Advertisements

“Bem feito” – uma impecável (e imperdível) analise da promiscuidade de dirigentes do Corinthians com os marginais “organizados”

Da VEJA

“(Mario Gobbi e os diretores de futebol do Corinthians) não apenas agem em cumplicidade aberta com marginais das torcidas organizadas, mas garantem a sua existência – abrem as salas da diretoria para elas, financiam suas atividades e dão cobertura para os crimes que cometem.”

Por J.R. GUZZO

O bem amado estádio do Pacaembu, santuário do futebol paulista desde sua inauguração, em 1940, viveu na semana passada uma noite triste.

Com os portões fechados e seus 40 mil lugares vazios, o Pacaembu serviu como Tribunal para um caso raro de aplicação de justiça imediata contra a criminalidade no futebol brasileiro de hoje.

Serviu, também, para expor em praça pública o que pode ter sido a pior humilhação já vivida pelo Sport Club Corinthians Paulista em seus 102 anos de existência.

Ali, como punição preliminar para o assassinato de um garoto boliviano de 14 anos de idade, morto na semana anterior por delinquentes da torcida organizada do Corinthians num jogo pela Taça Libertadores da América na Bolívia, o time “da casa” foi obrigado a jogar sem a presença do público.

É uma vergonha que carimba o clube, perante o futebol mundial, como cúmplice ativo de criminosos.

É também um caso em que se pode dizer com certeza: “Bem feito”.

O Corinthians já começou a pagar, em dinheiro, a primeira parte da punição aplicada pelas autoridades esportivas latino-americanas.

Ficou sem os R$ 3 milhões, ou até mais, que iria receber com a venda de ingressos na fase inicial da competição, e terá de devolver o valor das 85 mil entradas que tinha vendido antecipadamente.

No julgamento definitivo do caso, mais adiante, o castigo pode ficar maior.

Seja qual for a pena final, será pouco: se jogasse na Europa, o Corinthians estaria simplesmente excluído de qualquer competição internacional durante anos a fio.

O fato realmente animador, na verdade, é o reconhecimento oficial de que o responsável por atos criminosos cometidos em partidas de futebol é o clube cuja torcida pratica a delinquência.

Do ponto de vista penal, a responsabilidade pela morte do garoto Kevin Espada, no jogo disputado em Oruro, é de quem o matou; essa é a questão para as autoridades da Bolívia, que já colocaram na cadeia, desde a noite do crime, doze integrantes da torcida Gaviões da Fiel.

De todos os outros pontos de vista, a responsabilidade é, sim, do Corinthians.

O clube, a Rede Globo (que conta com o Corinthians como um pilar de sua audiência) e boa parte da mídia esportiva falaram muito em punição “injusta”.

Sustentam que o clube nada tem a ver com a “conduta isolada” de torcedores marginais.

É falso: o Corinthians tem tudo a ver, na pessoa do seu presidente, Mario Gobbi (um delegado de polícia, por sinal), e de todos os demais diretores da área de futebol profissional.

Não apenas agem em cumplicidade aberta com marginais das torcidas organizadas, mas garantem a sua existência – abrem as salas da diretoria para elas, financiam suas atividades e dão cobertura para os crimes que cometem.

Uma dessas torcidas chama a si própria de Pavilhão 9, em homenagem à sinistra e hoje extinta prisão do Carandiru, em São Paulo: um de seus fundadores é o antecessor de Gobbi na presidência, Andres Sanchez.

Nada poderia mostrar tão bem as suas almas como a reação que tiveram diante do assassinato de Kevin.

Fora umas poucas palavras apressadas para “lamentar” o fato, só pensaram numa coisa: quem vai nos ressarcir dos prejuízos ?

E o garoto – quem vai ressarci-lo pela perda de sua vida ?

O doutor Gobbi ?

O clube, através de sua torcida de delinquentes, pode agora associar-se a um segundo crime – o de obstrução de justiça.

Um advogado da Gaviões fez, de repente, a descoberta milagrosa de um culpado dos sonhos: com o aval prático da Rede Globo, apresentou um garoto de São Paulo como sendo autor do crime.

Por uma dessas coincidências extraordinárias da vida, o rapaz é menor de idade – e portanto está livre, pela Lei brasileira, de receber qualquer tipo de punição.

Foi uma coisa estranhíssima: o advogado, em vez de defender seu cliente, fez tudo para provar que ele era o culpado.

A ideia, nessa estratégia genial, era obter a soltura imediata dos doze corinthianos presos na noite do crime, entre os quais um dos principais chefes da Gaviões.

Aconteceu, obviamente, a única coisa que poderia ter acontecido: as autoridades bolivianas não tomaram o menor conhecimento da história, pois está na cara que não podem soltar todo mundo só porque apareceu no Brasil, ou na Cochinchina, uma confissão que “muda tudo”.

Sem uma atitude de verdadeiro respeito pela decência, ou pela lei, não adiantará nada distribuir a torcedores, para ser mostrado na Globo, cartazes pedindo “Paz nos Estádios”.

Só machucando os clubes com penas pesadas seus diretores talvez comecem a se afastar da bandidagem.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: