Advertisements
Anúncios

Andres Sanches disse que dívida de R$ 70 milhões era “impagável”, “irresponsável” e vítima de “violenta má gestão”

andres bebado

Em 17 de abril de 2007, o ex-presidente do Corinthians, Andres Sanches, em nome do grupo “Renovação e Transparência”, que hoje ocupa o poder alvinegro, enviou carta a todos os associados e conselheiros, com alarmante acusação sobre as contas do clube, que, à época, devia R$ 70 milhões.

Nela, especificava que uma comissão formada por especialistas em finanças, entre eles Raul Corrêa da Silva, após avaliar as pendências, qualificaram, segundo suas palavras, o saldo devedor:

“E a conclusão trágica a que se chega é a de que o Corinthians foi vítima de VIOLENTA MÁ GESTÃO, que culminou no absurdo e IMPAGÁVEL deficit de mais de R$ 70 milhões !”

Por consequência, Sanches e seu grupo fazem a seguinte exigência:

“O minucioso trabalho que segue em anexo (…) deixa evidenciada, de forma patente e incontestável, a temeridade, a verdadeira irresponsabilidade que significará aprovar as contas da diretoria referentes ao exercício de 2006.”

Os anos se passaram, o grupo que apedrejava a gestão Dualib alcançou o poder e, diferentemente do discurso de outrora, ampliou ainda mais o desastre financeiro, com valores que, se na época consideravam “impagáveis”, agora beiram a insanidade administrativa.

Em pouco mais de sete anos, a dívida saltou dos R$ 70 milhões, conforme documento assinado por Andres Sanches, para mais de R$ 400 milhões – não inclusos, ainda, o que está por vir das pendências do estádio.

Na última semana, acresceu-se ao caos a exposição de mais R$ 200 milhões em dividas fiscais, que ocasionaram o indiciamento por crime fiscal de quatro dirigentes alvinegros, entre eles Raul Corrêa da Silva, o “auditor” das contas de Dualib, Andres Sanches, que assinou a carta enviada aos associados alvinegros, em 2007, além de André Negão e Roberto “da Nova” Andrade, este almejando a candidatura a presidência alvinegra.

Violenta má gestão ?

Irresponsabilidade ?

A questão é que os mesmos homens, entre eles os subscritos no referido documento, que pediam a não aprovação de contas da gestão Dualib, que em 14 anos de exercício no poder, deixou “impagáveis” R$ 70 milhões em dívidas, não se furtaram a aprovar as da atual gestão, que ultrapassam, e muito, em apenas sete anos, o montante anterior.

Resta saber se as motivações para tamanha flexibilidade de avaliação, em contrapartida da rigidez anterior, limita-se a questões políticas ou se estende a co-participação, seja lá qual for, no que antes era tratado com absoluta “temeridade”.

carta andres divida 1

carta andres divida 2

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: