Advertisements
Anúncios

Quem segura o Messias?

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

Como um artilheiro rompedor, o capitão ataca sem encontrar resistência

José Vasconcelos (1926-2011) foi um humorista que alegrou os brasileiros durante décadas.

Entre suas inúmeras piadas, uma que fazia muito sucesso contava a história do bêbado que entrou na igreja enquanto o padre falava da trajetória de Jesus. “Ele passou por Belém, pelo Egito, por Nazaré…” quando ouve-se um berro do incômodo cidadão em meio à pregação: “Não tem um zagueiro para parar este homem?!”

É a mesma pergunta que se impõe agora no Brasil: ninguém interromperá a escalada autoritária do Messias que promete o milagre da cloroquina para curar os doentes e só faz aumentar exponencialmente o número de mortos no país?

Nenhum zagueiro para pará-lo? Quantos limites ele haverá de ultrapassar sem encontrar obstáculos?

Mais que Caio Júlio César, 49 anos antes de Cristo, Messias já atravessou dezenas de vezes o Rubicão (belo nome para um zagueiro!) e segue incólume rumo ao gol, quer dizer, ao estado de sítio. Como na Hungria.

Porque para declarar guerra ao Senado romano, bastou a César atravessá-lo apenas uma vez.

Messias não.

Messias tripudia sobre os adversários, dribla-os uma, duas, três vezes, como se fosse Mané Garrincha ensandecido e à espera de que o país abra as pernas, como fez o maior extrema-direita da história do futebol em amistoso pela seleção brasileira com o goleiro da Fiorentina, pouco antes da Copa do Mundo de 1958, gesto que lhe custou a titularidade inicial na Suécia, perdida para Joel, o camisa 7 do Flamengo.

(Pausa para pedir desculpas à rara leitora e ao raro leitor pela comparação indevida do Anjo das Pernas Tortas com o diabólico ex-capitão expulso do Exército).

Voltemos ao rush, ou melhor, ao putsch em curso comandado por Messias e seus green caps.

Antes de declarar guerra ao Senado brasileiro, ele, para chegar ao Palácio do Planalto, a declarou à imprensa independente, à esquerda, aos indígenas, aos homossexuais etc.

Mesmo assim, as cegas elites nacionais imaginaram que o controlariam ao chegar ao poder.

Qualquer maluco serviria para derrotar o PT.

Derrota imposta à custa do tsunami de notícias falsas, ele logo deixou claro ser incontrolável.

A bem da verdade, seu único estelionato eleitoral deu-se agora, ao buscar o apoio do centrão, a quadrilha de volantes capaz de tudo por um prato de lentilhas além do Banco do Nordeste, do DNOCS e outras coisitas mais.

Porque escalou, para conforto dos brancos ricos e héteros, Jegues e Marreco para jogar com ele no time miliciano.

Engana-se quem imagina que ao tirar de uma vez por todas também a máscara anticorrupção seu gol é evitar o impedimento.

Porque segue no ataque, ao invadir a área do STF com um bando de executivos amestrados, ou ao respaldar manifestações contra o Congresso Nacional, pela volta de regras banidas do jogo como o AI-5, ou desenterrar o sanguinário Curió.

Messias está em busca do inferno, conta com o despudorado centrão para fazer maioria no Congresso e chegar ao estado de sítio —257 votos na Câmara, 41 no Senado.

Talvez não os tenha, mas já jogou fora até o partido pelo qual se elegeu, além de deputado pornô e deputada não menos, e seguiu adiante. Mantém Queiroz em quarentena desde antes da pandemia e chutou o traseiro do Marreco.

Com Xuxu, Laranja e Bananinha, além do garanhão do condomínio, crê ser imbatível.

Cadê o zagueiro para segurar o sociopata?

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

2 comentários em “Quem segura o Messias?”

  1. Bolsonaro precisa tomar remédio para hiperatividade. É doido, coitado! Ele não faz absolutamente nada pelo país, é um aventureiro. E os crimes de responsabilidade? Quando será julgado? Os hospitais não estão dando conta.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: