Criminoso Paulo Serdan, presidente de “honra” da Mancha Verde, tem pena de reclusão aumentada pelo TJ-SP e não poderá frequentar estádios

paulo serdan

Inegavelmente um criminoso dos mais perigosos, o presidente de “honra” da facção “Mancha Verde”, vulgo Paulo Serdan, demonstrou, recentemente, ser também dos menos inteligentes habitantes deste Planeta complicado.

Em 2008, o marginal agrediu um treinador da equipe Sub-14 do Palmeiras sob a alegação de que “era pai”, e não aceitava a substituição de seu “filhinho” na equipe.

Descobriu-se, posteriormente, que o episódio tratava-se apenas da gota d’água para atingir um profissional que se negava, há algum tempo, a escalar os mais de dez atletas do “esquema” de Serdan, dentro do clube.

Por ocasião do ato de selvageria, que impossibilitou o treinador palestrino de trabalhar por trinta dias, Serdan foi condenado a um ano de reclusão, em regime aberto.

Porém, o “organizado” teve a cara de pau de recorrer da decisão. e, de maneira sensacional, se estrepou ainda mais.

No último dia 8 de maio, a 5ª Câmara do Direito Criminal do TJ-SP, não só manteve a condenação, como tratou de ampliá-la, para três anos de reclusão, que o marginal, por sorte, cumprirá, ainda, em regime aberto.

A votação, unânime, contou com a participação dos desembargadores Juvenal Duarte (relator), José Damião Pinheiro Cogan (revisor) e Tristão Ribeiro.

Durante todo esse período, somado a pena, está a proibição de frequentar estádios de futebol.

Ou seja, o torcedor decente foi premiado com a ausência de Serdan, que, sabe-se lá por quais motivos, ainda tem transito fácil na sede oficial do Palmeiras.

Agora, com a condenação, razões não faltam para que seja instaurado um procedimento administrativo exigindo sua expulsão do quadro de associados, eliminando, assim, qualquer possibilidade de contaminação no local.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.