Trump está dando fim do mundo que conhecemos

A partir da esq., a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente polonês, Andrzeji Duda, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, o premiê grego, Alexis Tsipras, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o presidente americano, Donald Trump, em encontro de líderes da Otan

Da FOLHA

Por CLÓVIS ROSSI

Presidente americano está criando o caos geopolítico e econômico

O novo choque entre Donald Trump e os aliados europeus dos EUA, acoplado ao segundo capítulo da guerra comercial com a China, sinaliza o fim do mundo como o conheci. Ou seja, como o conheceu a esmagadora maioria dos terráqueos, posto que não são muitos os que passam dos meus 75 anos.

Primeiro, relembro um pouco do mundo como o conheci, pós-Segunda Guerra Mundial e pós-Guerra Fria. Então, os EUA e seus aliados da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) tratavam de “integrar a Rússia na esfera euroatlântica, econômica e politicamente, na esperança de que assim se conseguiria moderar o comportamento geopolítico de Moscou” (aspas de Judah Grunstein, editor-chefe da World Politics Review).

É verdade que a anexação da Crimeia pela Rússia de Putin dinamitou esse idílico projeto. Mas, ao mesmo tempo, tornou a construção chamada Otan ainda mais importante para conter o expansionismorusso. Putin, afinal, também quer fazer a Rússia grande de novo, o que implica não se deixar cercar pela Europa.

É essa construção que Trump enfraquece, para dizer o mínimo, ao chamar alguns dos países europeus que a integram de “caloteiros” por não contribuírem para a organização tanto quanto deveriam. O presidente americano até tem razão, porque apenas quatro deles (Grécia, Estônia, Reino Unido e Lituânia) gastam com defesa os 2% do PIB a que se comprometeram em 2014.

Trump foi além: pediu que seus aliados dobrem o gasto com defesa, o que é impraticável no curto e no médio prazo.

Consequência inescapável, como constata David Leonhardt, editor da newsletter de Opinião de The New York Times: “O presidente dos Estados Unidos está colocando em risco a aliança ocidental que fez tanto bem nas últimas sete décadas —e está dando conforto ao maior inimigo moderno do Ocidente, a Rússia de Putin”.

Volto então ao princípio: no mundo em que a maioria de nós viveu até agora, os Estados Unidos davam conforto à Europa e tentavam conter Putin. Trump está acabando com ele.

Pior: está colocando em risco também duas outras agendas da Otan que lidam com guerras mais modernas. É o caso de um papel mais destacado para o contraterrorismo no Iraque e do trabalho de contenção de novas ameaças no espaço cibernético.

Se já não fosse o suficiente, o americano está pondo em xeque também toda a construção comercial que o mundo sedimentou desde a criação do GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio, de 1947, transformado em 1995 em Organização Mundial do Comércio).

O aumento dos produtos chineses sobre os quais haverá imposição de tarifas é uma nova salva em uma guerra comercial —exatamente o que a OMC se esforça o tempo todo para evitar. Em 8 de março, quando Trump anunciou o primeiro lote de produtos chineses a serem alvejados, Edward Alden (do Council on Foreign Relations) já escrevia que era “o dia em que a OMC morreu”.

Agora, Martin Wolf, brilhante colunista do Financial Times, perde a paciência e escreve que “o líder do país mais poderoso do mundo é um perigoso ‘ignoramus’” e “criou o caos”.

Se Trump não voltar atrás, como várias vezes o faz, o novo mundo em fase de criação por ele é de fato caótico.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Uma ideia sobre “Trump está dando fim do mundo que conhecemos

  1. Trump= muito emprego, impostos baixos nos USA. Trump= nacionalista, defende o seu povo, America first. O resto e conversa pra boi dormir. Paulinho eu ate simpatizava com as suas analogias referentes ao futebol.Abraco

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.