Porque não teremos mais ninguém como Telê Santana

tele

Por JOSE RENATO SATIRO SANTIAGO

Março de 1985:

A CBF contrata Evaristo de Macedo para comandar a seleção brasileira durante as eliminatórias da Copa do Mundo.

Maio de 1985:

Telê Santana, técnico do Al Ahli, é contratado pelo Rádio Jovem Pan de São Paulo e TVS de Silvio Santos para comentar os jogos da seleção brasileira nas eliminatórias da Copa do Mundo. Juntamente com Telê, a equipe da TVS é composta por Juca Kfouri, Jorge Kajuru e Osmar de Oliveira.

Após 6 jogos no comando técnico, a derrota brasileira por 2 a 1 para a seleção chilena provoca a demissão do técnico Evaristo de Macedo. Faltam apenas 9 dias para a estreia brasileira nas Eliminatórias.

Tão logo Evaristo é demitido, o presidente da CBF, Giulite Coutinho, liga para Telê Santana pedindo que agilizasse sua liberação pelos árabes do Al Ahli.

“Na quinta-feira, exatamente às 4 horas e cinco minutos da tarde, o telefone toca e ouça um eufórico Telê do outro lado da linha: ‘Juca, estou saindo agora de Belo Horizonte para o Rio. Eles me chamaram antes do almoço e eu consegui a liberação com os árabes para as eliminatórias. Avisa o Sócrates para mim. Avisa também o Osmar porque não consegui achá-lo. A CBF vai entrar em contato com a TVS, mas achei que tinha a obrigação de avisar vocês. Muito obrigado por tudo, e olha, acho que você ainda não pode dar a notícia. Mas a revista só sai na terça-feira né?.. Esta é a última informação que te dou em primeira mão.”  (Placar, 31/05/1985)

4 de julho de 2014

Após ser questionado publicamente sobre sua exclusiva para 6 jornalistas esportistas, em 30 de junho, Felipão rebate: “Vai ser assim. Se gostou, gostou. Se não gostou, vá para o inferno.”

http://veja.abril.com.br/noticia/esporte/felipao-nega-arrependimento-e-ataca-vao-para-o-inferno

Há certo ou errado?

Atitudes que revelam um pouco de cada um dos técnicos.

Que diferem um do outro.

Dentro de um contexto, tudo pode ser justificável.

Mas chocante mesmo é ver o atual comportamento de pessoas presentes nas duas situações.

Vergonha alheia e uma gigantesca decepção.

(Fonte dos fatos ocorridos em 1985, o livro Fio de Esperança de autoria de André Ribeiro, publicado em 2000)

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.