Distintos cartolas

Da “FOLHA”

Por JUCA KFOURI

“É preciso saber distinguir as diferenças entre as espécies que compõem a cartolagem”

JOSEPH BLATTER não é igual a João Havelange, pois é mais parecido com José Maria Marin, que, por sua vez, não é igual a Ricardo Teixeira, mais parecido com João Havelange.

Blatter gosta de futebol, como Marin.

Havelange e Teixeira não.

O que aproxima Marin de Havelange é que, ao contrário de Teixeira, ambos têm como política não acionar jornalistas na Justiça, convencidos de que se o fizerem criarão inimigos até o fim de seus dias, algo que Teixeira não seguiu, ao contrário.

No que, vai ver, teve razão, porque a complacência de Havelange e Marin não os livrou da mira da imprensa independente e, já que é mesmo para apanhar, ao menos, que também se bata. Ainda mais que o pagamento dos advogados sempre ficou por conta da CBF.

Mas Teixeira e Havelange e Marin e Blatter gostam muito de poder e de dinheiro, não necessariamente nesta ordem. São homens distintos, no sentido de diferentes, aqui e ali. E iguais ali e aqui.

Se Marin e Blatter têm em comum o gosto pela bola, Teixeira e Havelange têm juntos uma aprendiz de cartola que trabalha regiamente paga no Comitê Organizador Local da Copa do Mundo no Brasil.

E que lá continua impávida e colosso apesar do terremoto que abala os dois sobrenomes que carrega, sem currículo que justifique a função nem o salário.

Joana Teixeira Havelange faz cara de paisagem enquanto a sociedade brasileira espera mudanças.

Mudanças no nome dos estádios do Engenhão e do Parque do Sabiá, porque nada justifica que João Havelange continue sendo homenageado.

A menos que se mude o nome do Mané Garrincha, em Brasília, para Agnelão; o do Serra Dourada, de Goiânia, para Pirillão; e, quem sabe, o de Itaquera para Mensalão -e o do Maracanã para Cabralzão.

As nossas coisas, as coisas nossas, haveremos de resolver por aqui, cobrando que o Ministério Público e a Receita federais se manifestem sobre o relatório da Justiça suíça sobre os dois cartolões nacionais.

Porque Blatter, bem, Blatter já está sendo tratado com a indignação que merece pela Comunidade Europeia e parece que simplesmente tirar do Qatar a Copa de 2022 e Havelange da Fifa será pouco.

Será preciso, também, que ele se retire.

Para que a Fifa, a exemplo do que fez o COI pós-Juan Samaranch, comece a ter uma cara minimamente limpa.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.