Advertisements
Anúncios

Um abraço para Nikola Kalinic

Nikola Kalinic disputa amistoso entre Croácia e Senegal antes da Copa do Mundo

Da FOLHA

Por RICARDO ARAÚJO PEREIRA

É raro alguém cometer uma idiotice tão grande que até a história resolve aplicar um castigo

Aos 86 minutos do primeiro jogo da Croácia na Copa do Mundo, o selecionador Dalic deu ordens para que Mandzukic fosse substituído por Kalinic.

O episódio não tem qualquer espécie de “gravitas” por causa dessa maldita mania de todos os nomes acabarem em ic. Parece que é um bêbado quem está a contar a história e vai soluçando ao longo do relato.

Mas aconteceu o seguinte: Nikola Kalinic se recusou a entrar em campo, alegando dor nas costas. Dalic desconfiou que o jogador estava apenas insatisfeito por entrar tão tarde no jogo e mandou-o para casa.

Nesta quarta-feira, quando a Croácia se qualificou para a final, lembrei-me de Kalinic.

Se tinha dores nas costas, devia ter entrado; se tinha dores no orgulho, devia ter entrado ainda mais depressa.

Agora, vai ocupar um lugar ao lado de outros desconhecidos como Stuart Sutcliffe, o baixista de uma certa banda de Liverpool que estava a fazer uma digressão por Hamburgo.

Sutcliffe decidiu ficar por lá para se dedicar à pintura.

Os seus amigos John, Paul e George voltaram para Inglaterra, convidaram um baterista chamado Ringo e obtiveram algum sucesso.

Já todos fomos idiotas.

Mas é muito raro alguém cometer uma idiotice de uma dimensão tão grande que até a história resolve aplicar um castigo.

Os ingleses padecem de um mal semelhante. A sensação que temos é que eles se dedicam a inventar desportos que depois o resto do mundo pratica melhor.

Os indianos são melhores no críquete, os neozelandeses são melhores no rúgbi, vários países são melhores no futebol.

Passaram toda a Copa a cantar “football is coming home”, o futebol está voltando para casa. Na verdade, descobriram nesta quarta, não estava.

Aliás, é óbvio que o futebol fugiu de casa por uma boa razão. Era maltratado. Só chutão para a frente e corrida, coitado.

Agora temos uma final inédita: França x Croácia.

A minha escolha está feita: os croatas jogaram três vezes a prorrogação. Ou seja, chegam à final com mais um jogo nas pernas e menos um jogador no elenco.

Merecem. Se houver justiça, a sorte será tão amiga deles quanto foi cruel para Kalinic.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: