Advertisements

Quem discursou na Cúpula do Clima? Fala de Bolsonaro desafia Mateus

Veja repercussão do discurso de Bolsonaro na Cúpula do Clima; 'governo sai  como entrou: desacreditado' | Natureza | G1

Da FOLHA

Por REINALDO AZEVEDO

Uma constante do presidente em 28 meses de mandato é nunca recuar; ao contrário: ele sempre piora o que fez no dia anterior

Quem era aquele presidente que, nesta quinta, falou em lugar de Jair Bolsonaro na Cúpula de Líderes Sobre o Clima? O mesmo que, no dia anterior havia participado do almoço de desagravo ao ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, na casa do dito “moderado” Fábio Faria, ministro das Comunicações? Obviamente não. E aí mora o problema. A reação à fala, mundo afora, é de desconfiança.

Uma pausa para uma consideração: quando o “moderado” do governo oferece um costelão amigo a Salles, cercado pela nata do reacionarismo, o que se deve esperar dos não moderados? No dia anterior, o homenageado havia feito pouco caso dos povos indígenas, com seu habitual humor truculento, destacando que há índios com iPhone, num esforço claro de deslegitimação das demandas dessas comunidades.

Na terça ainda, o delegado Alexandre Saraiva foi apeado da Superintendência da Polícia Federal do Amazonas, depois de trombar com Salles, que resolveu se solidarizar com madeireiros do Pará, apontando falhas inexistentes na operação, empreendida em dezembro do ano passado, que resultou na maior apreensão de madeira ilegal da história.

Em entrevista a O Globo, Saraiva afirmou que só apresentara ao Supremo uma notícia-crime contra o ministro porque, afinal, ele detém foro especial. Não fosse assim, teria instaurado ele mesmo um inquérito por obstrução da investigação e advocacia administrativa. E lá estava Salles, na quarta, sendo aquinhoado com uma costela assada, prestigiado, note-se, pelo chefe —o mesmo que prometeu, nesta quinta, mundos ao mundo –desde que este lhe dê os fundos.

O discurso de Bolsonaro, em si, é bom. Mas quanto ele realmente vale? Esse presidente prometeu, na campanha eleitoral, extinguir o Ministério do Meio Ambiente. E, com efeito, tentou subordinar a área à pasta da Agricultura. Diante da grita nacional e internacional, recuou, mas avançou na pauta reacionária: chamou Salles. E este se encarregou de fazer “passar a boiada”.

E que se note: essa metáfora só vale para bois clandestinos. O agronegócio que conta quer distância das delinquências ambientais em curso e busca descolar a sua agenda das ações oficiais. Temos hoje um governo que é nefasto à preservação ambiental e também aos negócios.

Ao fim de seu 28º mês de mandato, é preciso que se destaque uma constante em Bolsonaro. Ele não recua nunca, pouco importando a eficácia ou não das escolhas que faz. É uma característica dos fanáticos. O resultado adverso reforça as suas crenças. Se uma determinada medida se mostra inútil ou contraproducente, atribui o revés à falta de convicção ou de energia na sua aplicação. E então manda dobrar a dose do remédio errado —cloroquina ou qualquer outro.

O presidente que agora passa o pires na Cúpula do Clima, afirmando que o Brasil precisa de dinheiro para preservar suas florestas —e precisa!— mandou um recado, em agosto de 2019, à primeira-ministra da Alemanha, que decidira suspender recursos enviados ao Brasil: “Eu queria até mandar um recado para a senhora querida Angela Merkel (…) Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok? Lá está precisando muito mais do que aqui“.

Então o presidente muda de ideia? Há uma diferença entre reconhecer um erro, tomando outro rumo, e fazer apenas a mímica da mudança, a exemplo do que se verifica na Saúde. Há quem pense que devemos considerar uma vitória da moderação termos um ministro que usa máscara em público e que reconhece a urgência da vacinação. O presidente, ele mesmo, continua a incentivar a barbárie virótica em meio a 400 mil mortos.

Terá Bolsonaro recuado, de fato, pela primeira vez? Para ficar na metafísica influente neste governo, respondo com Mateus 7:15-17: “Acautelai-vos quanto aos falsos profetas. Eles se aproximam de vós disfarçados de ovelhas, mas, no seu íntimo, são como lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. É possível alguém colher uvas de um espinheiro ou figos das ervas daninhas? Assim sendo, toda árvore boa produz bons frutos, mas a árvore ruim dá frutos ruins”.
Que Bolsonaro desafie Mateus!

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “Quem discursou na Cúpula do Clima? Fala de Bolsonaro desafia Mateus

  1. Jose Ricardo

    Quem diria Reinaldo Azevedo – o amigão de Aécio Neves e Gilmar Mendes – criador do termo petralha, que por muito tempo chamou o criminoso Lula de apedeuta e hoje lambe suas botas, a que ponto chegou pra agradar sua nova patota esquerdista…. Se Bolsonaro chamasse os globalistas de canalhas, dizendo que o Brasil contribui com apenas 3% das emissões de gases poluentes, que preservamos 84% da Amazônia, que a China, os Estado Unidos e a Europa são os principais poluidores do planeta, que os países ricos não cumprem a meta de Paris quando se comprometeram dar 10 bilhões de dólares anuais aos países pobres pra diminuir emissão de CO2, a imprensa militante esquerdista estaria escrevendo que o radicalismo não ajuda em nada, estaríamos nos isolando do resto do mundo, perderíamos negócios, fechariam as torneiras de recursos externos, etc, etc, mas como o discurso do presidente foi comedido, apresentou metas de controle do desmatamento e emissão de gases, a imprensa militante esquerdista, na qual Reinaldo Azevedo se tornou membro, diz que ele foi cínico e mentiroso, enfim é a militância do ganha ganha, se der cara você perde, se der coroa você ganha.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: