a bilheteria dos jogos do Corinthians pertencerá ao fundo gerido pela Odebrecht, com o Corinthians nada recebendo e sendo ainda obrigado, por contrato, a realizar 90% de suas partidas como mandante no “Fielzão”.

– Toda a receita com placas, publicidade, cadeiras, lojas e até “naming rights” são de propriedade da Odebrecht, por intermédio do fundo já citado, nos próximos 30 anos.

– Os direitos sobre a utilização do terreno de Itaquera foram repassados nos mesmo moldes acima, com o agravante da cessão do terreno pela Prefeitura ao Corinthians findar também neste prazo, podendo então, em caso muito provável do clube não honrar suas dívidas perder não apenas o “Fielzão”, mas também o espaço em que foi construído.

Ou seja, um verdadeiro “Golpe de Estádio”, publicado em primeira mão por este espaço, e levado ao clube para discussão por abnegados associados, que, antes achincalhados, hoje tem as informações confirmadas pelo próprio mandatário alvinegro.

ASSINATURA DE MARIO GOBBI NO ACORDO DO “FIELZÃO”

gobbi assinatura

golpe andrade

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.