Advertisements

Com vazamentos, Bolsonaro sequestra Moro

Da FOLHA

Por CELSO ROCHA DE BARROS

Bolsonarismo chama ministro da Justiça para dentro de seu mundo

Quem quiser acreditar nas manifestações de apoio que acredite: a verdade é que Jair Bolsonaro está vibrando com as denúncias contra Sergio Moro publicadas pelo The Intercept Brasil. As denúncias continuam saindo, não há qualquer indício de que não sejam baseadas em fatos, e são bastante sérias.

A “Vaza Jato” torna mais fácil para o presidente da República fazer o que sempre quis fazer com o ministro da Justiça: reduzi-lo a um tamanho em que ainda faça bela figura em seu ministério sem, entretanto, tornar-se um rival na eleição presidencial de 2022.

A estratégia de Bolsonaro consiste em esperar que Moro perca apoio ao centro, em setores “lavajatistas” que, de fato, estão preocupados com o respeito à legalidade, e amarrar a defesa de Moro aos temas do extremismo bolsonarista, como a fraude virtual e a homofobia.

Na audiência no Senado da última semana, senadores com notável histórico de combate à corrupção e apoio à Lava Jato manifestaram sua decepção com o ministro da Justiça.

O senador Fabiano Contarato, da Rede Sustentabilidade do Espírito Santo, ex-delegado e apoiador da operação desde o início, disse a Moro: “Fico imaginando se fosse eu, delegado, que mantivesse contato pelo WhatsApp com o advogado do indiciado contra quem instaurei um inquérito e isso chegasse ao conhecimento do titular da ação penal, o Ministério Público e do Judiciário. Acho que eu sairia preso da delegacia”.

Outro lavajatista histórico, Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá, também deixou clara sua decepção com Moro, que foi reforçada pela participação do ex-juiz no governo Bolsonaro: “O senhor poderia passar para história como o principal personagem do combate à corrupção no país, mas o senhor optou por servir a um governo, o mais desastrado da história, e que não é imune à corrupção”.

Enquanto lavajatistas históricos manifestavam sua decepção com o ministro da Justiça, o senador Flávio Bolsonaro, sim, aquele, o do Queiroz, tentou vender ao Senado uma teoria da conspiração muito tosca e tipicamente bolsonarista.

A origem do boato é um documento obviamente forjado, que, segundo a máquina de falsificação bolsonarista, deveria ser o registro de uma operação em bitcoins pela qual Glenn Greenwald, editor do Intercept, teria contratado um hacker russo e comprado o mandato do ex-deputado Jean Wyllys para seu marido, o deputado David Miranda (PSOL-RJ).

Que o documento é falso, não restam dúvidas. Basta dizer que, em um documento em inglês, a moeda russa aparece nomeada em português (“rublos”, e não “rubles”, como seria em inglês). Quem conhece transações por bitcoin reconheceu a fraude na hora.

Sabendo que estava mentindo, o senador Flávio repetia, enquanto lia, que não tinha certeza se o que estava dizendo era verdade.

Seu pai, o presidente da República, repetiu as acusações em um discurso, sem perder a chance de referir-se ao deputado Wyllys como “aquela menina”.

Ao defender Moro nesses termos, o bolsonarismo o está chamando para dentro de seu mundo de fraudes e desprezo pela democracia. Se Moro aceitar o convite, vai afundar amarrado ao que a política brasileira tem de pior. Teria feito melhor se tivesse partido na última barca dos razoáveis para fora do governo, a que levou Levy e Santos Cruz.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: