Advertisements

Complexo de vira-lata

Por Vladir Lemos

http://blogdovladir.blogspot.com/

Este mês de junho tem sido um grande remake. E pouquíssimas datas na história do futebol brasileiro merecem tanta reverência quanto essa que se avizinha, redonda como a própria bola. Os 50 anos de 58!Nossa primeira Copa do Mundo. O ponto alto foi 29 de junho.

Mas a sensação que tenho é que estamos vivendo a antítese daqueles dias. Nosso escrete perdeu o brilho.Andamos descrentes, mesmo que os nomes daqueles heróis ainda soem retumbantes. Nilton Santos, Djalma Santos, Vavá.

Meio século depois cá estamos nós, ressabiados de ter que enfrentar o Paraguai, em Assunção. Já ouvi até que, na fase atual, um empate contra a Argentina, no Mineirão, seria bom resultado. Ah! Se fossem outros tempos.

O futuro do futebol campeão do mundo em 1958 se encheu de cifras, de contratos, de liberações negadas. Capitalizamos cada glória. Demos à seleção brasileira um ar de “internacional”. A transformamos em um produto com categoria suficiente para ser sensação em qualquer canto do planeta. Criamos números para justificar o argumento de que nosso futebol está cada vez maior. Ainda que não seja exatamente nos campos.

Antes, vestiam nossa camisa os que representavam a fina flor da bola. Agora, os melhores estão longe do time, e não lhes falta futebol. No passado nosso jeito de jogar deslumbrava a nação. Era uma outra maravilha do país que se revelava o país da bossa.

Não, não vou me render à exaltação barata. Nada de ilusão. Mesmo lá, em outros tempos, a seleção nem sempre era espetacular, nem sempre tinha tempo para treinar.Mas, tanto ontem, quanto hoje, de repente, renascia e derrotava o maior rival. Aconteceu, por exemplo, na Copa Roca, em 1957.

Nelson Rodrigues até escreveu sobre o momento do time: “Sem treino, sem nada, resolveu dar um banho na Argentina. E nós sabemos que um craque patrício zangado é uma força incontível…”

Atualmente, o Dunga é que faz o papel do zangado.Isso enquanto os craques patrícios estão cada vez mais distantes de terem motivos para se zangar.

Vivemos uma época de derrotas inéditas. Perdemos pela primeira vez nas eliminatórias. Perdemos pela primeira vez para a Venezuela. Tornamos evidente nossa desconfiança..

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: